terça-feira, 11 de junho de 2013

A primazia «petrina» no século VI


A primazia «petrina» tal como a entende a Igreja Católica é uma doutrina falsa que só conseguiu impor-se depois do Cisma entre oriente e ocidente. Roma definiu por si mesmo tal primazia, e claro está, somente ela crê nela.
Quando no ano de 553 se reuniu o Concílio II Constantinopla, considerado o V Concílio Ecuménico, Vigílio era o bispo de Roma, e tal Concílio reuniu-se “sem a sua presença, e inclusive, apesar do seu protesto”, nas palavras do Professor Hubert Jedin, S.I.
Tal era a primazia «petrina» no século VI.

18 comentários:

  1. A primazia petrina em 20 séculos de cristianismo!


    http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/patristica/controversias/597-mateus-16-18-padres-gregos-adversus-protestantes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que os Padres orientais, assim como os ocidentais, consideravam Pedro o principal dos Doze é coisa acerca da qual não há discussão.

      Não obstante, é um anacronismo que somente a ignorância culposa ou a malícia pode explicar o tomar as afirmações dos antigos acerca da primazia de Pedro como evidência a favor do papado tal como hoje o entende a Igreja de Roma.

      Independentemente da origem e autenticidade duvidosa de algumas, se se examinarem as citações apresentadas, a maioria carente de uma extensão apropriada para determinar o contexto (facto dificilmente acidental), se verá que falam do Apóstolo Pedro pessoalmente, não dos seus supostos sucessores romanos. Nada de primazia papal ou privilégio petrino, argumento que claramente foi invocado em primeiro lugar pelos próprios interessados, ou seja, os bispos de Roma, e que por muito tempo não causou grande impressão entre os gregos.

      Quanto ao texto de Mateus 16:18, a interpretação de que a Pedra refere-se a Pedro é necessária mas não suficiente para a Igreja de Roma justificar as pretensões de primazia e infalibilidade do seu bispo.

      Na verdade, alguns teólogos protestantes também interpretam a Pedra nesta passagem como sendo Pedro. Da mesma forma, alguns Padres (uma minoria) poderiam interpretar a Pedra como sendo Pedro, mas não aplicam esse privilégio aos bispos de Roma como sucessores exclusivos.

      De modo que não sei onde é que vê a primazia petrina em 20 séculos de cristianismo, estará com visões místicas?

      Para uma abordagem séria de como os padres dos primeiros cinco séculos interpretavam o texto de Mateus 16:18 ver:

      http://conhecereis-a-verdade.blogspot.pt/2010/10/mateus-1618-nos-padres-da-igreja.html

      Eliminar
  2. "Que os Padres orientais, assim como os ocidentais, consideravam Pedro o principal dos Doze é coisa acerca da qual não há discussão."

    Resposta= Claro "que há discussão",posto que diversos protestantes negam esta verdade.

    A verdade é que também é anacrônico pretender que São Pedro adivinhasse os seus sucessores ou pretender afirmar que ele não estava a se referir a estes.

    "...)"a maioria carente de uma extensão apropriada para determinar o contexto.

    Penso que tu deves aplicar isto ao restante dos textos do teu blog que suprime o contexto de diversas citações patrísticas.

    "Quanto ao texto de Mateus 16:18, a interpretação de que a Pedra refere-se a Pedro é necessária mas não suficiente para a Igreja de Roma justificar as pretensões de primazia e infalibilidade do seu bispo."

    Aqui há diversas falácias,inclusive no restante do teu blog,em que há uma caricatura(na verdade um rótulo odioso como nos ensina Schoppenhauer) sobre as doutrinas da primazia e infabilidade,por exemplo,em um texto tu afirmas que é possível que um papa seja nepotista e herege e que sua doutrina seja infalível.Só alguém com "malícia ou ingorancia culposa" pode ser tão leviano.

    De forma que é possível justificar que Cristo colocou São Pedro para ser chefe de sua Igreja aqui na Terra e que isto não implica que ele seja impecável e nem significa que ele não pudesse ter sucessores.

    A verdade é que os protestantes(em sua maioria) por serem doutrinados dessa forma entendem que tudo deve estar explícito na Bíblia.Ora,não basta Cristo ter dito:Tu és Pedro e sobre esta Pedra eu edificarei a minha Igreja"! Não Cristo-para o protestante- deveria ter dito a palavra "papa" e ter falado explicitamente sobre os sucessores,entretanto,isto,caro protestante,é ser anacrônico.

    Conceito de anacronismo:

    O anacronismo ou anticronismo consiste basicamente em utilizar os conceitos e idéias de uma época para analisar os fatos de outro tempo.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Resposta= Claro "que há discussão",posto que diversos protestantes negam esta verdade.

      A verdade é que também é anacrônico pretender que São Pedro adivinhasse os seus sucessores ou pretender afirmar que ele não estava a se referir a estes."

      Não há discussão é que os padres primitivos consideravam que o apóstolo Pedro exercia um primado entre os Doze apóstolos. Pode-se concordar ou não com eles. Mas isso é irrelevante para a causa do papado, porque o primado de Pedro não implica que a Igreja esteja edificada sobre ele em exclusivo, nem que os bispos de Roma sejam os seus sucessores hereditários eternamente com poderes absolutos sobre a igreja universal.

      "Aqui há diversas falácias,inclusive no restante do teu blog,em que há uma caricatura(na verdade um rótulo odioso como nos ensina Schoppenhauer) sobre as doutrinas da primazia e infabilidade,por exemplo,em um texto tu afirmas que é possível que um papa seja nepotista e herege e que sua doutrina seja infalível.Só alguém com "malícia ou ingorancia culposa" pode ser tão leviano.

      De forma que é possível justificar que Cristo colocou São Pedro para ser chefe de sua Igreja aqui na Terra e que isto não implica que ele seja impecável e nem significa que ele não pudesse ter sucessores."


      Não sou eu que afirmo que um um papa pode ser nepotista e herege e ao mesmo tempo infalível, são vocês, os católicos que o dizem quando afirmam que o papa é infalível sempre que fala ex cathedra independentemente da sua condição moral, e até costumam alegar que infalibilidade não significa que o papa seja impecável, isto é, que ele pode cometer pecados mais ou menos graves, mas é sempre infalível quando fala ex cathedra,

      São Pedro podia ter tudo o que a sua imaginação quiser. Mas o que se discute não é o que São Pedro podia ter tido mas o que realmente foi e teve e que evidências há que sustentam as pretensões romanas acerca do seu bispo ser o sucessor de Pedro com direito a excercer a primazia jurisdicional e doutrinal na Igreja universal.

      "A verdade é que os protestantes(em sua maioria) por serem doutrinados dessa forma entendem que tudo deve estar explícito na Bíblia.Ora,não basta Cristo ter dito:Tu és Pedro e sobre esta Pedra eu edificarei a minha Igreja"! Não Cristo-para o protestante- deveria ter dito a palavra "papa" e ter falado explicitamente sobre os sucessores,entretanto,isto,caro protestante,é ser anacrônico.

      Conceito de anacronismo:

      O anacronismo ou anticronismo consiste basicamente em utilizar os conceitos e idéias de uma época para analisar os fatos de outro tempo."

      Claro que pretender uma coisas dessas seria anacrónico, é por isso que o papado não foi instituído por Cristo, nem a hierarquia eclesiástica romana é de instituição divina, mas é o resultado de uma progressão de vicissitudes históricas que desembocou no papado medieval, do qual a atual instituição vaticana é um remanescente que perdurou até aos nossos dias.

      Eliminar
  3. A infabilidade papal é uma prerrogativa DO CARGO assim como,mutatis mutandis, um Senador(no Brasil) possui foro privilegiado nos litígios judiciais o papa possui infabilidade ex-cathedra em matéria de fé e moral(Catecismo 891).Portanto,é irrelevante os rótulos e as exposições de erros dos papas(nepotista,herege...etc).

    O protestante se atem ao tempo para definir uma heresia.Apenas pelo fato de Cristo não ter se pronunciado EXPLICITAMENTE NA ÉPOCA com os termos "jurisdição universal" ou "primado do bispo de Roma" o protestante afirma arbitrariamente e sem nenhum critério que isto é uma heresia.O fato inconteste é que Pedro foi chefe da Igreja Universal segundo a Bíblia e a literatura patrística e pelo menos tu reconheces isto,visto que alguns apedeutas protestantes ,substituem o lugar de São Pedro ao de São tiago e até de São Paulo(!) ao do pescador chefe da Igreja.

    A Santíssima Trindade ou a Virgindade in partun de Cristo não deveriam também ser heresias por este critério visto que isto não foi exposto explicitamente na época.Seria o protestante anacrônico ao crer nestas doutrinas ou somente nós,católicos,somos anacrônicos ao crêr na infabilidade papal ?


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Primado» não significa necessariamente «Chefia». Os padres da Igreja consideram que Pedro tinha um primado mas não um primado jurisdicional e doutrinal sobre os outros apóstolos. É antes um primado de honra entre os Doze. Aquele que era o mais considerado, o mais importante, o primeiro entre iguais. Não que Pedro fosse o «chefe» soberano da Igreja Universal. E os padres da Igreja não atribuem aos bispos de Roma o primado que reconhecem a Pedro, nem consideram o bispo de Roma por direito divino e sucessão apostólica o chefe da Igreja universal.

      Na verdade, o primado de honra que o bispo de Roma adquiriu na Igreja Universal séculos mais tarde era por causa de ser bispo da cidade capital do império e não por causa de ser sucessor do apóstolo Pedro. Quando a capital do império passou para Constantinopla o bispo desta cidade pela mesma razão passou também ele a ter um primado de honra a seguir ao bispo romano.

      "O fato inconteste é que Pedro foi chefe da Igreja Universal segundo a Bíblia"

      "Os apóstolos, pois, que estavam em Jerusalém, ouvindo que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João." (Atos 8 : 14)

      Aqui Pedro e João se submetem ao que dizia o resto dos apóstolos. Um chefe supremo se submete à decisão de outros? Que bispo hoje na Igreja Católica romana, celebrando um sínodo, pode enviar o bispo de Roma para qualquer outra diocese? A Bíblia refuta qualquer tentativa de justificar a tirania do papado no apóstolo Pedro.

      A virgindade in partu é óbvio que é uma heresia cuja origem está nos evangelhos apócrifos e não cremos nela. Cremos na virgindade antes do parto como o ensina claramente a Bíblia.

      A Santíssima Trindade é ensinada pela Bíblia, não num versículo isolado, mas pode deduzir-se logicamente do conjunto dos textos que a compõem,

      http://conhecereis-a-verdade.blogspot.pt/2011/02/sobre-santa-trindade.html

      e a sua crença documentada nos cristãos primitivos logo a partir do século II quando ainda a tinta do novo testamento estava a secar .

      http://conhecereis-a-verdade.blogspot.pt/search/label/A%20Santa%20Trindade?updated-max=2012-09-09T16:06:00%2B01:00&max-results=20&start=4&by-date=false

      Fico à espera do mesmo tipo de evidência tanto bíblica como patrística para a infalibilidade papal.

      Eliminar
  4. O protestante reconhece a ,;o <"primado de honra">.Deverias dar uma aula para outros protestantes.

    Quanto a virgindade in partun eu reconheço meu erro,pois eu quis me referir a virgindade pré-partun e confundi.

    Quanto a Santíssima Trindade eu reconheço que ela está na Bíblia.A verdade é que tu não reconheces a celeuma argumentativa que tu fazes.Tu queres que Cristo ou os apóstolos tenham dito termos como "jurisdição eclesiástica" ou "primado universal" então deveria por este mesmo motivo(de crêr somente no que fora dito explicitamente) desacreditar em outras doutrinas bíblicas.Ora,não basta para o protestante Cristo ter dado primazia a Pedro e ter dito que sobre ele edificaria a sua Igreja(Mt 16.18),POIS PARA O PROTESTANTE CRISTO DEVERIA TER UTILIZADO TERMOS MAIS POMPOSOS E FORMAIS como "primazia jurisdicional eclesiástica" ou "primado universal"e ainda tens a coragem de citar a falácia do anacronismo.

    Vai entender...

    "Fico à espera do mesmo tipo de evidência tanto bíblica como patrística para a infalibilidade papal."

    Provas existem várias durante esses vinte séculos.Aqui trago só algumas do site universitário Le panto.

    http://www.lepanto.com.br/catolicismo/apologetica-catolica/a-igreja-catolica-e-a-igreja-de-cristo/

    Aqui me despeço rezando pela sua conversão à Santa Igreja Una,católica e apostólica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando foi que eu disse que somente se deve crer no que está dito explicitamente na Bíblia? Você está-me a atribuir uma posição que nunca defendi. Isso chama-se desonestidade intelectual. Nenhum protestante aceita que somente se deve crer no que está explicitamente dito na Bíblia, mas também no que pode ser deduzido logicamente dela. Por exemplo, a doutrina da Trindade é uma destas coisas que apesar de não estar ensinada explicitamente na Bíblia, pode deduzir-se dela como uma necessidade lógica das afirmações que sustentam que há um só Deus verdadeiro, que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são Deus e ao mesmo tempo Pessoas diferentes.

      O problema do papado não é os termos "jurisdição eclesiástica" ou "primado universal" não existirem na Bíblia, mas a noção do papado estar ausente das Escrituras.

      Se fosse somente uma questão de termos não haveria problema desde que a ideia fosse claramente ensinada.

      Aquilo que você chama provas do site universitário Le panto é um conjunto de disparates e falsidades, de manipulações e mentiras, a que só os muito ignorantes dão crédito, que você devia ter pudor de colocar aqui a fim de não insultar a sua própria inteligência.

      Eliminar
    2. Já agora para não perder tempo, não devia rezar por coisas sem sentido como a conversão de alguém a uma determinada Igreja.

      A verdadeira conversão é a Cristo e aqueles que se convertem a Cristo, como é o meu caso, passam a fazer parte da sua Igreja que é una, católica e apostólica, mas que não se sobrepõe com nenhuma igreja local como, por exemplo, a romana.

      Eliminar
  5. Evidência a partir de fontes católicas que derruba as pretensões romanistas pela sua base, isto é, o suposto primeiro elo da fictícia sucessão apostólica.

    http://www.e-cristianismo.com.br/pt/geral/148

    ResponderEliminar
  6. (O problema do papado não é os termos "jurisdição eclesiástica" ou "primado universal" não existirem na Bíblia, mas a noção do papado estar ausente das Escrituras.)

    Tu és muito contraditório!Ora tu sustentas que São Pedro tinha uma primazia de honra e reconhece a autoridade e primazia apostólica de São Pedro,mas outrora sustenta que a noção de papado é ausente nas escrituras.Papado,latu sensu,entendido hodiernamente não irás encontrar de forma alguma nas escrituras e tentar fazer isto é cometer a falácia do anacronismo.

    "Aquilo que você chama provas do site universitário Le panto é um conjunto de disparates e falsidades, de manipulações e mentiras, a que só os muito ignorantes dão crédito, que você devia ter pudor de colocar aqui a fim de não insultar a sua própria inteligência."

    Confesso que fui simplista e sintético,mas te recomendo a ler uma obra de Schoppenhauer:"Como vencer um debate sem ter razão".Tu se utilizas de diversos artifícios retóricos(!) Já ouvistes falar na falácia ad lapidem ?

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Argumentum_ad_lapidem

    Deverias parar de se utilizar desses artifícios,meu caro,inclusive fizestes muito isto no teu novo post.

    Sim,a verdadeira conversão é a Cristo,todavia,ele fundou uma só Igreja e difundiu uma só verdade!São Paulo já desmente essa "verdade" protestante de se buscar a Cristo sem precisar de uma Igreja,porque a Igreja é "coluna e sustentáculo da verdade"(vide carta à Timóteo).Portanto, o motivo da minha oração não é "sem sentido",pois a sua alma está em perigo e isto não é sarcasmo.

    A verdade que permanece incólume,cristalina e inconteste e que jamais poderá ser mitigada e solapada por qualquer blogueiro protestante é que sempre os padres primitivos atribuíram primazia apostólica à São Pedro ainda que tu sustentes que seja apenas uma "primazia de honra".

    O teu outro argumento é falho,pois diversas doutrinas cristãs não" decorrem logicamente" das Escrituras.Como fazer um pagão crêr que um homem nasceu de uma virgem ou que cremos em três pessoas em um só Deus sem a ajuda e autoridade da Igreja ?

    Por fim,agradeço pela publicação dos comentários que não desrespeitosos e ofensivos.São apenas comentários de um rapaz que busca defender a sua fé e que se preocupa com a salvação alheia.Recomendo a leitura COMPLETA da literatura patrística.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É curioso como vários católicos passaram a jogar o jogo de hereges como testemunhas de Jeová, e defender que foi a tradição católica que definiu doutrinas como a Trindade, só para atacar o Sola Scriptura... Há algum tempo citaram meu site também em defesa desta ideia e eu acabei respondendo...
      http://www.e-cristianismo.com.br/pt/apologetica/250-foi-a-tradicao-catolica-que-definiu-a-doutrina-da-trindade

      Infelizmente tenho que defender até a doutrina católica contra os católicos. Recomendável é, portanto, que você leia o próprio catecismo católico...

      Eliminar
    2. As duas falácias principais deles são:

      - Confundir a formulação histórica de uma doutrina como a Trindade que se encontra na Bíblia, com a suposta tradição apostólica extra-bíblica que dizem conservar.

      - Confundir a Igreja Católica antiga com a instituição vaticana.

      Foi por isso que também fiz este post:

      http://conhecereis-a-verdade.blogspot.pt/2013/04/a-doutrina-da-trindade-e-tradicao-da.html

      Eliminar
  7. "passam a fazer parte da sua Igreja que é una, católica e apostólica,"

    A balbúrdia e a celeuma protestante te impede de sustentar isto....;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como a sua Igreja está constituída sobre o modelo do Império Romano não entende que possa haver unidade sem forma institucional vísível e definida. Mas isso é um problema seu.

      Balbúrida e celeuma vai é na sua cabeça, e não é pouca. :)

      Eliminar
  8. Paulo Escrevendo diz que, Tiago Pedro e João, era considerado as colunas da Igreja, certamente quem os considerava como os colunas, era a própria Igreja.

    Agora já para os Judeus, Paulo era tido como o chefe ou lider da seita dos nazarenos.

    Nos dias atuias, com suas pretensões, os romanistas fizeram de Pedro o chefe geral da Igreja.

    ResponderEliminar
  9. Na metáfora da Igreja como sendo um corpo, ninguém tem coragem de colocar Pedro como KBÇA, agora na metáfora da igreja como um edifício, tem a cara de pau de colocar Pedro como fundamento, e os desavisados dizem amém.

    Se Pedro é o fundamento, quem é o Fundamento de Pedro?

    ResponderEliminar
  10. A primazia «petrina» nos séculos II, III, IV e V

    Nos primeiros séculos da Igreja a sede romana era tida por muito excelente, e inclusive como a primeira entre iguais (primado de honra) mas não tinha autoridade sobre outras sedes patriarcais como Bizâncio, Alexandria, Antioquia, etc.

    No século II, quando o bispo romano Vitor quis impor a sua opinião acerca da páscoa, foi repreendido tanto pelos asiáticos como por Ireneu.

    No século III, quando o bispo romano Estevão quis impor a sua opinião sobre o batismo dos hereges foi rejeitado frontalmente por Cipriano à cabeça dos bispos africanos e por Firmiliano à frente dos asiáticos.

    No século IV o bispo de Roma Libério foi censurado pela Igreja universal por assinar uma confissão de fé ariana (testemunhos de Atanásio, Hilário de Poitiers, Jerónimo, Hermas Sozómeno, Faustino e Marcelino).

    No século V o bispo de Roma Zósimo considerou ortodoxos Celéstio e Pelágio, e teve que ser corregido pelos bispos africanos. Também lhe foi negado o direito de ouvir apelações, pelo que esgrimiu um cânon de Niceia, que na realidade era do Concílio local de Sárdica.

    Se a alguém parece que isto não demonstra que os bispos de Roma não possuíam pelo menos até ao século V uma autoridade superior à de outros bispos, e que não tinham de modo algum a primazia de jurisdição e ensino que hoje a Igreja romana lhes atribui, é porque está cego à evidência histórica.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...