sábado, 17 de Setembro de 2011

BAPTISMO

O verbo grego baptizö é uma forma intensiva de baptö e significa primariamente “submergir”; secundariamente pode significar “lavar” ou “fazer perecer”. Na antiga versão grega do Antigo Testamento, a Septuaginta, usa-se na imersão sétupla de Naamã o sírio nas águas do Jordão (2 Reis 5:14).

G.R. Beasley-Murray explica: “Apesar de afirmações contrárias, parece que baptizö, tanto em contextos judeus como cristãos, normalmente significava ‘submergir’ e que mesmo quando se tornou um termo técnico para o baptismo, a ideia de imersão permanece... Os usos metafóricos do termo no Novo Testamento parecem dar isto por adquirido; por exemplo, a profecia de que o Messias baptizaria em Espírito [Santo] e fogo, como um líquido (Mateus 3:11), o “baptismo” dos israelitas na nuvem e no mar (1 Coríntios 10:2) e a noção da morte de Jesus como um baptismo (Marcos 10:38-39, baptisma; Lucas 12:50...). A representação paulina do baptismo como a sepultura e a ressurreição com Cristo é consistente com esta opinião, embora não a exija.” [1].

O baptismo de João

O antecedente imediato do baptismo cristão é o baptismo que realizava João filho de Zacarias, mais conhecido como João o baptista. Por sua vez, João poderia ter sido influenciado pelas lavagens cerimoniais dos grupos predominantes do judaísmo ou de Qumran (essénios, seita do Mar Morto). Contudo, este tipo de limpeza ritual não se realizava uma única vez, mas de maneira repetida e periódica [2]. Um antecedente mais interessante ou pelo menos um paralelo (não está claro qual veio primeiro) é o baptismo dos prosélitos, ou seja, de pessoas de origem gentia que se convertiam ao judaísmo [3]. Pelo primeiro século da nossa era, quando os judeus tinham adoptado uma decidida atitude proselitista (ver Mateus 23:15) os convertidos da gentilidade que se convertiam não somente deviam ser circuncidados como mandava a Lei a todos os varões, mas também se lhes exigia uma lavagem ou baptismo, o qual simbolizava a limpeza da imundice pagã.

O desafio imposto pelo baptismo de João é que ele não somente chamava os prosélitos, mas e muito particularmente os judeus de nascimento, a baptizar-se. João estava a dizer com isto que não só os pagãos, mas também os “filhos de Abraão” deviam arrepender-se e voltar-se para Deus. O baptismo de João foi então, sobretudo, um chamado ao arrependimento pelos pecados (Mateus 3:11 e paralelos) e uma expressão do desejo de ser perdoado por Deus.

Por que era isto necessário? Porque, como Paulo diria mais tarde, “todos pecaram”, e a João fora dada a missão de ser o precursor do Messias e o arauto do reino dos céus (Mateus 3:1-3; João 1:15-23). A pregação e o baptismo de João foram portanto uma preparação para a manifestação definitiva de Deus em glória para trazer recompensa e juízo, e todos deviam preparar-se para este acontecimento.

À luz do exposto, parece estranho que Jesus pedisse a João que o baptizasse, e o primeiro a surpreender-se foi o próprio João. No entanto, a razão do pedido de Jesus encontra-se na sua identificação com aqueles que vinha salvar. Tinha nascido de mulher, e debaixo da Lei (Gálatas 4:4) e deu este passo “para que se cumpra toda a justiça” (Mateus 3:15). Neste acontecimento fundamental, Jesus, que jamais pecou (2 Coríntios 5:21; Hebreus 4:15), se identificou a si mesmo com a humanidade pecaminosa e deste modo iniciou formalmente o seu ministério. Isto fica claro pelo que aconteceu imediatamente depois do baptismo de Jesus: Foi declarado pelo Pai como seu Filho amado e ungido pelo Espírito Santo (Mateus 3:17). A Voz celestial o declarou Rei Messias e Servo sofredor; cf. Salmo 2:7 e Isaías 42:1. É significativo que quando a autoridade de Jesus foi questionada, ele respondeu com outra pergunta: “O baptismo de João, era de Deus ou dos homens?” (Marcos 11:27-33 e paralelos). Esta não foi uma maneira astuta de fugir à pergunta “Com que autoridade fazes isto?”, mas tinha uma relação crucial com ela. Se o baptismo de João era do céu, a inevitável conclusão seria que a autoridade de Jesus provinha da mesma fonte, já que a unção de Jesus ocorreu após ter sido baptizado por João [4].

O baptismo cristão

No seu carácter de último e maior dos profetas em sentido veterotestamentário, João anunciou o juízo vindouro. João proclamou o que Deus lhe disse que proclamasse. E evidentemente estava certo. Mas Jesus introduz um novo elemento, que certamente estava presente na profecia do Antigo Testamento (Isaías 42, 49, 50, 53) mas não tinha sido entendido pelos judeus, a saber: que o reino dos céus não haveria de ser introduzido com a violência de um conquistador guerreiro, mas através da obra de um humilde Servo. E este Servo, que não era mais ninguém senão o próprio Jesus, devia submeter-se a outro “baptismo” do qual o de João não foi senão um sinal (Lucas 12:49-50). Ele falava, claro está, do seu sacrifício na cruz.

Depois de ressuscitar, Jesus Cristo disse aos seus discípulos:

“Todo poder me é dado no céu e na terra. Portanto ide e fazei discípulos de todas as nações, baptizando-os em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado. E eis que Eu estou convosco todos os dias, até ao fim do mundo” (Mateus 28:18-20).

O baptismo cristão na água, tem agora um novo e imprevisto significado: Como Jesus se identificou a si mesmo connosco no baptismo de João, nós devemos identificar-nos com Ele mediante o baptismo cristão (Romanos 6, etc.).

Quem deve baptizar-se?

É claro que todos os que creiam em Cristo devem baptizar-se. Aqueles que tornam-se seus discípulos devem ser baptizados e se lhes deve ensinar tudo o que Jesus mandou (Mateus 28:16-20). Depois de Pedro ter proclamado as boas novas da salvação no dia de Pentecostes, perguntaram a ele e aos demais Apóstolos: “Irmãos, que faremos?”. A resposta de Pedro foi: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja baptizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo” (Actos 2:37-38). Como diz Brooks:

“Os sermões cristãos mais primitivos, ... convocaram para o baptismo como o acto externo que representava a decisão interna. A exigência de Pedro do baptismo [cristão] tinha continuidade com o baptismo de João pois ambos expressavam a nova relação do indivíduo com Deus e seu reino. A diferença significativa, no entanto, era a relação que Pedro estabeleceu com a vida, a morte e a ressurreição de Jesus.” [5].

A mesma sequência, isto é, primeiro crer e a seguir ser baptizado, observa-se em Samaria e no caso do ministro etíope (Actos 8:12, 26-39). O mesmo se observa depois de Pedro ter pregado o Evangelho em casa do centurião Cornélio (Actos 10:44-48). Aí o Apóstolo exclamou: “Pode alguém porventura impedir a água para que não sejam baptizados estes que também, como nós, receberam o Espírito Santo?”

O que há sobre o baptismo de bebés?

Em comparação com o claro mandato de baptizar-se para os que se arrependem e crêem em Jesus, há a questão de se as crianças demasiado pequenas para entender o Evangelho devem ser baptizadas. Este tem sido tema de controvérsia por séculos [6].

Deve ter-se em conta que a maior parte das Igrejas cristãs históricas, como a de Roma, as Orientais, a Luterana, a Reformada, a Presbiteriana e outras, praticam o baptismo infantil. Uma das melhores defesas do baptismo infantil é a escrita por Michael Green [7]. Os principais argumentos a favor desta prática são:

1. O baptismo é um sinal ou sacramento do Novo Pacto, como a circuncisão o era do Antigo Pacto. Já que todos os bebés varões eram circuncidados, de igual modo e por analogia todos os filhos de cristãos devem ser baptizados.

2. Jesus chamou para si as criancinhas e admoestou com extrema severidade os discípulos por tentar impedi-lo. (Marcos 10:13-16).

3. No livro de Actos há vários casos de pessoas que creram e se diz que foram baptizadas “com toda a sua casa” (Lídia, Actos  16:14-15; o carcereiro de Filipos, Actos 16:30-34); compare-se também 1 Coríntios 1:16, “a casa de Estéfanas”.

4. O baptismo infantil é testemunhado na Igreja pelo menos a partir de princípios do terceiro século, e é praticado por muitas denominações cristãs.

Por outro lado, os que, como nós, se opõem ao baptismo infantil assinalam que:

1. O Novo Pacto tem tanto semelhanças como diferenças com o Antigo Pacto. Portanto, há que ser muito cauteloso com o raciocínio por analogia. Por exemplo, uma diferença óbvia é que a circuncisão era aplicável apenas aos varões, ao passo que o baptismo cristão é para homens e mulheres por igual. Além disso, os mesmos que invocam esta analogia habitualmente rejeitam a noção de que o baptismo deva adiar-se, como a circuncisão, até o oitavo dia de vida. Finalmente, se bem que os filhos de pais cristãos num sentido participam das bênçãos destes (Actos 2:38; 1 Coríntios 7:14), não é de todo claro que isso só se cumpra na condição de que as crianças sejam baptizadas.

2. Jesus certamente chamou para si as criancinhas, mas não as baptizou nem mandou que fossem baptizadas. De facto, é óbvio e sugestivo que não existe nenhuma instrução explícita acerca do baptismo infantil em todo o Novo Testamento. Os que promovem esta prática têm de basear-se em conjecturas e pressuposições.

3. Deve notar-se que nos textos que falam de Lídia, Cornélio ou Estéfanas a palavra grega oikia (“casa”) indica mais do que os familiares, já que habitualmente estão incluídos também os criados. Os que promovem o baptismo infantil supõem que havia pequeninos nas “casas” de Lídia, Cornélio ou Estéfanas, mas não há nenhum indício certo de que isso fosse assim. Nada sabemos do estado civil de Lídia. Em casa de Cornélio, Pedro disse que deviam baptizar-se os que tinham crido, e sobre os que tinha manifestamente descido o Espírito Santo. Ignoramos se o carcereiro de Filipos tinha filhos e se assim era, que idades tinham. Seja como for, Lucas afirma em Actos 16:34 que o homem se regozijou “com toda a sua casa que havia crido em Deus”, o que obviamente não é aplicável aos bebés.

4. Sabe-se que em tempos pós-apostólicos introduziram-se práticas baptismais que eram próprias do período apostólico. Uma foi o costume de retardar o baptismo até que a morte fosse iminente (pela noção errada de que não teria perdão nenhum pecado cometido depois do baptismo). Outra foi a introdução de um longo período de instrução entre a profissão de fé e o rito baptismal, juntamente com complexos ritos carentes de respaldo neotestamentário. Portanto, o simples facto de que se praticasse o baptismo infantil em finais do segundo ou princípios do terceiro século não é fundamento suficiente para considerar tal prática de origem apostólica. A primeira indicação clara acerca do baptismo infantil – a favor -  encontra-se no tratado sobre práticas eclesiásticas de Hipólito de Roma titulado “A Tradição Apostólica” [8]. Mas a segunda alusão, contra tal prática, aparece no escrito de Tertuliano de Cartago, “Sobre o baptismo” [9]. Ambos os documentos datam do século III.

Que significa o baptismo?

O significado do baptismo poderá resumir-se como se segue:

1. É um acto de obediência que todo cristão deve levar muito a sério. Jesus Cristo mandou que todo aquele que se tornasse seu discípulo fosse baptizado (Mateus 28:16-20).

2. É um acto que expressa o propósito de ser limpo do pecado e puro para com Deus (1 Pedro 3:21).

3. É um acto que nos identifica com Jesus Cristo na sua morte e na sua nova vida de ressurreição (Romanos 6).

4. É um acto que significa ser incorporado ao Corpo de Cristo, a Igreja, e a entrada na participação plena na fraternidade cristã (Efésios 4:4-6).

Também, e tendo em conta o anteriormente referido, o baptismo pode considerar-se um testemunho público do nosso compromisso de seguir a Cristo.

Relação entre a regeneração e o baptismo com água

Uma vez que o baptismo é um sinal externo de uma graça interior, não há uma relação simples e unívoca entre estes acontecimentos. No Novo Testamento, os que se arrependem e crêem em Cristo são baptizados, mas uma vez que tanto a confissão como o rito do baptismo em si mesmo são actos externos, eles não garantem de maneira absoluta que a obra interna da graça esteja presente.

Contudo, pelo modo em que o assunto é apresentado na pregação apostólica, F.F. Bruce acerta ao afirmar: “O baptismo é o sinal externo e visível do arrependimento e da fé. Na era apostólica o sinal externo estava em geral tão imediatamente associado com a graça interior e espiritual que se podia falar de ambos como partes componentes de uma única experiência, ou por uma espécie de metonímia, o que era estritamente verdade de uma podia atribuir-se à outra.” [10].

Isto permite explicar passagens como Actos 22:16, onde Paulo narra a sua própria experiência de conversão; foi-lhe dito: “Agora, pois, por que te demoras? Levanta-te, baptiza-te e lava os teus pecados, invocando o seu nome..” Bruce observa: “Paulo, sendo um homem inteligente, saberia que a aplicação externa de água no seu corpo não poderia, em si mesma, tirar os seus pecados; entenderia que o seu baptismo na água era o sinal externo e visível da sua purificação do pecado, interior e espiritual, pela graça de Deus, uma purificação que fez sua pela fé.” [11].

De igual modo, Tito 3:4-7 pode entender-se no mesmo sentido: “Mas quando se manifestou a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens, nos salvou, não por obras de justiça que nós houvéssemos feito, mas por sua misericórdia, pela lavagem da regeneração, e pela renovação no Espírito Santo, [grego, dia loutrou palingenesias kai anakainöseös pneumatos hagiou], que ele derramou abundantemente sobre nós por Jesus Cristo, nosso Salvador, para que, justificados pela sua graça, fôssemos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna“ (ver também Romanos 5 e 8).

É o baptismo necessário para a salvação?

A Igreja Católica Apostólica Romana é o defensor mais ilustre da noção de que o baptismo é necessário para a salvação. O recente “Catecismo da Igreja Católica” (1992) afirma: “O santo Baptismo é o fundamento de toda a vida cristã, o pórtico da vida no Espírito («vitae spiritualis ianua – porta da vida espiritual») e a porta que dá acesso aos outros sacramentos. Pelo Baptismo somos libertos do pecado e regenerados como filhos de Deus: tornamo-nos membros de Cristo e somos incorporados na Igreja e tornados participantes na sua missão.” [12].

Segundo a doutrina romana, os sacramentos em geral não são somente sinais externos da graça interior, mas são meios pelos quais se confere a graça; ou seja, contêm em si a graça que simbolizam, quando são ministrados e recebidos apropriadamente [13]. No que se refere ao baptismo, o novo Catecismo sustenta que “O próprio Senhor afirma que o Baptismo é necessário para a salvação (cf. Jo 3,5).” [14]. No entanto, o sincero desejo de ser baptizado é considerado equivalente, para os efeitos da salvação, ao próprio sacramento nos casos em que este é impossível. Tal é o caso, por exemplo, de quem morre mártir sem possibilidade de baptizar-se – é o chamado “baptismo de sangue” - ou o de um adulto que é impedido pela morte ou por um obstáculo intransponível, mas que verdadeiramente desejava baptizar-se [15].

O problema do destino das crianças que morrem sem ter sido baptizadas não é respondido de maneira consistente pelo romanismo. Com efeito, o novo Catecismo afirma que a Igreja “não pode senão confiá-las à misericórdia de Deus”, confiando “que haja um caminho de salvação para as crianças que morrem sem Baptismo.” [16]. Esta declaração é muito surpreendente, já que por séculos se sustentou como doutrina de fé que “as almas que saem desta vida em estado de pecado original estão excluídas da visão beatífica de Deus” [17].

Em outras palavras que as almas das crianças que morriam em pecado original – ou seja, sem ser baptizadas - ficavam excluídas da bênção de contemplar Deus. Adicionalmente, pelo menos dois concílios gerais do ocidente (chamados ecuménicos por Roma), a saber o IV Concílio de Lyon (1274) e o Concílio de Florença (1438-1445) estabeleceram dogmaticamente que os que morrem em pecado original vão para o inferno: “Mas as almas dos que morrem em pecado mortal actual ou com apenas o original, descem imediatamente ao inferno, para ser castigadas, embora com penas diferentes” [18].

Até há muito pouco tempo, ensinava-se que as crianças sem baptizar iam para um lugar, o limbo (limbus infantium) onde poderiam gozar a maior felicidade natural, mas eram excluídas da presença de Deus. Eis aqui o que diz um compêndio publicado em 1973:

“O LIMBO. – As crianças que morreram sem o baptismo não vão para o paraíso terrenal (Bento XII, [Denzinger] 534), mas para o chamado «limbo das crianças» (Pio VI, [Denzinger] 1526 ). Carecem da visão de Deus, mas não sofrem a pena de fogo (Inocêncio III, [Denzinger] 410).” [19]

No entanto, agora a Igreja de Roma silenciosamente ignora o seu ensino de séculos e limita-se a declarar que somente confia as criancinhas à misericórdia de Deus (Catecismo da Igreja Católica, # 1261). O até há não muito tempo famoso limbo nem aparece no índice alfabético do novo Catecismo assinado por João Paulo II.

Na realidade, importantíssimo como é o baptismo, em nenhuma parte do Novo Testamento é declarado como necessário para a salvação. Os requisitos que são consistentemente apresentados como imprescindíveis são o arrependimento do pecado e a fé em Jesus Cristo.

Apêndice: João 3:5

Este texto é o apoio mais importante para a doutrina da regeneração baptismal, isto é, a noção de que o próprio sacramento do baptismo efectua a regeneração ou novo nascimento em Cristo. Portanto, é conveniente examinar cuidadosamente este texto.

Havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. Este foi ter com Jesus, de noite, e disse-lhe:
- Rabi, sabemos que és Mestre, vindo de Deus; pois ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele.
Respondeu-lhe Jesus:
- Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo [ou do alto], não pode ver o reino de Deus.
Perguntou-lhe Nicodemos:
- Como pode um homem nascer, sendo velho? porventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?
Jesus respondeu:
- Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te admires de eu te haver dito: Necessário vos é nascer de novo. O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.
Perguntou-lhe Nicodemos:
- Como pode ser isto?
Respondeu-lhe Jesus:
- Tu és mestre em Israel, e não entendes estas coisas?...” (João 3:1-10).

O contexto imediato deste encontro é a primeira Páscoa celebrada durante o ministério terrenal do Senhor (João 2:13-25). Jesus acabava de anunciar veladamente a sua ressurreição (versículo 19). Nicodemos convenceu-se de que Deus estava com Cristo e foi vê-lo de noite.

Jesus lhe disse que aqueles que desejam entrar no reino de Deus devem nascer “de novo” ou “do alto”. O texto grego diz “ean më tis gennëthei anöthen” (se alguém não receber o nascimento do alto, versículo 3) e “gennëthëi ex hydatos kai pneumatos” (nascimento de água e Espírito, versículo 5). A palavra anöthen pode significar tanto “de novo” (Gálatas 4:9), como “do alto” (Tiago 1:17; 3:15,17). Evidentemente Nicodemos entendeu o expressado por Jesus no primeiro sentido, mas as palavras do Senhor no versículo 31 indicam que ele quis dizer primariamente “do alto”. Em outros termos, nada menos que um nascimento do alto, isto é, do próprio Deus, pode permitir a alguém ter parte no reino dos céus.

O mesmo pensamento se encontra em João 1:12-13, “Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus”. Também aparece repetidamente na primeira epístola de João (1 João 2:29; 3:9; 4:7; 5:1,4,18).

Os que afirmam que as palavras de Jesus eram fundamentalmente uma referência ao baptismo com água esquecem os seguintes factos:

1. O próprio baptismo de Jesus em nenhum lado é apresentado como modelo para o baptismo dos seus discípulos. Como se demonstrou antes, o baptismo do Senhor foi um sinal da sua identificação com a raça humana, preparatória da obra de redenção que ele cumpriria mais tarde na cruz.

2. É notável que o Evangelho de João seja o único que não contém um relato do facto preciso do baptismo de Jesus. Portanto, o seu próprio baptismo não é parte do contexto imediato da passagem.

3. Jesus dirigiu-se a Nicodemos tendo em conta que este era um mestre, alguém bem versado no Tanach (o Antigo Testamento: o Pentateuco, os Profetas e os Escritos). Daí que a declaração do Senhor da absoluta necessidade de nascer da água e do Espírito deve entender-se sob esta luz, e devia trazer à mente de Nicodemos textos como Zacarias 13:1; Jeremias 33:8; Isaías 43:20, 55:1, e sobretudo Ezequiel 36:25-27,

Aspergirei água limpa sobre vós, e sereis purificados; de todas as vossas imundícias, e de todos os vossos ídolos, vos limparei. Também vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo. Porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis as minhas ordenanças, e as observeis..“

Enquanto o baptismo cristão na água não é ensinado como tal no Antigo Testamento, nenhum escriba ou mestre hebreu poderia ignorar estes textos proféticos tão importantes acerca da purificação espiritual. Por esta razão Jesus repreende Nicodemos deste modo: “Tu és mestre em Israel, e não entendes estas coisas?” Como alguém que estava bem versado nas Escrituras, era de esperar-se que Nicodemos entendesse a alusão de imediato.

Em conclusão, as palavras de Jesus a Nicodemos não têm como referência primária o baptismo na água, mas a renovação espiritual anunciada pelos profetas do Antigo Testamento. Como notámos antes, este é um tema repetido nos escritos de João. De igual modo, é significativo que também Pedro vincule o novo nascimento ou regeneração (grego anagennaö, “nascer de novo”) com o poder purificador da Palavra de Deus, em vez de com o baptismo por imersão na água:

“Ao obedecer à verdade, mediante o Espírito, haveis purificado as vossas almas para o amor fraternal não fingido. Amai-vos ardentemente uns aos outros, pois haveis renascido [anagegennëmenoi] , não de semente corruptível, mas de incorruptível, pela palavra de Deus que vive e permanece para sempre.” (1 Pedro 1:22-23).

Também o Apóstolo Paulo, que não baptizou muitos cristãos em Corinto (1 Coríntios 1:14-17), declarou enfaticamente “eu pelo evangelho vos gerei em Cristo Jesus” (1 Coríntios 4:15).

Tal regeneração ou novo nascimento espiritual não é produzido pelo baptismo na água; este é um sinal ou sacramento da regeneração, mas de modo nenhum substitui, nem produz, a graça interior que representa.


Notas

[1] G.R. Beasley-Murray, Baptism. Em Colin Brown, Ed.: New International Dictionary of New Testament Theology. Grand Rapids: Zondervan, 1975-1978, 1: 144.
[2] James C. Vanderkam, The Dead Sea Scrolls Today. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans, 1994, p. 168-170.
[3] C. Perrot, Los movimientos bautistas.
Em Augustin George e Pierre Grelot, Dir.: Intoducción Crítica al Nuevo Testamento. Barcelona: Herder, 1983; 1: 177-180.
[4] Joachim Jeremias, Teología del Nuevo Testamento. I. La predicación de Jesús, 4ª Ed.
Salamanca: Sígueme, 1980, p. 73-74.
[5] Oscar S. Brooks, The Drama of Decision: Baptism in the New Testament. Peabody: Hendrickson, 1987, p. 160.
[6] Donald Bridge e David Phypers, The Water that Divides – The Baptism Debate. Leicester: InterVarsity Press, 1977.
[7] Michael Green, Baptism: Its purpose, practice and power. Downers Grove: InterVarsity Press, 1987. Veja-se também Oscar Cullmann, Baptism in the New Testament (London: SCM Press, 1950) e Andrés Manrique.
O.S.A., Teología Bíblica del Bautismo – Formulación de la Iglesia Primitiva (Madrid: Editorial Biblia y Fe, 1977).
[8] Hipólito de Roma, A Tradição Apostólica, 21 (61).
[9] Tertuliano, De Baptismo, 18.
[10] F.F. Bruce, Answers to questions. Exeter: The Paternoster Press, 1972, p. 76
[11] Ibid., p. 84.
[12] Catecismo da Igreja Católica. Edição preparada sob a presidência do Arcebispo José Manuel Estepa Llaurens. Santo Domingo: Librería Juan Pablo II, 1992, # 1213 (p. 284).
[13] “Se alguém disser que os sacramentos da Nova Lei não contêm a graça que significam, ou que não conferem a própria graça aos que não põem óbice, como se só fossem sinais externos da graça ou justiça recebida pela fé e certos sinais da profissão cristã, pelos quais se distinguem entre os homens os fiéis dos infiéis, seja anátema”. (Concílio de Trento, Sessão VII de 3 de março de 1547; Cânones sobre os sacramentos em geral, Canon 6). Segundo Enrique Denzinger, O Magistério da Igreja – Manual dos símbolos, definições e declarações da Igreja em matéria de fé e costumes. Tradução de Daniel Ruiz Bueno. Barcelona: Herder, 1963, # 849 (p. 241).
[14] Catecismo da Igreja Católica, # 1257 (p. 292).
[15] Ibid, # 1258-1260 (p. 292- 293).
[16] Ibid., # 1261 (p. 293).
[17] Ludwig Ott, Manual de Teología Dogmática, 6ª Ed. Barcelona: Herder, 1969, p. 191-192.
[18] Eugénio IV – Concílio de Florença; Decreto para os gregos da Bula “Laetentur coeli” de 6 de julho de 1439; Denzinger # 693 (p. 201).
[19] Antonio Royo Marín, O.P., La Fe de la Iglesia – Lo que ha de creer el cristiano de hoy, 2ª Ed. Madrid: BAC, 1973, # 352 (p. 232).

2 comentários:

  1. Muito bom este estudo. Parabéns. Escrevi algo em meu blog, com uma tabela de palavras, mas o seu estudo o completa.

    Marcelo
    João Pessoa-PB-Brasil

    ResponderEliminar
  2. Paz Marcelo

    Não consegui encontrar no teu blog essa tabela de palavras.
    Gostava de vê-la. Coloca aqui o link para esse post.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...