segunda-feira, 2 de abril de 2012

Lutero disse que Cristo pecou cometendo adultério?


Uma citação que geralmente é apresentada por católicos romanos contra Lutero é a seguinte:

“Cristo cometeu adultério pela primeira vez com a mulher da fonte, de que nos fala São João. Não se murmurava em torno dele: "Que fez, então, com ela?" Depois, com Madalena, depois, com a mulher adúltera, que ele absolveu tão levianamente. Assim, Cristo, tão piedoso, também teve que fornicar, antes de morrer" (Tischredden, Nº 1472, edição de Weimar, Vol. II, p. 107).

Comecemos por fazer uma breve introdução.

As "Conversas à mesa" (Tischreden) de Martinho Lutero são uma compilação de diálogos com os seus discípulos e colegas, não um tratado formal de teologia.

A primeira edição alemã foi preparada por um dos que tomavam notas, Johannes Aurifaber (Goldschmitt) e publicada em 1566.

O texto das "Conversas" está disponível online numa tradução para o inglês em:

http://www.ccel.org/ccel/luther/tabletalk

http://www.reformed.org/master/index.html?mainframe=/documents/Table_talk/table_talk.html

Lutero disse e escreveu muito (a edição Weimar das suas obras soma 125 volumes) e nem tudo de qualidade uniforme. Não o consideramos de modo algum infalível. Como de qualquer outro cristão pós-apostólico, retemos apenas o bom.

Podem reprovar-se muitas coisas a Lutero. Em muitos sentidos foi um filho do seu tempo e um homem de contrastes entre a sua vasta erudição e as suas maneiras e formas de expressão.

Por outro lado, as indiscrições de Lutero, como as grosserias que, juntamente com coisas muito mais valiosas, poder-se-ão ter dito à sua mesa, empalidecem em comparação com a conduta dos supostos sucessores de Pedro contemporâneos seus.

"Parece que a época do Renascimento estava chamada a provar qual era a divindade romana mais indicada para ser patrona do Papado. Logo que foi afastada Vénus (Alexandre Bórgia), instalou-se na Cadeira de Pedro Marte: Júlio II (1503-1513), amigo da guerra ainda mais do que das artes, pelo que tomou o nome de Júlio César. Quando Miguel Ângelo quis retratá-lo com um livro na mão, se opôs com veemência: «Melhor, empunhando a espada»."

(Albert Wucher, Breve historia de los Papas. Trad. Pablo Simón. Buenos Aires: El Ateneo, 1963, p. 147; com censura eclesiástica).

Feita esta breve introdução passemos à citação em concreto.

A citação de Lutero tomada das suas Tischreden, originalmente, na mistura de latim e alemão em que Lutero costumava expressar-se nestas ocasiões, diz:

Christus ist am ersten ein Ebrecher (Ehebrecher) worden bei dem Brunn cum muliere, quia illi dicebant... Quid facit cum ea? Item cum Magdalena, item cum adultera (Tischr. 1472 II 107).

Que, literalmente traduzido, significa (a tradução é minha):

Cristo é primeiro adúltero junto ao poço com a mulher, porque naquele lugar diziam… Que faz com ela? Do mesmo modo, com Madalena. Do mesmo modo, com a adúltera.

Não obstante, como diz o historiador católico Ricardo García-Villoslada, na sua obra “Martín Lutero”, tomo II, página 251:

“É completamente absurdo pensar que Lutero chamasse a Cristo adúltero. Faz alusão aos murmúrios dos judeus contra Jesus. Se o texto não aparece claro, é porque Schlagenhaufen (um dos que anotaram as conversas à mesa com Lutero) descuidadamente omitiu algumas palavras explicativas, v.gr., «adulter coram mundo», que encontramos num lugar quase paralelo. Pregando sobre Madalena em 1536, dizia: «Et dicunt eum diabolum... Filius hominis est ein Seuffer, helt zu Buben und Huren... Iohannes coram mundo Seuffer und Huren» (WA 41, 647). O que disse, pois, Lutero foi que Cristo pareceu perante o mundo como adúltero, porque murmuraram dele ao vê-lo com a samaritana e outras pecadoras.

Portanto feito este esclarecimento necessário, conclui-se que a citação de Lutero tal como é apresentada está adulterada ou pelo menos foi grosseiramente mal-interpretada. Lutero não blasfemou contra nosso Senhor Jesus Cristo chamando-o de adúltero como querem fazer crer alguns apologistas católicos mal-intencionados.

39 comentários:

  1. Breve esclarecimento,entretanto,alguns difamadores afirmam que Lutero era mulherengo e alcóolatra! Gostaria de fontes sobre a vida de Lutero para refutar estas e outras acusações,outrossim,foi muito bom o autor ter frisado que não concedemos "infabilidade ex catherda" à Lutero e a nenhum dos reformadores!

    Nós pregamos doutrinas e não comportamentos!

    Finalizando,eu gostaria de saber se Lutero acreditva na doutrina da virgindade post partun(pérpetua) de Maria!Sim ou Não?

    Lutero era a favor de Helvídio,Tertuliano ou Jerônimo?

    Excelente texto!
    Excelente Trabalho!
    Excelente blog!

    A Paz de Cristo!

    ResponderEliminar
  2. Graça e Paz, Olhar crítico.

    Eu também sou um leitor e aprendi bastante aqui.

    O blog é realmente excelente. Os católicos estão se sentindo incomodados.Veja que até o sr. Rafael andou vomitando aqui.

    Bem, acredito que o ideal não é apenas colher material, mas refutar os ataques (comentários) católicos.

    Enfim,seria bom se todos se ajudassem.


    Abraços, meu irmão.

    ResponderEliminar
  3. Caro olhar critico:

    Existe uma enorme quantidade de difamações, mentiras e lendas negras sobre Lutero. Só para ter uma ideia veja o link que coloquei na secção Lutero http://beggarsallreformation.blogspot.pt/2005/12/martin-luther-topical-master-index-for.html onde James Swan no seu bloque se dedica a desmascarar uma grande quantidade delas.

    Sobre a afirmação de Lutero ser mulherengo e alcoólatra primeiro tem que ver quais são as fontes em que se baseia quem diz isso.

    Sobre isso encontrei estes posts que refuta tais difamações:

    http://beggarsallreformation.blogspot.pt/2006/10/pbs-presents-facts-that-luther.html

    E aqui http://beggarsallreformation.blogspot.pt/p/luther-exposing-myth.html

    Ver a parte de título Marriage and Women e On Drunkenness

    Mas se quer que lhe diga eu acho essas acusações de tão baixo nível que nem merecem resposta.

    Quanto a perpétua virgindade de Maria pode dizer-se que era aceite por Lutero seguindo Jerónimo. Mas ele não via tal doutrina como um dogma, e era uma coisa secundária para ele, na verdade não estava muito interessado nisso. Ao longo da sua vida foi uma doutrina que ele minimizou e pouco escreveu sobre ela.

    ResponderEliminar
  4. As fontes em que se baseiam os difamadores de Lutero devem ser estas

    http://beggarsallreformation.blogspot.pt/2010/02/luthers-drinking-part-one.html

    Um dos mais severos críticos de Lutero o historiador católico romano Hartmann Grisar depois de analisar as evidências escreveu: "Os inimigos de Lutero devem resignar-se e abandonar algumas das provas anteriormente apresentadas para o seu vício excessivo de beber"

    ResponderEliminar
  5. It's we who thank you. You do a great job on your blog and speak very good Portuguese :)

    ResponderEliminar
  6. Obrigado,blog conhecereis a Verdade,pelas fontes!

    Meu caro irmão em Cristo,Honrado,eu concordo com você,mas devemos responder com mansidão aqueles que nos perguntam acerca da nossa fé(1.Pe3.15),pois a apologética deve ser precedida do amor ágape e devemos utiliza-la para a defesa da nossa fé e não para o ataque!
    Os difamadores prestarão contas com o nosso Senhor Jesus Cristo!

    Não me atenho muito a comportamentos,pois a salvaçã é individual e gosto apenas de estudar sobre doutrinas,entretanto,as difamações contra Lutero são tão grotescas que há muito mereceia um post que o defendesse!!!!

    A Paz de CRISTO!

    ResponderEliminar
  7. Vale salientar que alguns blogueiros desonestos nos acusam de sermos desunidos pelo simples fato de existirem diferentes denominações,entretanto,alguns confundem UNIDADE com uniformidade,pois é impossível sermos uma IGREJA UNIFORME,pois a reforma se espalhou por diversos lugares e por diferentes reformadores(ZWIGLIO,LUTERO,CALVINO),entretanto,a MARCHA para Jesus é uma das provas cabais que somos unidos e somos interdenominacionais!

    Apesar de haver pequenas diferenças consuetudinárias(costumes) e doutrinárias,no que concerne as principais doutrinas-soteriologia{salvação,regeneração,justificação},santíssima trindade,princípios da reforma(sola scriptura,sola fide,sola christi,sola gratia,sola deo gloria,nós somos uniformes!!!!

    Houve pequenas divergências entre Lutero e Calvino,por exemplo,quanto ao estado "post mortem" da alma,mas não houve divergência entre as principais doutrinas!Os católicos que nos acusam "dão um tiro no próprio pé",pois Igreja romana e ortodoxa também possui pequenas divergências tendo por base "a mesma tradição"!

    Finalizando!

    O ccel é um ótimo site de pesquisa imparcial,mas eu também utilizo,às vezes,o "new advent church fathers",pois possui a maioria dos escritos dos pais da Igreja e não são adulterados dos escritos originais!Enfim!São os melhores e mais completos sites sobre os pais da Igreja!

    Obrigado pelas respostas!

    A Paz de Cristo!

    ResponderEliminar
  8. Caro olhar critico:

    Os escritos dos padres do site New Advent é uma cópia da obra "Early Church Fathers series" do CCEL. A única diferença creio eu é que lhe faltam as notas explicativas que consta no site do CCEL.

    ResponderEliminar
  9. Caro,Blog Conhecereis a Verdade, eu agradeço,desde já,pelas respostas!

    Gostaria de saber onde foram escritas as "conversas à mesa" de Martinho Lutero ? Isto não ficou claro no texto!

    ResponderEliminar
  10. As conversas à mesa é uma compilação de notas e colecções de notas escritas por várias pessoas que supostamente conviveram em algum período de tempo com Lutero em Wittenberg.

    Para ter uma ideia os autores destas notas identificados com alguma segurança são:

    1. Conrad Cordatus. 1524-1537.^

    2. Veit Dietrich (Theodoricus). 1 529-1 535.

    3. Johan Schlaginhaufen (or Schlainhauffen, alias Tur-
    bicida, alias Ochloplectes, alias Typtochlios). 1 531-1532.

    4. Anton Lauterbach. I53i-i539-^

    5. Hieronymus Weller. 1 527-1 538.

    6. Antonius Corvinus. 1532.

    7. Johannes Mathesius. 1540.

    8. Kaspar Heydenreich (variously spelled). 1 541-1543.

    9. Hieronymus Besold. 1 541 -1546.

    10. Magister Plato. 1 540-1 541.

    11. Johannes Stolz (Stolsius). 1542-1546.

    12. Johannes Aurifaber (Goldschmidt). 1545-1546.^

    A obra de referência sobre esta documentação é LUTHER'S TABLE TALK A CRITICAL STUDY de PRESERVED SMITH que pode ser encontrada aqui:

    http://www.archive.org/stream/lutherstabletalk00smituoft/lutherstabletalk00smituoft_djvu.txt

    Mas o importante é que se deve entender é que a documentação que consta nas "Conversas à mesa" é questionável e quem estuda Lutero seriamente não baseia uma opinião sobre Lutero a partir desta fonte. As Conversas à mesa como já foi dito é uma coleção de comentários em segunda mão de Lutero escritos por alunos e amigos de Lutero, publicado depois da sua morte. Portanto, não é na realidade um escrito oficial de Lutero e não deve servir como base para interpretar a sua teologia. O historidar americano Preserved Smith sublinhou:

    "Os inimigos de Lutero encontraram sempre nas conversas à mesa uma arma contundente para atacar o seu caráter e doutrinas. Se mesmo nos seus escritos Lutero não é consistente nem temperado, muito mais nas suas conversas privadas ele é descuidado e imprudente. Ao tomar cada observação impensada para um amigo literalmente e sem atenção para o contexto, para a ocasião em que foi proferida, e para a causa que provocou isso, é bastante fácil enredar Lutero, numa massa desesperada de contradições e difamar o seu caráter. Isso foi feito por católicos e humanistas, logo que o Tischreden foi publicado e, posteriormente, foi realizado mais minuciosamente pelos mais científicos embora igualmente hostis historiadores."

    ResponderEliminar
  11. Encontrei esta introdução às "Conversas à mesa" que resume bem o que está em causa, e que todos deviam ter em mente quando se referem a esta obra. Passo a citar:

    CONVERSAS À MESA

    "Conversas à Mesa" (Tischreden, em alemão) é a compilação de anotações feitas por alunos e colaboradores de Martinho Lutero durante encontros informais, como as refeições. A primeira edição das Tischreden foi publicada por Johann Aurifaber, em 1566, vinte anos após a morte de Lutero. A edição completa, porém, só foi publicada em 1836. O texto utilizado aqui vem da tradução para o inglês que o capitão Henry Bell traduziu e publicou por volta de 1650. Semanalmente, publicaremos aqui porções do texto traduzido.

    Como ler as "Conversas à Mesa"

    Esta é, sem dúvida, a obra mais utilizada pelos difamadores de Martinho Lutero, que procuram provar através dela que o Reformador era apóstata, herege e blasfemador. A leitura descuidada e preconceituosa dos artigos certamente farão o leitor chegar à mesma conclusão. É necessário ter em mente algumas informações básicas sobre a obra antes de levantar bandeira contra ou a favor de Lutero:

    1. As Tischreden são compilações de frases que saíram da boca de Lutero, mas não de sua pena. É no mínimo temerário usar frases soltas de Lutero que foram anotadas por várias pessoas diferentes (muitas vezes às pressas) para fazer acusações sem levar em consideração as obras que o próprio Lutero escreveu e publicou.

    2. As Tischreden são organizadas por assunto, sem levar em consideração o contexto em que a frase foi dita/anotada. Não é possível intuir nas frases sob quais circunstâncias elas foram proferidas.

    3. Lutero é famoso por seu modo rude e até grosseiro de falar. É impossível ler com os olhos do século XXI frases com mais de 450 anos sem levar em consideração a cultura da época. E aqui cabem algumas perguntas: Se Lutero era, de fato, blasfemador e até obsceno, como o acusam, ele seria tão protegido e defendido por tantas pessoas, incluindo intelectuais e príncipes? A teologia de Lutero teria se espalhado pela Europa? E o que dizer sobre a forma de culto, os escritos e a produção artística dos luteranos contemporâneos de Lutero e das gerações seguintes, eles não deveriam estar cheios de "blasfêmias e obscenidades"? As cantatas de Bach e de Händell, tão populares entre cristãos de todas as igrejas, não deveriam ser execradas?

    4. Recorra à fonte primária! Há dúzias de páginas na Internet que se dedicam a acusar Lutero de tudo, de obscenidades a blasfêmias intoleráveis, mas que recorrem a fontes secundárias e terciárias para fazê-lo. Pior: o mais comum é encontrar frases atribuídas a Lutero que não se encontram em nenhum outro lugar.

    Nosso objetivo ao disponibilizar as Conversas à Mesa para os internautas não é de levantar ou promover disputas com outras denominações cirstãs. Também não buscaremos defender Lutero das frequentes acusações que contra ele são proferidas. A história já o defende. Nosso objetivo é oferecer acesso a uma pequena parte do pensamento daquele que a revista americana Life considerou o terceiro homem mais influente do milênio.

    Fonte: http://www.portal-luterano.org.br/index.php/extensions/martinho-lutero/conversas-a-mesa-tischreden-introducao

    ResponderEliminar
  12. Para quem quiser investigar mais sobre as "Conversas à mesa" (Tischreden) aqui fica o link para uma leitura online do livro "Luther's table talk - a critical study" de Preserved Smith

    http://www.archive.org/stream/lutherstabletalk00smit#page/n7/mode/2up

    E também se pode obter em vários formatos como PDF, ePub, e outros aqui

    http://openlibrary.org/books/OL16410722M/Luther's_table_talk

    ResponderEliminar
  13. Meu Caro Blogueiro!Eu recebi uma enxurrada de MENTIRAS sobre Lutero trazidas por um apologista,mas que são do famoso apologista romanista brasileiro,Orlando Fedeli,e mostrarei apenas parte do gigantesco texto que recebi!

    Lutero disse muitas blasfêmias sobre Cristo. Em suas "Conversas à Mesa" [Tischreden, em alemão] -- que eram anotadas por seus admiradores e que foram editadas em forma de livro, Lutero dizia as piores coisas sobre Deus e Cristo.

    Passo-lhe o texto de Lutero tal qual foi publicado no livro dele "Conversas à Mesa" (perdoe-me citar essa blasfêmia, mas é para que se conheça quem foi Lutero):

    "CRISTO ADÚLTERO. CRISTO COMETEU ADULTÉRIO PELA PRIMEIRA VEZ COM A MULHER DA FONTE [DO POÇO DE JACÓ] DE QUE NOS FALA SÃO JOÃO. NÃO SE MURMURAVA EM TORNO DELE: "QUE FEZ, ENTÃO, COM ELA? " DEPOIS, COM MADALENA, DEPOIS, COM A MULHER ADÚTERA, QUE ELE ABSOLVEU TÃO LEVIANAMENTE. ASSIM, CRISTO, TÃO PIEDOSO, TAMBÉM TEVE QUE FORNICAR, ANTES DE MORRER" (Lutero, Tischredden, CONVERSAS À MESA, N* 1472, edição de Weimar, Vol. II, p. 107, apud Franz Funck Brentano, MARTIM LUTERO, Ed Vecchi Rio de Janeiro 1956, p. 15).

    NOUTRA OCASIÃO, LUTERO BALSFEMOU CONTRA DEUS, AO DIZER QUE DEUS AGE COMO LOUCO OU COMO MUITO TOLO:

    "Deus est stultissimus" (Lutero, Conversas à Mesa, ed Weimar, N* 963, Vol. I , p. 487. Apud Franz Funck Brentano op. cit. p. 147).

    Doutra vez, ao falar Lutero do destino, ele culpava Deus por todos os crimes , e dizia que Judas não podia deixar de trair Cristo, nem Adão tinha liberdade para não pecar. Considerando que era Deus que determinava os pecadores a pecar, Lutero concluia dizendo "Deus age sempre como um louco" (Franz Funck Brentano, Martim Lutero, p. 111).

    Recentemente foram descobertos os cadernos pessoais de Lutero. Eles foram estudados pelo Padre Theobald Beer que publicou um livro sobre eles.

    NESSE CADERNOS, LUTERO AFIRMA QUE CRISTO É, AO MESMO TEMPO, DEUS E O DIABO, O BEM E O MAL. ORA, ISSO CARACTERIZA LUTERO TIPICAMENTE COMO DUALISTA GNÓSTICO, E EXPLICA TODAS AS SUAS DOUTRINAS MAIS DELIRANTES.

    Pergunta-me você como os protestantes seguem Lutero, apesar dessas loucuras e balsfêmias.

    Respondo-lhe dizendo que, em geral, os protestantes comuns desconhecem os escritos de Lutero. Os poucos Pastores que se dão ao trabalho de ler os escritos do heresiarca fundador do protestantismo procuram ocultar tais frases do seu primeiro mestre.

    Por isso, quando conheço algum protestante, procuro sempre recomendar que ele leia o que escreveu Lutero. Isso muitas vezes faz com que eles abram os olhos sobre a maldade do fundador do protestantismo.

    In Corde Jesu, semper,

    Orlando Fedeli

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhar critico, procuro amigos protestantes para tirar duvidas a respeito da fé, gostaria de ter vc no meu face ! meu face é cosme dias email cavalheirox7b@hotmail.com , se tiver alguma dificuldade em me add , me manda seu face se tiver !

      Eliminar
  14. Meu caro amigo blogueiro,eu gostaria apenas de saber a veracidade dessas frases citadas pelo apologista brasileiro Orlando Fedeli.A lista de difamações é grande,mas essa eu achei mais esta no YAHOO Respostas,pois eu irei participar de um juri fictício sobre Lutero na faculdade e estava pesquisando as difamações sobre a vida dele.

    As mais famosas são "beberrão" e "mulherengo",porém outra difamação comum lançada amiúde contra Lutero é a de "assassino"!Isto mesmo!

    É verdade que Lutero fez uma matança dos anabatistas?

    Espero resposta!

    ResponderEliminar
  15. Sem falar que Calvino ensinou "uma vez salvo,salvo para sempre"...essa é a eleição incondicional calvinista,ou seja,o sujeito mata,rouba,faz tudo de ruim e no final da vida Deus já o tinha escolhido para se arrepender!!!!!!Uma tremenda piada!!!!!!Aliás,o "olhar (a)crítico não soube me responder no post da Inquisição o porquê dessa doutrina ter dado origem ao "destino manifesto" e o porquê dos "bonzinhos" protestantes americanos dizimaram MILHÕES de índios na colonização!!!!

    A propósito,vejam também as estatísticas sobre o número de ateus nos países católicos e protestantes e terão uma surpresa!!!!

    ResponderEliminar
  16. Olhar critico

    A questão dos anabatistas é um tema complexo que não é possível tratar em poucas linhas. Entretanto posso lhe dar algumas pistas para estudo.

    Em primeiro lugar convém ter uma ideia do que eram os anabatistas

    Veja este link que faz um bom resumo
    http://www.juraemprosaeverso.com.br/ReligIrmandESistFiloOuPol/Anabaptista.htm

    Em segundo lugar, a questão da "matança" dos anabatistas insere-se na guerra dos camponeses, uma guerra civil que rebentou na Alemanha que opunha a classe pobre e camponesa contra os nobres e o estado. Os anabatistas estavam entre os camponeses e nessa altura havia os radicais que eram pela violência, pelo massacre e invasão de terras dos nobres e pela revolta contra o Estado e para isso apoiavam-se nas ideias da reforma e de Lutero.

    Ora, Lutero no meio disto fez diversas tentativas em ambos os lados do conflito para alcançar a paz, no entanto não conseguiu, os massacres sucediam-se, e então já no final do conflito apoiou o Estado na repressão dos revoltosos que já tinha causado o massacre de muitos, uma vez que Lutero era contra a revolução e entendia que a Igreja devia estar sujeita ao Estado.

    A Wikipedia no verbete Martinho Lutero (por incrível que pareça) explica bem este capítulo da guerra dos camponeses

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Martinho_Lutero

    ResponderEliminar
  17. Obrigado !!!!Meu irmão em Cristo!!!Me ajudou muito!!!!!O "por incrível que pareça" em relação ao Wikipédia foi boa (kkkkkkkkkkkkkkkkkk) eu não sabia que a má fama do site já tinha chegado em Portugal!!!

    ResponderEliminar
  18. Meu irmão!

    É dito a exaustão pelos apologistas romanistas que Lutero rejeitou o livro de Tiago como canônico,mas o que eu sei é que Lutero tinha preferências de alguns livros em detrimento de outros assim como eu você também podemos ter!

    Eu achei isto em um blog "católico":(...):"Lutero originalmente chamou o livro de Tiago uma “epístola de palha” e não a aceitou como canônica."

    Gostaria de saber se esta citação de Lutero é verdadeira e onde se encontra!!!

    Abraço!

    ResponderEliminar
  19. Em princípios do século XVI, com o impulso dado ao estudo pela invenção (no século anterior) da imprensa de tipos móveis, e pela edição impressa do Novo Testamento em grego por Erasmo de Roterdão em 1516, eruditos de diversas tendências discutiram a importância relativa dos livros canónicos.

    A posição de Lutero

    Um deles foi o reformador Martinho Lutero (1483-1546), que pelos seus pontos de vista sobre os livros do Novo Testamento foi excessiva e injustamente criticado. Na sua primeira edição da versão alemã da Bíblia, Lutero numerou os livros do NT de Mateus a 3 João, e deixou separados, sem numeração, quatro livros: Hebreus, Tiago, Judas e Apocalipse. Sem dúvida, Lutero não os punha ao mesmo nível que o resto (dentro dos quais, por outro lado, atribuía mais importância ao Evangelho de João e 1 João, Romanos, Gálatas, Efésios e 1 Pedro que às outras cartas paulinas, Actos, 2 Pedro, e 2 e 3 João). Em todo o caso, e pese as suas próprias reservas ante os quatro livros citados, insistiu em que tal era a sua opinião, a qual não desejava impor a outros, e que não pretendia tirar esses livros do NT.

    Há que recordar que esta posição de considerar uma hierarquia dentro dos escritos canónicos (um "cânon dentro do cânon") era também sustentada por alguns eruditos católicos, como o dominicano Tomás de Vio ("Caetano", 1469-1534) sem que ninguém os caluniasse. Por outro lado, a maioria dos demais reformadores, incluído Calvino, assim como as grandes confissões protestantes, admitiram sem discussão os 27 livros do Novo Testamento

    A referência à epistola de Tiago como "epístola de Palha" aparece no Prefácio geral ao Novo Testamento da Bíblia de Lutero:

    "Numa palavra o Evangelho de João e a sua primeira epístola, as epístolas de São Paulo, especialmente Romanos, Gálatas, e Efésios, e a primeira epístola de Pedro são os livros que te mostram Cristo e ensinam-te tudo o que é necessário e salvífico saberes, mesmo se nunca visses ou ouvisses qualquer outro livro ou doutrina. Portanto, a epístola de São Tiago é realmente uma epístola de palha, em comparação com estes livros, porque não tem nada da natureza do evangelho relativo a isso. Mas mais sobre isto noutros prefácios" (Prefácio ao Novo Testamento)

    O critério distintivo de Lutero foi até que ponto cada livro dava testemunho de Cristo.

    Um facto interessante sobre este parágrafo é que ele só aparece no Prefácio ao Novo Testamento da edição original da Bíblia de Lutero de 1522. Nas edições posteriores Lutero retirou do Prefácio os parágrafos finais onde faz juízos de valor entre os vários livros do Novo Testamento e incluiu a famosa expressão "epístola de palha".

    ResponderEliminar
  20. Meu Caro amigo!Eu posso postar aqui aqueles links que desmentem sobre "Lutero e a matança de judeus"? Porque isto é utilizado constantemente por usurpadores da História e seria apenas mais uma fonte de pesquisa.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  21. Sobre Lutero e a alegada matança dos judeus que é uma difamação utilizada amiúde pelos apologistas de Roma eu trago aqui estes links do renomado historiador César Vidal.



    http://www.protestantedigital.com/ES/Blogs/articulo/2357/Lutero-y-el-antisemitismo

    http://www.protestantedigital.com/ES/Blogs/articulo/2363/Antisemitismo-de-lutero-y-holocausto

    Repito o que já foi dito!Este blog não tem o intuito de conceder infabilidade ex-cathedra a Lutero e nem concedêlo impecabilidade.O intuito deste post é refutar as difamações mais esdrúxulas e grosseiras.

    ResponderEliminar
  22. Aqui está um post interessante de desmistificação de algumas calúnias levantadas contra Lutero.

    http://forum.jogos.uol.com.br/lutero---o-incriminado--rastan--dsx--icar-e-criticos-afoitos_t_1831034

    ResponderEliminar
  23. Achei interessante também publicar aqui a tradução do catecismo de Hildelberg feita pelo Gustavo...;)

    http://www.e-cristianismo.com.br/pt/documentos/264-catecismo-de-heidelberg-1563

    ResponderEliminar
  24. É bom lembrar que os catecismos não são infalíveis, nem a autoridade suprema.

    Dos 129 pontos do catecismo de Heidelberg, à partida não subscrevo três, o 44, 74, 101.

    3 em 129 não está mal...

    ResponderEliminar
  25. É lamentável o nível tendencioso e a parcialidade deste site...

    Tu poderias começas a falar de Jeronimo Buntz para os teus cegos seguidores filhos de Lutero...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vocês têm Lutero entalado na garganta.

      Devem ter pesadelos de noite com ele.

      Certamente que Lutero não era um homem perfeito e em muitos aspetos foi um filho do seu tempo, mas atendendo ao arsenal de calúnias e difamações que lançaram contra ele, também devia ter muitas virtudes :)

      http://beggarsallreformation.blogspot.pt/2010/03/luther-murderer.html

      Eliminar
    2. Não tem nada a dizer sobre as fornicações, a simonia, a violência e a corrupção dos papas renascentistas e seus colaboradores?

      Eliminar
    3. Filhos do seu tempo.. nao é essa DESCULPA que usa para lutero ( referente à simonia , violencia , corrupçao dos Papas renascentistas e seus colaboradores)

      Eliminar
    4. Aqui ninguém DESCULPOU ninguém. O fato de alguém se deixar influenciar e conformar-se ao mal da sociedade que o rodeia não o desculpa, apenas ajuda a compreender o seu comportamento.

      A simonia, o homicídio e a corrupção, não eram coisas moralmente aceitáveis, ou toleráveis de alguma forma sem grave censura pela sociedade em geral, na época do renascimento - nem em nenhuma época. Daí o papado também ser fortemente criticado nessa época.

      Portanto, não faz nenhum sentido falar em "filhos do seu tempo" para tentar compreender as imoralidades dos papas renascentistas.

      Eliminar
  26. Respostas
    1. Eu não posso saber tudo o que Lutero disse e o que não disse. Qual é a fonte dessa frase atribuída a Lutero? Sem isso não se pode saber se disse ou não disse.

      Como essa afirmação não traz qualquer referência a quando e onde Lutero terá dito isso, não merece qualquer crédito.

      Tem tanto valor como esta:

      «É falso que alguma vez eu tenha dito: "Não há maior defeito numa mulher que o desejar ser inteligente" » (Martinho Lutero)

      Eliminar
  27. Engraçado mesmo é que não foi M. Lutero quem escreveu esse livro, mas uma padre : Padre Theobald Beer que teoricamente achou alguns "estudos" de Martin Luther e baseado nesses estudos, ele publicou o livro. Quem me garante que o padre não modificou o conteúdo? Pense só, na época em questão, a igreja Católica Perdia muitos fiéis que começaram a seguir o protestantismo, Não seria muito cômodo acabar com a imagem do líder que dividiu a igreja? Claro que sim. E por favor, nenhum protestante idolatra Lutero, mas o respeita, ele foi um Grande Marco na história, e não creio no que diz esse livro "Conversa a mesa"
    E esses estudos, nem era feitos a mãos por Lutero, mas eram escritos por quem o ouvia,
    "“É completamente absurdo pensar que Lutero chamasse a Cristo adúltero. Faz alusão aos murmúrios dos judeus contra Jesus. Se o texto não aparece claro, é porque Schlagenhaufen (um dos que anotaram as conversas à mesa com Lutero) descuidadamente omitiu algumas palavras explicativas, v.gr., «adulter coram mundo», que encontramos num lugar quase paralelo. Pregando sobre Madalena em 1536, dizia: «Et dicunt eum diabolum... Filius hominis est ein Seuffer, helt zu Buben und Huren... Iohannes coram mundo Seuffer und Huren» (WA 41, 647). O que disse, pois, Lutero foi que Cristo pareceu perante o mundo como adúltero, porque murmuraram dele ao vê-lo com a samaritana e outras pecadoras.”

    FONTE: http://conhecereis-a-verdade.blogspot.com.br/2012/04/lutero-disse-que-cristo-pecou-cometendo.html
    Fonte: http://macabeus.no.comunidades.net/index.php?pagina=1622789828

    ResponderEliminar
  28. LUTERO E A CIÊNCIA

    Os seguintes extratos são do artigo intitulado "Lutero e a Ciência" de Donald Kobe, professor de física na Universidade do Texas:

    Sem a Reforma, a ciência moderna se teria provavelmente desenvolvido de qualquer modo por causa do ethos da racionalidade e da doutrina da criação que conduz a ela. A Reforma, porém, acelerou o desenvolvimento pela sua crítica do escolasticismo e sua ênfase na observação direta da natureza. Lutero foi chamado o Copérnico da teologia enquanto, por outro lado, Copérnico foi chamado o Lutero da astronomia... Na filosofia natural ou ciência, as perguntas acerca da natureza já não se respondiam primariamente mediante citações de Aristóteles e dos escolásticos, mas atentando para a observação e para a experimentação na própria natureza. Similarmente, depois da Reforma, os protestantes não respondiam já perguntas de teologia primariamente por citação de filósofos e teólogos escolásticos, mas virando-se diretamente para a Bíblia. Lutero interpretou a Escritura perguntando: Qual é o significado claro e direto do texto? Os cientistas interpretam a natureza da forma mais simples possível usando o mínimo número de hipóteses.

    Lutero acreditava que o mundo estava no começo de uma nova era, a qual traria não somente uma reforma na religião mas também um novo apreço pela natureza. Nas suas informais “Conversas à Mesa” disse:

    Estamos no amanhecer de uma nova era, pois estamos começando a recuperar o conhecimento do mundo externo que foi perdido pela queda de Adão. Agora observamos apropriadamente as criaturas ... Mas pela graça de Deus já reconhecemos na mais delicada flor as maravilhas da divina bondade e omnipotência [paráfrase de Romanos 1:20].

    Lutero estava aberto aos autênticos avanços científicos da sua época. Apreciava as invenções mecânicas do seu tempo.

    Aceitou o uso dos medicamentos ao tratar a doença ... A alguém que disse que não é permissível para um cristão usar medicamentos, Lutero lhe replicou retoricamente, “Você come quando está esfomeado?” Segundo Andrew White, esta atitude de Lutero fez que as cidades protestantes da Alemanha estivessem mais dispostas que outras a admitir a investigação e dissecção anatómica.

    Lutero aceitou a astronomia como ciência, mas rejeitou a astrologia como uma superstição pois não pode ser confirmada por uma demonstração... por exemplo, Lutero estava disposto a aceitar a conclusão dos astrónomos de que a lua é o mais pequeno e baixo dos “astros”. Interpretava a Escritura que chamava o sol e a lua “grandes luminárias” como acomodada à aparência dos fenómenos.
    ...
    Em conclusão, a influência luterana sobre o desenvolvimento da ciência foi geralmente positiva. Lutero, e também Calvino, rejeitaram a ideia de que as vocações religiosas são superiores às seculares. Os homens e as mulheres devem servir a Deus realizando um trabalho honesto e útil com diligência e integridade. O trabalho científico revela a obra de Deus num universo que é tanto racional como ordenado. Também proporciona resultados que podem ser usados para o benefício da humanidade.
    ...
    Lutero não estava primariamente interessado na ciência. Mas a Reforma criou um clima de abertura e aceitação de novas ideias, que em geral alentaram o desenvolvimento científico. Depois do julgamento de Galileu em 1633, as áreas protestantes da Europa dominaram os descobrimentos científicos [Owen Gingerich, "The Galileo Affair", Scientific American 247 (August 1982): 132-143].

    http://www.leaderu.com/science/kobe.html

    ResponderEliminar
  29. "NOUTRA OCASIÃO, LUTERO BALSFEMOU CONTRA DEUS, AO DIZER QUE DEUS AGE COMO LOUCO OU COMO MUITO TOLO: "Deus est stultissimus" (Lutero, Conversas à Mesa, ed Weimar, N* 963, Vol. I , p. 487. Apud Franz Funck Brentano op. cit. p. 147)."

    O Volume da Obra citada refere-se a "Hälfte der dreißiger Jahre, Sammlungen Veit Dietrichs und Medlers" ou "Metade dos anos trinta, coleções Veit Dietrich e Medlers" e pode ser vista aqui:(http://www.archive.org/stream/werketischreden10201luthuoft#page/n5/mode/2up)

    A pagina 487 pode ser vista aqui: http://www.archive.org/stream/werketischreden10201luthuoft#page/487/mode/1up

    A conversa 963 está localizado na parte inferior da página 487, continuando a página 488. Esta citação vem da seção de entradas por Veit Dietrich e Nicholas Medler gravados no início de 1530 e pode ser vista a partir daqui: http://www.archive.org/stream/werketischreden10201luthuoft#page/331/mode/1up, embora os manuscritos não estivessem disponíveis até 1912.. Este trecho escrito em alemão e latim tem a seguinte redação:

    "Deus é muito tolo [ou estúpido], pois o mais poderoso inimigo, Satanás, se opõe a um homem doente que é como um caniço agitado. Ele deve irritar terrivelmente o diabo pois ele, um grande, poderoso e inteligente espírito, não é capaz de superar ou ferir o homem, uma criatura tão humilde e fraca sem a permissão de Deus. Portanto, irritado Satanás lança dardos inflamados contra nós, sendo que o remédio é o escudo da fé. Isso, certamente, muitas vezes tem sido feito comigo."

    O que Lutero supostamente se refere ironicamente é ao fato de Deus provocar bastante ao diabo, um ser poderoso, com um mero homem fraco e mortal. Analisando a frase percebemos o estilo hiperbólico de Lutero sempre ao expressar suas ideias. Sendo assim fica óbvio que não se trata de uma blasfêmia. No nosso linguajar de hoje, dirianos que Deus está sacaneando o diabo, tirando onda com a cara dele ao fazer com que um ser embora tão poderoso, só possa atingir a seres fracos como nós apenas com sua permissão divina e que para o diabo, isso seria estupidez tanto poder divino em favor dos fracos humanos miseráveis.

    O "Deus est stultissimus" de Lutero seria a blasfêmia das blasfêmias, se não fosse o elogio de louvores. Por seu famoso "Deus é estúpido", Lutero expressa que os homens não podem percebê-Lo com sua inteligência miserável. Deus deixa ao diabo o papel do intelectual.(Jean Cocteau)

    Além disso, os romanistas amam citar a biografia de Lutero feita por Frantz Funck-Brentano. A obra original é da Grã-Bretanha: Academia Books de 1939 e não 1956, ambas as versões inglesa e brasileira não trazem a citação em seu contexto. Na obra, Funck-Brentano apenas afirma:

    "Verdadeiro Deus foi grande e poderoso, argumentou Lutero, e bom e misericordioso, e todo esse tipo de coisa; mas Ele era estúpido [1]. Ele era um tirano. [1] Deus est stultissimus (Tabela número 963. Discussão edição Weimar I, 487)".

    Portanto basta analisar a obra citada por Brentano que então percebemos a péssima adulteração e ignorância contextual que os romanistas fazem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este texto embora trate de outra citação obscura de Lutero, refere essa passagem que menciona.

      http://beggarsallreformation.blogspot.pt/2010/10/luther-i-look-upon-god-no-better-than.html

      Lutero deve ser o homem mais mal citado e deturpado da História.

      É preciso uma paciência de Jó para esclarecer todo esse arsenal de pseudo-citações atribuídas a Lutero. Ainda bem que há alguns "Jós" por aí :)

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...