quarta-feira, 4 de julho de 2012

A origem da interpretação futurista e preterista


No século XVI, a noção de que o papado era o Anticristo estava-se alastrando de maneira alarmante, tanto que o Quinto Concílio Lateranense tratou o problema na sua Sessão XI de 19 de Dezembro de 1516, e numa bula conciliar o Papa Leão X mandou que "ninguém pretenda anunciar ou predizer nos seus sermões ... a vinda do Anticristo" (Javier Gonzaga: Concilios. Grand Rapids: International Publications, 1965, 1:491-492).
No entanto, segundo relata um autor,
"Tão insistente era o antipapismo das relações protestantes do século XVI sobre o Apocalipse, que a Igreja Católica Romana estava na urgente necessidade de respostas. As respostas chegaram rapidamente. Um enfoque foi lançar um contra-ataque directo contra os protestantes, identificando-os com as forças do mal... Uma resposta mais duradoura e eficaz contra os protestantes foi conhecida como futurismo. O seu defensor foi Francisco Ribera (1537-1591), um sacerdote jesuíta de Salamanca. Ele resistiu à tentação de identificar os protestantes com poderes demoníacos e delineou um método convincente para refutar os seus argumentos. Em vez de tentar virar a interpretação eclesial histórica contra eles, desenvolveu uma estratégia alternativa. A maior parte das visões do Apocalipse, disse, ainda aguardam cumprimento. As cinco primeiras visões dos selos são uma excepção; tratam de acontecimentos até ao tempo de Trajano. Mas a sexta visão dos selos e tudo o que se segue assinala acontecimentos que ainda não tiveram lugar ... A teoria futurista rapidamente se tornou popular na Igreja Católica Romana ... Era atractiva para os católicos porque dissociava o papa do Anticristo. Era convincente porque reconhecia a ligação da besta com Roma, ainda que fosse uma Roma no futuro. O futurismo desafiava tanto a interpretação antipapal como a suposição de que o Apocalipse fornecia um sumário da história da igreja.
Outra interpretação católica importante, conhecida como preterismo, foi proposta por John Hentenius em 1547, mas o jesuíta português Luís de Alcazar (ou Alcasar) (1554-1613) a desenvolveu mais plenamente. Enquanto os futuristas arguiam que a maior parte das profecias estavam ainda por cumprir-se, os preteristas argumentaram que a maioria delas já se tinha cumprido. Apocalipse 4-11, explicou Alcazar, trata da perseguição judaica contra os cristãos primitivos e da ruina da nação judaica. Apocalipse 12-19 resume a fundação da Igreja, a queda da Roma pagã, e a conversão do império ao cristianismo. A Roma pagã é a besta, e Constantino é o anjo que prende Satanás. O milénio começou no reino de Constantino e se estenderá até à vinda do Anticristo; e a Nova Jerusalém já está presente na Igreja Católica Romana.
O preterismo combinava com os católicos porque rechaçava a sugestão de que o papa podia ser o Anticristo e honrava a Igreja Católica Romana. Os seus defensores, no entanto, não estavam limitados aos católicos..."
(Arthur W. Wainwright, Mysterious Apocalypse. Interpreting the book of Revelation. Nashville: Abingdon Press, 1993, p. 61-63).
A razão pela qual em seu momento tanto o futurismo como o preterismo não foram censurados pela Igreja de Roma, mas pelo contrário recebidos de maneira entusiasta, é que ambos os sistemas tendiam à sua maneira a exonerar o papado da acusação de ser o Anticristo.
Mais tarde, quando a espada flamejante da Reforma perdeu fulgor, ambas as interpretações caíram num piedoso esquecimento na Igreja de Roma, que voltou a uma escatologia mais conforme a interpretação cristã histórica. Paradoxalmente, os anzóis para incautos lançados em direcções opostas pelos jesuítas Ribera e Alcazar foram mordidos por protestantes, dando lugar respectivamente ao futurismo dispensacional e ao preterismo em todas as suas variantes modernas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...