sexta-feira, 2 de março de 2018

O "Não" Problema do Mal


O problema do mal geralmente assume a forma de um tétrade inconsistente:

i) Deus é omnipotente

ii) Deus é omnisciente

iii) Deus é benevolente

iv) O mal existe

Este problema costuma ser usado por ateus como argumento contra a existência de Deus. Um ateu tenta mostrar que estes pontos são mutuamente inconsistentes, gerando assim um dilema para o cristão. Para evitar a inconsistência, um cristão tem de prescindir de pelo menos uma das proposições. Se, no entanto, (i-iii) não são negociáveis, então o seu sistema de crenças falha. Como é um sistema de tudo ou nada, pegar-ou-largar, se for inconsistente em qualquer ponto, então tem que abandonar-se o todo.

Mas um problema com o argumento do mal é que ele ataca uma versão muito abstrata de teísmo. Algo derivado da teologia filosófica. Teísmo clássico ou teologia do ser perfeito.

Normalmente, o argumento do mal não é formulado em referência a uma religião histórica viva, como o judaísmo do AT ou o cristianismo do NT.

Por exemplo, seria muito mais difícil mostrar que o argumento do mal refuta a existência de Yahweh, uma vez que Yahweh não é "benevolente" no sentido em que os ateus normalmente definem a benevolência ao formular o argumento do mal. Na verdade, muitos incrédulos rejeitam o teísmo bíblico porque pensam que Yahweh, Jesus e/ou Deus, o Pai, não é benevolente como eles vêem a benevolência. Eles ficam melindrados com várias ações divinas, ordens e proibições na Escritura.

Mas aonde isso leva o argumento do mal? Se, pela sua própria admissão, o teísmo bíblico não se conforma com as suas noções preconcebidas de benevolência, então a existência do mal está em consonância com a existência de uma Deidade como essa.

Além disso, a existência do mal é uma pressuposição necessária do teísmo bíblico. Se vivêssemos num mundo desprovido de mal moral e natural, a ausência, em vez da presença do mal, falsificaria a descrição bíblica da realidade. A história da Bíblia está repleta de mal. A salvação e o julgamento escatológico são o remédio final.

1 comentário:

  1. Dito de forma mais telegráfica:

    Pode não acreditar-se na existência de Yahweh, mas não por causa de existir mal no mundo. Se Yahweh existe, o Deus do AT e NT, o que é esperado ver por todo o mundo é precisamente a existência do mal.

    A existência do mal faz parte do plano que Deus formou em si mesmo antes da fundação do mundo.

    Sem a existência do mal, Deus não podia manifestar a sua graça e a sua misericórdia.

    Sem a existência do mal, Deus não podia manifestar a sua justiça e o seu poder.

    Sem a existência do mal, Deus não podia manifestar a sua fidelidade e a sua providência.

    Sem a existência do mal, o Filho de Deus não tinha razão para encarnar e fazer-se homem semelhante a nós. Nem podia manifestar o seu amor supremo dando a sua vida por nós.

    A existência do mal é instrumental para conseguir um bem maior.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...