quarta-feira, 11 de julho de 2012

O que significam as chaves do Reino dos Céus e Isaías 22


Os católicos romanos alegam que Pedro e os seus sucessores na figura dos bispos de Roma têm como mordomos as chaves do Reino dos Céus, porque Jesus herdou o trono de Davi e de acordo com os meios habituais, selecionou um ‘mordomo’ real sobre o seu reino.  

Um exemplo desta argumentação é o texto seguinte retirado deste blog:

"Eu te darei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado no céu.” [Mateus 16,19]

A semelhança destas palavras e a profecia de Isaías que coloca um novo governante sobre o reino de Judá é impressionante:

“Naquele dia chamarei meu servo Eliaquim, filho de Helcias. 21. Revesti-lo-ei com a tua túnica, cingi-lo-ei com o teu cinto, e lhe transferirei os teus poderes; ele será um pai para os habitantes de Jerusalém e para a casa de Judá. 22. Porei sobre seus ombros a chave da casa de Davi; se ele abrir, ninguém fechará, se fechar, ninguém abrirá; 23. fixá-lo-ei como prego em lugar firme, e ele será um trono de honra para a casa de seu pai.” Isaías 22: 21-23

Portanto, realmente não foi coincidência que Jesus tenha usado estas palavras, mas intencionalmente chama a atenção para o contexto desta profecia, onde um ‘mordomo’ ou ’administrador’ novo (Eliaquim) está sendo colocado no reino de Judá. A figura do mordomo era muito conhecida porque era um servo a quem o rei entregou as chaves.

O texto de Isaías mostra-nos mais das funções exercidas pelo administrador, um ministro a serviço do rei com a mais alta autoridade subordinada apenas ao rei, e com um papel de paternidade espiritual: “ele é um pai para os moradores da Jerusalém e à casa de Judá”.
……

Jesus é o herdeiro do trono de Davi, assim de acordo com os meios habituais, seleciona um ‘mordomo’ real sobre o seu reino. É nesta ocasião especial, onde Jesus designa Pedro como ”Papa”, porque é na entrega das chaves a Pedro como ‘mordomo’ do reino dos céus, que se capta a essência do ministério petrino.

Refutação

O que significa as chaves do Reino dos Céus
Em primeiro lugar, a interpretação das chaves com o significado de abrir ou fechar as portas da salvação por parte dos bispos e em particular do papa data do segundo milénio e é devido, claro está, a um bispo de Roma, Gregório VII (1073-1085).
Deve notar-se que Jesus não disse “Eu te darei as chaves da Igreja”, mas “do Reino dos Céus”; este reino foi “aberto” por Pedro aos judeus em Pentecostes (Actos 2) e pouco depois pelo mesmo Pedro aos gentios (Actos 10). Como missão própria de Pedro, e já cumprida por ele, nada indica que pudesse delegá-la nem que devesse fazê-lo.
O outro possível sentido da declaração de Jesus se sobrepõe com o anterior, e está relacionado com o jargão rabínico (cf. Mateus 23:13), onde o uso da expressão “chaves” incluía:
1. A função de declarar, proclamar e explicar as Escrituras (a chave do conhecimento).
2. A função disciplinar de admitir ou excluir alguém da comunhão (a chave da disciplina).
Francisco Lacueva observa apropriadamente:
Neste aspecto, a faculdade de Pedro era extensiva a todos os discípulos (e depois a cada igreja local por meio dos seus oficiais), ainda que Pedro, como costuma dizer-se,” falasse mais alto” no período narrado nos doze primeiros capítulos do livro de Actos. G. Gander faz notar que a entrega das chaves à sua Igreja era uma metáfora consequente com o uso feito por Jesus do verbo “edificar” em relação com o “Novo Povo de Deus”, já que a partir de Pentecostes os discípulos de Cristo exercitariam o ministério evangélico, o que implicava o abrir as portas do reino dos Céus, coisa que os rabinos não podiam fazer. É aqui onde Efésios 4:11 entronca com Mt 13:52, 23:34, como realização da promessa de enviar para a sua Igreja “escribas” dotados de carismas: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores.
F. Lacueva, Catolicismo Romano. Terrassa: CLIE, p. 63-64.
A chave de Davi, quem a tem?
Em relação ao texto de Isaías 22, o ensino claro do Novo Testamento é que a “chave de Davi” não a tem nenhum mordomo, mas o autêntico herdeiro de Davi, o Messias Jesus.
Jesus afirmou ter esta chave quando deu esta revelação a João, enquanto estava prestes a fazer um uso específico deste poder:
Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: Isto diz o Santo, o Verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: Conheço a tua conduta: eis que abri diante de ti uma porta que ninguém pode fechar, porque, embora tenhas pouco poder, guardaste a minha Palavra e não negaste o meu nome.
Apocalipse 3:7-8; negrito acrescentado

7 comentários:

  1. Excelente refutação!!!!Os apologistas romanistas sustentam a exaustão esta tese de que somente Pedro detinha as chaves!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Interessante seu comentário "apologistas romanistas". Parece escárnio, ofensa, mas não é.
      É isso mesmo que nós somos: apologistas romanistas. Nem todos são apologistas, claro.

      Mas é assim desde os tempos bíblicos. Está na bíblia o nosso nome e Paulo sabia disso por isso, escreveu cartas aos Romanos.

      Quando Paulo escreve aos romanistas em Romanos 1, 8 ele dá graças a Deus "... por meio de Jesus Cristo, por todos vós [romanistas], porque em todo o mundo é preconizada a vossa fé."

      "Todo o mundo", ele disse. Isto significa que a fé ensinada pela igreja escolhida por Deus (Rm 11, 17; Mt 21, 43; I Pd 5, 15) era ensinada em todo o mundo.
      E para que isto fosse verdade (e graças a Deus o foi) era preciso que houvesse dependência e autoridade religiosa entre as igrejas da época. Se não, uma não aceitaria a doutrina da outra (do jeitinho como é hoje entre os "evangélicos")
      Seja sincero: unidas as placas "evangélicas" (como se isso fosse possível), podemos dizer que todas elas são "uma só alma, um só batisto e uma só fé"? Seja sincero como você mesmo, ao menos.

      A Igreja romanista é a Igreja que Cristo vem edificando desde Pedro (Mt 16, 18-19).

      Há outras provas que justificam nosso nome de romanistas. Vamos lá?

      A Igreja de Cristo:

      - é mesmo religião, verdadeira e com base na caridade (Is 42, 1; Tg 1, 27))
      - tem, sim, unidade no mundo todo (Fil 2, 2; Ef 4, 4-5; Rom 1, 8)
      - possui uma só autoridade eclesial na Terra (Dan 2, 44; Mt 16, 19)
      - sua base, que era Israel, passa a ser a igreja de Roma (Rm 11, 17; Mt 21, 43; I Pd 5, 15)
      - a única que é a Noiva de Cristo (Ap 21, 9) e não as
      - uma Igreja de Sacerdotes e não de palestrantes (Ap 1, 6)
      - uma igreja com santos (nos Céus) que servem a Cristo dia e noite (I Cor 15, 16-17; Ap 7, 15; 8, 3-4)
      - santos que acompanham a Cristo para onde Ele for (Ap 14, 4-5; Lc 20, 34-36; Mt 22, 30)
      - e quem disser que os santos (nossa família nos Céus) são ídolos, é motivado pelo próprio Mal que diz isso (Ap 13, 5-6), santos cuja vida devemos imitar (Heb 6, 12)
      - prega o mesmo Jesus ontem, hoje e sempre (II Cor 11, 4) e não um Jesus inventado por idéias humanas e egoístas.
      - é aquela que usa vestes santas para servir ao Senhor, uma lei perpétua (Êxodo 28, 1-43)
      - é aquela que reza a oração que o próprio Deus ensinou e mandou que rezassem (Mt 6, 9-13; Lc 11, 2-4)
      - é aquela que tem a Eucaristia (feito com pães ázimos) como aquilo que o próprio Deus disse que era (João 6) e não como homens gostaríam que fosse (Lc 22,19-20, Mt 26,26-29, Mc 14,22-25, I Cor 11,23-26).
      - é formada por pessoas que não se escandalizam com o que o próprio Deus disse sobre o Corpo de Cristo (Mt 6, 61)
      (ainda hoje há aqueles que se retiram e não O seguem mais porque Suas palavras são duras demais para aceitarem (Mt 6, 60), tanto é que inventam outras igrejas cuja doutrina possam suportar (II Tm 4,3))
      - é aquela que respeita, cultua e se alegra com o sofrimento por Cristo, com Cristo e em Cristo (Col 1, 24)
      - é a ÚNICA Igreja que tem corpos incorruptos de alguns santos. A incorrupção de corpos de pessoas mortas não é comum de espécie, tipo, sexo, cor, raça, regionalismo, etc.
      Mas é assinatura indelével de Deus dizendo: "Este é meu servo."
      - é aquela que é assistida pelo próprio Cristo com aparições dEle mesmo (ainda hoje e a exemplo bíblico do que ocorreu com Paulo de Tarso) a algumas pessoas com orientações Pastorais. Negar isso é negar o próprio Cristo.

      É por isso tudo e mais que vou à Igreja de Cristo: conhecer e ser amigo do "Jesus" que São Francisco de Assis conheceu, Edith Stein, João da Cruz, Sta Brígida, Sta Terezinha D'Ávila, São Francisco de Assis, São João Maria Vianei, São Tomás D'Aquino, São João Bosco, São Brás, São Cirilo de Jerusalém, São Francisco de Paulo, São Vicente de Paula,
      Santo Expedito, Santa Clara, etc, etc e etc... conheceu.

      Por tudo isso, somos, sim, romanistas da Igreja que Cristo fundou.

      Gustavo - RJ

      Eliminar
    2. Tenho a impressão que se Francisco de Assis imaginasse que a ordem mendicante que fundou, juntamente com a de Domingos, se converteria com o tempo num instrumento eficaz para os fins da Inquisição, fugiria a sete pés da Igreja de Roma.

      Eliminar
    3. 1- Bestial? As passagens são bíblicas. Elas são bestiais? É que está dizendo?
      2- Inquisição? A inquisição protestante matou tanto ou mais. Isto e fato histórico.
      3- Continue a dizer não a Deus e à Igreja que Jesus fundou e vem edificando até hoje.
      Deus é Misericórdia sempre, nos perdoa sempre se nos arrependemos.
      É difícil imaginar alguém fazendo isso, mas é mesmo este um caminho para o inferno: dizer não a Deus de consciência formada. Pense bem.

      Eliminar
  2. O Pior de tudo é que não somente os blogueiros de quinta categoria utilizam este versículo para sustentar o papado!Eu estava dando uma olhada e até mesmos os grandes exegetas romanistas utilizam este versículo para sustentar a tese do primado jurisdicional e eclesiástico de Pedro.

    ResponderEliminar
  3. 83. Que são as chaves do reino dos céus?

    R. A pregação do santo Evangelho e a disciplina cristã. É por estes dois meios que o reino dos céus se abre para aqueles que crêem e se fecha para aqueles que não crêem (1).

    (1) Mt 16:18,19; Mt 18:15-18.

    84. Como se abre e se fecha o reino dos céus pela pregação do santo Evangelho?

    R. Conforme o mandamento de Cristo, se proclama e testifica aos crentes, a todos juntos e a cada um deles, que todos os seus pecados realmente lhes são perdoados por Deus, pelo mérito de Cristo, sempre que aceitam a promessa do Evangelho com verdadeira fé. Mas a todos os incrédulos e hipócritas se proclama e testifica que a ira de Deus e a condenação permanecem sobre eles, enquanto não se converterem (1). Segundo este testemunho do Evangelho Deus julgará todos, nesta vida e na futura.

    (1) Mt 16:19; Jo 20:21-23.

    85. Como se fecha e se abre o reino dos céus pela disciplina cristã?

    R. Conforme o mandamento de Cristo, aqueles que, com o nome de cristãos, se comportam na doutrina ou na vida como não-cristãos, são fraternalmente advertidos, repetidas vezes. Se não querem abandonar seus erros ou maldades, são denunciados à igreja e aos que, pela igreja, foram ordenados para este fim. Se não dão atenção nem à admoestação destes, não são mais admitidos aos sacramentos e, assim, excluídos da congregação de Cristo, e, pelo próprio Deus, do reino de Cristo. Eles voltam a ser recebidos como membros de Cristo e da sua igreja, quando realmente prometem e demonstram verdadeiro arrependimento (1).

    (1) Mt 18:15-18; 1Co 5:3-5,11; 2Co 2:6-8; 2Ts 3:14,15; 1Tm 5:20; 2Jo :10,11.

    Catecismo de Heidelberg (1563)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...