quarta-feira, 27 de abril de 2011

Resposta a um católico sobre a Sola Scriptura


[Católico] …. sobre a "sola scriptura", esta é uma completa ilusão. Repare que as pessoas não possuíam Bíblias, já que cada Bíblia era produzida manualmente e totalmente copiada pelos monges. E nem sequer era copiada, pois cada letra era DESENHADA UMA A UMA. Não havia computador, nem máquina de escrever, nem sequer esferográfica.

Os monges escreviam com penas de ganso que tinha um traço quadrado. Daí, que tinha que ser tudo DESENHADO LETRA A LETRA. Você sabe quanto tempo levava para um monge copiar uma Bíblia inteira? De 10 a 20 anos de trabalho.

Agora, depois de tanto tempo copiando uma Bíblia, quanto você acha que custava uma para venda? Uma pessoa comum não tinha meios para pagar o trabalho de 10 a 20 anos do copista da Bíblia. Por isso, existiam pouquíssimas cópias disponíveis.

Além disso, hoje temos a bíblia num só volume. Mas quando elas eram copiadas à mão, os diversos livros da bíblia, ocupavam uma estante inteira.

E mais,a esmagadora maioria das pessoas era analfabeta.

Como, então, alguém poderia praticar a Sola Scriptura antes de 1450?

Esta é uma falácia repetida até à exaustão pelos apologistas católicos. É tão óbvia que deveria pelo menos dar-lhes vergonha de repeti-la. A existência de milhares de manuscritos bíblicos indica que, por muito tempo, os cristãos puderam fazer para si cópias de parte ou de toda a Bíblia.

A maioria dos eruditos crê que uma razão para as muitas discrepâncias no texto dos manuscritos do Novo Testamento deve-se ao facto de que eram feitos por entusiastas que desejavam contar com uma cópia barata de algum livro ou livros.

Isto o indica Agostinho de Hipona, ao declarar:

"Mas o conhecimento destas linguagens é necessário, não por causa de umas poucas palavras como estas que são muito fáceis de notar e perguntar por elas, mas, como se disse, por causa da diversidade entre os tradutores. Pois as traduções do hebraico para o grego podem contar-se, mas os tradutores latinos são inumeráveis. Pois nos dias primitivos da fé todo o homem que fortuitamente pusesse as suas mãos num manuscrito grego, e considerasse ter algum conhecimento, por escasso que fosse, de ambas as linguagens, se aventurava na obra de tradução." (De doctr. christ, II, xi [16]).

Também o diz o tratado padrão sobre o texto do Novo Testamento, ao comentar acerca da mudança de escrita uncial para minúscula:

"É fácil entender que esta mudança no estilo de escrita teve um profundo efeito sobre a tradição textual da Bíblia grega. Agora a posse de cópias das Escrituras (e de outras obras literárias) foi posta ao alcance de pessoas com meios limitados. Quando as obras literárias eram copiadas quase exclusivamente na escrita uncial, tais pessoas estavam obrigadas a ter que se virar sem muitos livros. Assim, o manuscrito minúsculo foi um factor importante na disseminação da cultura em geral e das Escrituras em particular. Os manuscritos minúsculos do Novo Testamento superam em número os manuscritos unciais por mais de dez a um ... muita da disparidade no número de [manuscritos] sobreviventes deve ser por causa da maior facilidade com a qual as cópias minúsculas podiam produzir-se...

Nas épocas primitivas da Igreja, os manuscritos bíblicos eram produzidos por cristãos individuais que desejavam ter ou fornecer às congregações locais cópias de um ou mais dos livros do Novo Testamento. Devido ao número de cristãos ter aumentado rapidamente durante os primeiros séculos, muitas cópias adicionais das Escrituras foram procuradas por novos convertidos e novas igrejas. Como resultado, às vezes a velocidade de reprodução ultrapassou a exactidão da execução..." (Bruce M. Metzger, The text of the New Testament, 3rd Ed.; New York: Oxford University Press, 1992, p. 11-12, 14).

O mesmo autor explica que, ao receber o cristianismo sanção oficial, os scriptoria ou produtores comerciais de livros usavam vários escribas que copiavam simultaneamente o mesmo texto lido em voz alta, o que introduziu erros causados por tal método (por exemplo, um ómega por um ómicron em echomen, Romanos 5:1, ou em ode, Lucas 16:25, ou "lavar" (lousanti) por "livrar" (lusanti) em Apocalipse 1:5).

Quanto ao demais, existem razões históricas para o distanciamento entre os textos bíblicos e o "laicado", particularmente a partir da Idade Média. Sola Scriptura era certamente uma possibilidade para os que eram responsáveis pelo ensino: as suas doutrinas deviam basear-se na Escritura. Lamentavelmente, não ocorreu assim. Como no povo de Israel, os pastores desviaram-se gradual mas continuamente do caminho escritural e reprimiram sangrenta e às vezes traiçoeiramente (como o caso de Huss) aqueles que se atreveram a desafiar a sua autoridade. Tal engano tornou-se impossível, obviamente, a partir da invenção da imprensa e da possibilidade de aceder ao que a Bíblia diz, e não ao que os clérigos "diziam que dizia".

Para concluir, o argumento apresentado pelo católico falha completamente o alvo, porque o princípio protestante da "Sola Scriptura" não afirma que a Palavra escrita tenha sido o principal veículo de transmissão, mas que é a fonte definitiva da Verdade revelada. Por ela é possível julgar as homilias, os sacramentos, a liturgia, etc. A questão é se a nossa pregação e as nossas práticas são conformes às Escrituras, não se cada cristão que existiu tinha uma Bíblia. Portanto, o argumento além de falacioso é irrelevante.

40 comentários:

  1. Bom dia!
    o que é escrita uncial e o que são manuscritos minúsculos neste contexto?
    a paz
    Rafi

    ResponderEliminar
  2. Paz Rafi

    O uncial é uma grafia particular constituída por letras grandes em maiúsculas. A mudança de letra foi fundamental para a reprodução do texto bíblico, porque escrever um manuscrito uncial levaba muito mais tempo do que um manuscrito minúsculo.

    ResponderEliminar
  3. como assim o uncial eram letras grandes transformadas em maiúsculas? manuscrito minúsculo era o que?

    Rafi

    ResponderEliminar
  4. Prezado Irmão em Cristo!!!

    A Paz do Senhor!

    Perguntas interessantes aos católicos sobre a sola scriptura no site do CACP(Centro Apologético Cristão de Pesquisas)

    http://www.cacp.org.br/catolicismo/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=144&menu=2&submenu=16

    Interessantes!

    ResponderEliminar
  5. A maior objeção dos romanistas em relação a sola scriptura se encontra na epístola de Paulo aos Tessalonicensses!

    “Assim, pois, irmãos, permanecei firmes, e CONSERVAI AS TRADIÇÕES, que vos foram ensinadas, SEJA POR PALAVRA, seja por epístola nossa.” (2 Ts 2,15)-Maiúsculo acrescentado"

    A partir deste versículo,a maioria dos blogueiros romanistas usam este versículo para por em igualdade a tradição e a bíblia!

    ResponderEliminar
  6. Cara Anna Allicy! Não negamos a existência de toda e qualquer tradição oral no cristianismo,outrossim,apenas refutamos as tradições espúrias à luz das Sagradas Escrituras!

    ResponderEliminar
  7. {Católico}: "Os protestantes ignoram que decorreram cerca de 20 anos até aparecer o primeiro texto do NT (I Ts) e que o Antigo Testamento não podia ser a regra máxima normativa de questões doutrinárias "latu sensu" porque senão os cristãos primitivos teriam seguido o judaísmo e não o cristianismo"!

    Esta é outro "argumento" utilizado pelos romanistas que o NT só veio depois e que por isso a "sola scriptura" é falsa,portanto,gostaria de saber se a informação dita a mim pelo católico é verdadeira-sobre o primeiro livro do NT- e de uma refutação consistente!

    Pax Christi!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  8. Em primeiro lugar, os protestantes não ignoram, pelo menos os mais instruídos, que decorreram cerca de 20 anos até aparecer o primeiro texto do NT (I Ts).

    Em segundo lugar, a conclusão do católico de que os cristãos teriam seguido o judaísmo e não o cristianismo se as Escrituras do Antigo Testamento fossem a regra máxima normativa de questões doutrinárias é FALSA. Porque tanto Jesus Cristo como os apóstolos sempre apelaram para a autoridade da Escritura, e não para a autoridade de tradições extra-bíblicas, para ensinar e explicar a sua doutrina. Quem interpreta mal as Escrituras do Antigo Testamento são os Judeus e não os cristãos, a doutrina cristã não anula as Escrituras do Antigo Testamento, pelo contrário, as confirma.

    É também claro que no período de transição enquanto os apóstolos viviam os seus ensinamentos orais coexistiram e até predominaram sobre os escritos. Por exemplo, os tessalonicenses, e os efésios, etc., tiveram a oportunidade, de ouvir Paulo, além de receber as suas epístolas. Isto não está em discussão, como também não está em discussão que a palavra apostólica tinha igual autoridade quer quando era falada como quando era escrita.

    O que está em discussão é se pode demonstrar-se que tais ensinamentos apostólicos não postos por escrito por eles são algo diferente - no sentido de complementar o escrito. Uma demonstração satisfatória deveria incluir uma lista de tais ensinamentos juntamente com a evidência documental que prove que tais coisas foram recebidas como doutrina apostólica.

    ResponderEliminar
  9. O judaísmo ortodoxo e o catolicismo têm uma coisa em comum. A maior parte das coisas que seguem não são ensinadas na Bíblia mas na sua tradição.

    Porque é que os católicos não seguem a tradição judaica extra-bíblica e praticam a "sola scriptura" em relação ao Velho Testamento?

    ResponderEliminar
  10. Irei por aqui as refutações dele:
    BLOG CONHECEREIS A "VERDADE":
    Porque tanto Jesus Cristo como os apóstolos sempre apelaram para a autoridade da Escritura, e não para a autoridade de tradições extra-bíblicas, para ensinar e explicar a sua doutrina.

    REFUTAÇÃO:
    Isto é mais falso do que nota de vinte e cinco reais! Diversos sermões de Jesus são baseados nos ditos e nas tradições rabínicas dos fariseus, que se desenvolveram a partir da Tradição oral. Jesus, por exemplo, afirma: “ouvistes o que vos foi dito: amarás teu próximo e odiarás o teu inimigo.” Os pastores poderiam mostrar em que parte da Bíblia está escrito que devemos “odiar nossos inimigos”? Não o podem, pois isto vem da tradição rabínica de se afastar do "am ha aretz", aquele que desconhece a Torá. Portanto, grande parte dos discursos de Jesus não se limitou “ao que estava escrito”, mas a toda Palavra Escrita e Oral aceita pelos judeus.
    O nobre apologista protestante esquece que o próprio São Paulo colocou em "pé de igualdade" a tradição e as escrituras!
    “Assim, pois, irmãos, ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, SEJA POR PALAVRAS, seja por epístola nossa.” (2Tss 2,15)
    (continua)

    ResponderEliminar
  11. Irei pôr as respostas que o "católico" me enviou:
    A “tradição” a que Jesus se refere NÃO é a Tradição Oral que os judeus tinham por Palavra de Deus, mas a tradição dos fariseus que, para evitarem infrações ainda que involuntárias da Lei, criaram uma série de prescrições, assim como fazem os pastores protestantes, que proíbem os fiéis de jogar futebol, ver televisão, coisa que não foi ordenada por Deus. Tais prescrições acabaram por se tornar um peso.

    Dizer que Jesus só ensinou o "que estava escrito" é mais falso que um nota de três reais! Diversos sermões de Jesus são baseados nos ditos e nas tradições rabínicas dos fariseus, que se desenvolveram a partir da Tradição oral. Jesus, por exemplo, afirma: “ouvistes o que vos foi dito: amarás teu próximo e odiarás o teu inimigo.” Os pastores poderiam mostrar em que parte da Bíblia está escrito que devemos “odiar nossos inimigos”? Não o podem, pois isto vem da tradição rabínica de se afastar do "am ha aretz", aquele que desconhece a Torá. Portanto, grande parte dos discursos de Jesus não se limitou “ao que estava escrito”, mas a toda Palavra Escrita e Oral aceita pelos judeus.

    ResponderEliminar
  12. Outrossim,os nobres apologistas protestantes esquecem que São Paulo pôs as tradições em CONDIÇÃO de IGUALDADE com as Sagradas Escrituras!

    “Assim, pois, irmãos, ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, SEJA POR PALAVRAS, seja por epístola nossa.” (2Tss 2,15)
    Até então, as primeiras comunidades se formaram, EXCLUSIVAMENTE sobre a Tradição Oral dos Apóstolos. Dizer que a Tradição Oral não é equivalente a palavra de Deus equivale a afirmar que as palavras de Cristo somente se tornaram divinas décadas depois de Sua morte.

    ResponderEliminar
  13. Agora é a minha vez de perguntar,caro administrador,do blog Conhecereis a Verdade: O "am ha aretz"(se afastar daquele que conhece a torá) é uma invenção do apologista ou é verdade? Eu desconheço tal tradição judaica e gostaria de mais informações!

    ResponderEliminar
  14. Correção: *se afastar daquele que desconhece a Torá

    ResponderEliminar
  15. {Católico): O nobre apologista poderia me COMPROVAR se antes da "pseudoreforma" de 1517 todos os cristãos iriam para o inferno?

    O último apelo emocional do católico....um tanto quanto risível,mas faço questão de pôr porque esta "famosa objeção" é dita "ad nausean" nos blogs romanistas e só engana mesmo os menos esclarecidos!

    ResponderEliminar
  16. Que salgalhada é esta? Caro olhar critico, poupe-nos da mediocridade e dos delírios da apologética católica se faz favor.

    O católico primeiro diz que os cristãos primitivos se tivessem o Antigo Testamento como regra máxima normativa de questões doutrinárias teriam seguido o judaísmo e não o cristianismo. Agora diz que o judaísmo tinha uma Tradição oral divina de autoridade igual às Escrituras, da qual Jesus também era adepto. Ora se os cristãos primitivos pusessem de parte a "divina" tradição oral judaica admitindo como máxima autoridade apenas as Escrituras não podiam seguir o judaísmo. Não bate a bota com a perdigota. Digamos que a coerência não é o forte deste católico.

    Depois para refutar a minha afirmação de que tanto Jesus como os apóstolos sempre apelaram para a autoridade da Escritura, e não para a autoridade de tradições extra-bíblicas, para ensinar e explicar a sua doutrina, cita um versículo onde Jesus corrige uma tradição judaica que ensinava erradamente que “o próximo” em Lev. 19:18: “amarás o teu próximo como a ti mesmo” era simplesmente o Judeu. Jesus mostra que o correto entendimento de “o próximo” nesta passagem não é apenas o Judeu mas todas as pessoas de todas as nações e raças até mesmo os inimigos.

    Em resumo para me refutar em vez de dar um contra exemplo onde Jesus recorresse à autoridade da tradição oral, recorre a um exemplo onde Jesus corrige uma tradição oral errônea. Bravo!

    Quem tem um mínimo conhecimento das Escrituras sabe que para Jesus as Escrituras eram a autoridade suprema nas disputas que mantinha com os judeus, censura a tradição oral dos fariseus por anular as Escrituras, além de censurar também os saduceus por não conhecerem as Escrituras, não por não conhecerem a tradição oral que rejeitavam.

    Claro que Jesus não se limitou “ao que estava escrito”. Prova disso é por exemplo o versículo que o apologista católico referiu. Mas alguém disse que se limitou?

    Estamos de acordo que Paulo pôs em pé de igualdade a tradição e as Escrituras. Uma vez que são a mesma coisa. Para mim a Tradição Sagrada encontra-se nas Escrituras. É esta a Tradição que se deve conservar e seguir; o resto é na melhor das hipóteses duvidoso, e na pior falso.

    Também estamos de acordo que as primeiras comunidades se formaram, exclusivamente sobre a Tradição oral dos Apóstolos. O conteúdo de tal Tradição, no entanto, ficou perpétua e seguramente fixado exclusivamente no Novo Testamento.

    Se o católico sustenta a existência de uma tradição oral de origem apostólica, é muito simples demonstrá-lo. Só tem que dizer excatamente quais doutrinas e práticas são dessa origem, com a correspondente evidência.

    ResponderEliminar
  17. Diz o ”A “tradição” a que Jesus se refere NÃO é a Tradição Oral que os judeus tinham por Palavra de Deus, mas a tradição dos fariseus que, para evitarem infrações ainda que involuntárias da Lei, criaram uma série de prescrições, assim como fazem os pastores protestantes, que proíbem os fiéis de jogar futebol, ver televisão, coisa que não foi ordenada por Deus. Tais prescrições acabaram por se tornar um peso.”

    O nobre apologista católico ou está com uma crise de identidade ou não sabe do que está a falar, sendo um confesso adepto da Tradição oral judaica, tendo-a como Palavra de Deus é um prosélito da sinagoga, não um católico e muito menos um discípulo de Cristo.

    As tradições que Jesus condena são aquelas dos homens tidos por mais piedosos e religiosos do seu tempo. Estas tradições tinham um efeito nefasto sobre o cumprimento do sentido mais profundo e espiritual da Palavra de Deus. O que o nobre apologista católico não vê, ou não quer ver, é que a sua igreja faz e alenta precisamente isto. Quando por meio de raciocínios humanos se exalta Maria para lá da prudente sobriedade das Escrituras, deixa-se o mandamento de Deus. Quando se inventa um lugar intermédio de purificação por fogo para a maioria dos crentes, deixa-se o mandamento de Deus. Quando em vez de recordar e proclamar Cristo na Eucaristia, se pretende repetir incruentamente o seu sacrificio, deixa-se o mandamento de Deus. A lista é interminável.

    {Católico): O nobre apologista poderia me COMPROVAR se antes da "pseudoreforma" de 1517 todos os cristãos iriam para o inferno?

    Esta pergunta é estranhíssima. Que tipo de comprovação pretende? Quer que eu vá ao inferno verificar? Suponho que com "pseudoreforma" de 1517 se refere à reforma protestante. Mas os reformadores ensinaram que só na reforma protestante há salvação?

    ResponderEliminar
  18. Excelente!!!!Gostei!!!DESCULPA o "transtorno",pois eu só quis saber se a tradição citada era verdadeira...

    ResponderEliminar
  19. Neste caso Jesus faz alusão a uma tradição falsa ensinada pelos escribas. Mas tenha em atenção que existem tradições verdadeiras citadas na Bíblia.

    Qual o critério então a adoptar para aceitar umas tradições e rejeitar outras?

    As tradições orais adquirem a sua autoridade quando são incorporadas nas Escrituras.

    Das múltiplas tradições que possa ter havido, somente algumas foram, sob inspiração do Espírito Santo, incluídas nas Escrituras e por esta razão tornaram-se normativas. São estas, e não toda a tradição oral, as que constituem a única Tradição Sagrada autorizada que reconhecemos, a que aprouve a Deus que fosse perpetuada na Bíblia.

    O princípio que se aplica é este: Se os escritores do Novo Testamento, inspirados pelo Espírito Santo, adoptaram certas tradições ao mesmo tempo que excluíram muitas outras isso supõe um discernimento que impede de considerar o conjunto da tradição estranha ao Antigo Testamento como inspirada. Sabemos que certas tradições eram inspiradas precisamente porque ficaram escritas, facto que é plenamente conforme ao princípio da Sola Scriptura e oposto à doutrina católica sobre a Tradição oral.

    ResponderEliminar
  20. Blog Conhecereis a Verdade!

    Esta última pergunta é risível:

    O nobre apologista poderia me COMPROVAR se antes da "pseudoreforma" de 1517 todos os cristãos iriam para o inferno?

    Eu queria alguma citação dos reformadores sobre este tema(o destino das pessoas antes da reforma....),pois a maioria dos blogs "católicos" dão a entender esse tipo de coisa...

    ResponderEliminar
  21. Transcrevo a resposta dele:{Católico}: O critério usado para discernir as tradições verdadeiras é falso- o critério de a tradição está escrita no Novo Testamento-,pois a morte de Pedro e da maioria dos apóstolos,por exemplo,não estão descritas na Bíblia,a exceção de Judas,o traidor,pois são todas oriundas da tradição!

    O critério dito pelo nobre apologista protestante é falho,pois por este "modus interpretandi" deveríamos IGNORAR o livro de hebreus pelo fato de não sabermos quem é o seu autor!Os escritores do Novo Testamento não ignoraram o "conjunto da tradição estranha" pelo simples fato de não as terem escrito!O apologista protestante de maneira dolosa ou culposa ignora o fato de que de os escritores apóstolos não puderam colocar TODAS as tradições escritas!Só porque eles não escreveram significa que sejam falsas? Os milagres de Jesus não relatados na Bíblia são falsos?

    ResponderEliminar
  22. O seu nobre interlocutor católico não entendeu nada.

    Precisamente pela morte de Pedro e da maioria dos apóstolos não estarem descritas na bíblia é que não sabemos como e quando ocorreram. Qualquer tradição a este respeito não pode ser considerada, uma verdade revelada, ou um dogma de fé. O mesmo se aplica quanto ao autor da epístola aos hebreus. Quando muito pode-se ter uma opinião particular mas não se pode chamar a ela uma doutrina apostólica.

    Além do mais quando a igreja católica fala em tradição oral como a segunda fonte da revelação, não está a falar de quaisquer tradições, mas da tradição Apostólica, isto é, ensinamentos dos apóstolos transmitidos oralmente que não foram escritos. Duvido que a forma como os apóstolos morreram ou o autor da epístola aos hebreus constituam tradições apostólicas, quando muito podem ser tradições eclesiásticas. Mas se tiver evidência fidedigna que os apóstolos ensinaram estas coisas de viva voz pode apresentá-la.

    Eu não ignoro nada de maneira culposa ou dolosa. Até reconheço o óbvio de que as tradições não foram todas escritas nem podiam ser. Assim como a abstracta tradição oral que a sua igreja diz ter conservado não pode abarcar tudo o que Jesus e os apóstolos disseram. A questão é que as tradições que foram escritas sabemos com toda a certeza que são inspiradas, as que não foram não sabemos nada delas.

    Ou melhor podemos saber se o católico nos disser de uma vez por todas quais são as tradições Apostólicas não Escriturais que a sua igreja guarda.

    Quais são os milagres de Jesus não relatados na Bíblia? Eu não os conheço. Certamente que se houve milagres de Jesus que não foram relatados na Bíblia eles não são falsos, mas precisamente porque não foram escritos não os conhecemos. O Espírito permitiu que algumas coisas fossem escritas e outras não. A explicação mais natural é que Deus quis que essas em particular, e não outras, fossem conservadas até que o Senhor volte.

    ResponderEliminar
  23. Caro, Blog Conhecereis a Verdade,o meu caro amigo católico não quer postar aqui,mas estou achando o debate interessante e peço vênia para continuar mostrando a resposta dele!

    {Católico}: O apologista protestante há de concordar comigo que nem tudo o que fazem nas Igrejas protestantes está descrito na Bíblia ou é uma doutrina apostólica!Portanto,como eu posso limitar a tradição oral dos apóstolos de mais de 2000 anos?Eu poderia pedir para o apologista me dar uma lista de diversas doutrinas pregadas nas Igrejas genéricas e amorfas protestantes que não são apostólicas,por exemplo,a pseudoteologia da prosperidade na qual o cristão tem que ser rico e não possuir doença alguma!

    Cristo veio fundar uma Igreja visível,tradicional,sólida e hierárquica!É muito mais fácil confiar em uma instituição que vem desde a ERA APOSTÓLICA do que confiar em "igrejas" que são fundadas por homens em cada esquina!

    Já pensou se a Igreja primitiva seguisse a sola scriptura?Qualquer coisa que os apóstolos falassem e que não constasse no AT os cristãos não deveriam aceitar!?Pode uma coisa dessas?

    No final das nossas vidas saberemos quem está realmente certo...Que Deus te abençoe!

    ResponderEliminar
  24. {Católico}:Em 2Tm 3,16, Paulo disse: "Toda Escritura é inspirada por Deus". Mas que Escritura havia no tempo de Paulo?
    Paulo morreu em aproximadamente 67 dC, de forma que a segunda epístola a Timóteo (2Tm) foi escrita antes desse ano.
    Existia o Novo Testamento na época da 2Tm?
    Não, não existia!
    Também sabemos que não existiu um Novo Testamento por centenas de anos após a redação da 2Tm.
    A única Escritura disponível para Paulo era o Antigo Testamento.
    Portanto, você não pode usar este versículo para justificar a Sola Scriptura, a não ser rejeitando todo o Novo Testamento.
    • "Toda Escritura é inspirada por Deus".
    Foi o que Paulo disse.
    Mas de qual "Escritura" ele se refere?
    A única Escritura disponível naquele tempo era o Antigo Testamento hebraico, bem como sua tradução grega, chamada Septuaginta.
    Isto o coloca na difícil situação de ter que aceitar os livros "deuterocanônicos", que estavam na Septuaginta grega, usada pelos judeus de língua grega, inclusive Paulo.
    Lembre-se que estes foram os sete livros rejeitados por Lutero, quase 1500 anos depois: Sabedoria, Eclesiástico, Judite, Tobias, 1Macabeus, 2Macabeus e Baruque.
    Uma vez que estas duas traduções eram as únicas disponíveis para Paulo e ele disse que toda Escritura era inspirada por Deus, então também estes sete livros foram inspirados por Deus, ou não?
    Se não, quem poderia ter AUTORIDADE para removê-los?
    Você se lembra que a Bíblia proíbe que se acrescente ou retire algo da Palavra de Deus e o que acontecerá para aquele que o fizer?

    • Mais uma vez, já que Paulo disse que toda Escritura era inspirada, você acredita que esta advertência vale também para a Escritura futura (após 2Tm)?
    Obviamente não, pois Paulo não faria uma declaração sobre escritos futuros, pois não teria como conhecer seu conteúdo.
    Se você insiste em acreditar que ele abrangia os escritos futuros, então você terá que admitir que centenas de livros, que foram rejeitados por serem não inspirados (apócrifos), são, na verdade, inspirados pois Paulo assim o disse (segundo a sua crença).( Fonte:Veritatis Splendor"A morte da sola scriptura")

    ResponderEliminar
  25. {Católico}:
    "Esta pergunta é estranhíssima. Que tipo de comprovação pretende? Quer que eu vá ao inferno verificar? Suponho que com "pseudoreforma" de 1517 se refere à reforma protestante. Mas os reformadores ensinaram que só na reforma protestante há salvação?"

    É sério isso? Você pode me COMPROVAR que os "reformadores" aceitavam que as pessoas antes da reforma iriam para o céu?Eu digo isso porque a maioria dos apologistas protestantes se auto intitulam os "porteiros do céu" e que todos os outros que não aceitem a doutrina "reformada" vai para o inferno!Não sei se este é o seu caso e nem estou dizendo que seja,mas isto é um fato!

    ResponderEliminar
  26. Se o ridículo matasse já não havia apologistas católicos

    A declaração de Paulo em 2Tm 3,16 não tem como propósito delimitar o cânon, mas declarar a natureza das Escrituras. Portanto, o que aí diz em relação ao Antigo Testamento se aplica exactamente ao Novo.

    O apologista católico ao não aplicar o que Paulo diz ao Novo Testamento é que está a rejeitá-lo, uma vez que isso implica que não reconhece os escritos do Novo Testamento como Escritura.

    Depois manifesta a sua total ignorância da história ao fazer afirmações falsas sobre Paulo Lutero e o cânon.

    Não é pelos livros deuterocanónicos provavelmente estarem incluídos na Septuaginta, que isso significa que o cânon do Velho Testamento admitido por Paulo os incluísse. Na verdade, não há nenhuma evidência que Paulo considerasse os sete deuterocanónicos Escritura, de fato nunca os cita como tal.

    Além disso e segundo os códices do século IV, a Septuaginta continha além dos livros do cânon hebraico outros livros que não só os sete livros aceites como canónicos pela igreja católica mas também outros livros.

    E no tempo de Paulo os livros circulavam em rolos separados e não em formato de livro (códice), pelo que podia usar uns livros sem utilizar toda a colecção. E mesmo que usasse toda a colecção da Septuaginta isso não significava que considerasse todos os livros desta tradução como Escritura Sagrada, da mesma forma que eu quando utilizo uma tradução católica da Bíblia não considero os deuterocanónicos presentes nela Escritura Sagrada.

    ResponderEliminar
  27. (...)"não se cada cristão que existiu tinha uma Bíblia."

    O protestante acaba de dar um tiro no próprio pé!Se nem todo mundo possuía uma Bíblia ,como então poderiam praticar o princípio da "sola scriptura"?

    É óbvio que os cristãos primitivos tiveram que confiar na TRADIÇÃO assim como os cristãos hodiernos também devem confiar!

    O princípio é auto-refutável!!!


    "O mesmo autor explica que, ao receber o cristianismo sanção oficial, os scriptoria ou produtores comerciais de livros usavam vários escribas que copiavam simultaneamente o mesmo texto lido em voz alta, o que introduziu erros causados por tal método (por exemplo, um ómega por um ómicron em echomen, Romanos 5:1, ou em ode, Lucas 16:25, ou "lavar" (lousanti) por "livrar" (lusanti) em Apocalipse 1:5)."

    Isto aqui é um tremendo disparate!!!E é o argumento mais utilizado pelos ateus contra a própria sola scriptura,pois alegam que a multidão de traduções foge do original e que por conta disso haveria manipulação de doutrinas!!!

    Enfim!!!Só não refutei com os próprios escritos do Doutor da Igreja Anto Agostinho de Hipona porque estou sem paciência para tanta mentira!

    ResponderEliminar
  28. A Anna Allicy já pôs ali em cima as palavras de São Paulo e eu as reproduzo para o herege!!!!

    “Assim, pois, irmãos, permanecei firmes, e CONSERVAI AS TRADIÇÕES, que vos foram ensinadas, SEJA POR PALAVRA, seja por epístola nossa.” (2 Ts 2,15)

    Está vendo?O próprio São Paulo nos mandou guardar as tradições!!!Agora você omite isto e quer continuar seguindo a heresia que Satanás bafejou nos ouvidos de Lutero!!!?Vá em frente!!!!Espero que um dia tu se arrependas e volte para a Santa Igreja Romana!!!!AQUELA MESMA QUE VOCÊ FAZIA PARTE ANTES DA REFORMA E QUE SÓ SAIU POR CAUSA DE UM MONGE BÊBADO,LOUCO E MULHERENGO!!!!

    ResponderEliminar
  29. É a primeira vez que vejo um apologista católico a confessar abertamente que acredita na reencarnação. :)

    ResponderEliminar
  30. Tu não sabes nem ser irônico?Não entendes o que é uma metáfora?Não entendes o que é uma figura de linguagem?Eu quis dizer que se não fosse a "reforma" ...tu hoje seria católico romano e não seria este "porteiro do céu" que condena todos os católicos ao inferno!!!!

    Precisas estudar um pouco mais de português!!!!Precisamente as diferenças entre linguagem literal e figurada ou linguagem denotativa e conotativa!!!Um cidadão que não sabe nem português e não consegue entender uma metáfora antropomórfica e ainda pretende ensinar exégese bíblica a Igreja(!)

    Quanto a reencarnação!!!!!É apenas uma doutrina tardia,espúria,velha,cômoda e totalmente desconhecida dos pais primitivos e totalmente anti-cristã igualmente a seita satânica que tu segues!!!!

    ResponderEliminar
  31. "Tu não sabes nem ser irônico?Não entendes o que é uma metáfora?Não entendes o que é uma figura de linguagem?Eu quis dizer que se não fosse a "reforma" ...tu hoje seria católico romano e não seria este "porteiro do céu" que condena todos os católicos ao inferno!!!!"


    R: Ele poderia ser católico ortodoxo, adepto do judaísmo etc.

    Apologista católico, Roma nunca foi e nunca será a Igreja mãe.

    Sua argumentação é sempre uma boa piada.

    Enfim... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderEliminar
  32. Apolominta Jumentólico prossegue:

    "Precisas estudar um pouco mais..."

    R: Camarada, se você entendeu que tudo não passava de uma simples ironia, por que prosseguiu respondendo de maneira vazia e idiota?

    Vá catar coquinho!

    ResponderEliminar
  33. Uma piada é o teu comentário!!!!!

    Apenas quero registrar aqui o tiro no pé dado pelo próprio protestante conforme eu expus anteriormente!!!

    (...)"não se cada cristão que existiu tinha uma Bíblia."

    É verdade!!!!Nem todos tiveram uma bíblia,portanto,tinham que seguir a tradição e a sola scriptura é uma piada!!!!

    AH!!!!Aprende a escrever,cidadão,"unknow"(não sabe nem o portugês kkkkkkkk...por isso vai ser sempre esse "desconhecido" mesmo...)

    Uma aulinha de ortografia!!!!Escreve-se apologista e não apolominta

    ResponderEliminar
  34. Uma piada é o teu comentário!!!!!

    R: Onde está a piada?

    Apenas quero registrar aqui...

    R: Registrou mais do que uma tentativa porca de refutação,bobão. Rs.

    AH!!!!Aprende a escrever,cidadão

    R: Aprende a ler e interpretar, apoloburro.

    por isso vai ser sempre esse "desconhecido" mesmo

    R: Todos aqui são desconhecidos ou será que seu verdadeiro nome é apologista católico? Que nome feio e miserável esse. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Uma aulinha de ortografia!!!!Escreve-se apologista e não apolominta

    R: Puxa! Tão inteligente e só identificou um erro?

    Você esqueceu o Jumentólico ou será que aí eu acertei? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Vá catar coquinho!


    "Já dizem os pinguins : - Apenas sorria e acene."

    ResponderEliminar
  35. "Apenas uma tentativa porca de refutação"!!!!!Cidadão!!!!Não vou me dar ao trabalho de continuar a responder as suas meninices!Apenas pergunto se tens uma refutação consistente e fundamentada para a objeção citada,caso não tenha eu não te responderei mais!

    Ainda complemento a minha objeção afirmando que HOJE ainda existem aproximadamente 2 MIL idiomas que não possuem a Bíblia traduzida o que dificulta ainda mais para o princípio da sola scriptura,pois estas pessoas devem seguir e ouvir a tradição cristã!!!!!

    Essa tentativa de diferenciar livre exame e exame particular a gosto do freguês também é falha!!Peça a 10 pessoas adeptas da sola scriptura e que não sigam ao Santo Magistério para interpretar somente um versículo e verás a bagunça que vai dar....é por isso que a sola scriptura gerou essa multidão de seitas(eufemizando denominações....) que chegam a mais de 10000 com doutrinas diferentes entre si!

    Aí eu te pergunto!!!!Falam tanto em "doutrina apostólica",mas será que a doutrina apostólica era dessa forma?A doutrina apostólica era esse samba do crioulo doido que é hoje o protestantismo?O Concílio de Jerusalém relatado nas Sagradas Escrituras é a PROVA de que a Igreja primitiva era organizada e decidia as doutrinas através de concílios e não havia mudança de doutrina como de quem muda de roupa!!!!!

    Muitos me perguntam o porquê do Protestantismo está crescendo no Brasil e eu respondo:relativismo doutrinário;teologias espúrias com promessas de riquezas materiais dentre outros motivos,mas o fato inconteste é que o "somente a Bíblia" causa uma confusão e uma desunidade no protestantismo!Eu prefiro seguir a Santa Igreja Una,INDIVISÍVEL e APOSTÓLICA!

    Que Deus abra a sua mente,caro "unknow",e que você saia logo desse engano!

    ResponderEliminar
  36. Além disso o outro cidadão é tão desonesto que em resposta ao "olhar crítico" diz: "Mas os reformadores ensinaram que só na reforma protestante há salvação?"

    Agora o nosso "Conhecereis a Verdade" está dando uma de doido ou fazendo o que é próprio do protestantismo...MENTIR!!!

    Vai dizer então que os pseudoreformadores ensinaram que havia salvação na Igreja católica...

    ResponderEliminar
  37. Prezado Apologista,

    Aqui o termo católico está sendo empregado "latu sensu" e neste sentido os protestantes são cristãos católicos.A objeção desta lide é se o princípio da sola scriptura é uma doutrina apostólica e utilizada pelos primeiros padres!Caso não seja,por favor,traga provas!

    2-É óbvio que nem todos possuíam uma Bíblia assim como nem todos a possuem hoje e a objeção sobre os analfabetos também não prescreve,pois TODOS podem ouvir as Sagradas Escrituras(analfabetos ou não...),porém a diferença é que as Sagradas Escrituras são objetivas,precisas e o que há de mais RELEVANTE em matéria de doutrina estão de modo claro e/ou analogo na Bíblia!A diferença é que seguimos a Tradição Bíblica e que não podemos seguir uma Tradição abstrata,vazia,desconhecida e imposta que não sabemos ao certo a sua origem proclamada por um magistério que se auto proclama infalível!

    3-O fato de existir (infelizmente) uma balbúrdia em algumas Igrejas "protestantes" em nada atingem a doutrina da sola scriptura!Apenas nos confirma que a doutrina está sendo mal utilizada por modismos e por charlatões!

    4-A Igreja apostólica não tinha um Magistério absoluto que decidia tudo em matéria de doutrina!Comparar o Concílio de Jerusalém com o Vaticano é um brutal anacronismo!

    ResponderEliminar
  38. Prezado Apologista,

    Os reformadores ensinaram que antes de Cristo havia uma lei moral dentro de cada um de nós(conforme disse São Paulo aos Romanos) que julgava cada um de nós!O Lucas Banzoli se aprofunda neste tema em seu site,mesmo eu discordando dele em outros temas,neste tema ele aprofunda muito bem!É por isso que as objeções ateístas sobre os incas,maias,aborígenes e todos os povos pré-cristãos são infundadas!Vale ressaltar que existem tribos indígenas monogâmicas e poligâmicas, canibais e não canibais...etc.É sabido que não seguiam a Cristo propriamente,mas uns viviam a "lei moral" imposta ao (muito parecido com o cristianismo) e muitos também não viviam assim como nos dias de hoje!

    Os reformadores NÃO condenaram NINGUÉM ao Inferno!Quando tu os chama de "porteiros do céu" é porque se esqueces da intolerância da tua Igreja!Os reformadores ensinaram que TODOS aqueles no decorrer dos séculos que não se desviaram das heresias,inclusive os cristãos primitivos,podem ter perdido a salvação! O Montanismo;o Arianismo;O Nestorianismo e a paganização do cristianismo(...) está muito distante da doutrina dos apóstolos e dos padres dos primeiros séculos!

    ResponderEliminar
  39. Cadê a tradição oral dos Apóstolos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os ensinamentos que Jesus e os Apóstolos pregaram oralmente hoje se encontram com certeza somente nas Sagradas Escrituras; todas as demais fontes devem julgar-se à luz da Bíblia.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...