quarta-feira, 29 de julho de 2015

A Eucaristia

Por William Webster

A doutrina Católica Romana da eucaristia recebeu sua primeira expressão dogmática no IV Concílio de Latrão em 1215, quando a Igreja formalmente adotou a doutrina da transubstanciação como seu ensino oficial. Isso foi confirmado pelo Concílio de Trento, que também asseverou que a Ceia do Senhor era um sacrifício propiciatório pelo pecado. Esses são os dois primários e mais importantes elementos do ensino da Igreja sobre a eucaristia – transubstanciação e sacrifício.

A Igreja Católica Romana ensina que quando o sacerdote profere as palavras da consagração, o pão e o vinho são literalmente transformados no corpo e no sangue de Cristo. Ele é então oferecido a Deus no altar como um sacrifício propiciatório pelo pecado. O Concílio de Trento explicitamente declara que “neste divino sacrifício, que se realiza na Missa, está contido e imola-se incruentamente aquele mesmo Cristo, que no altar da cruz uma vez se ofereceu a si mesmo cruentamente...”. Existem assim dois aspectos nesta doutrina romana: transubstanciação, que garante a “presença real” de Cristo; e a missa, na qual Cristo, assim presente corporalmente, é novamente oferecido a Deus como um sacrifício. Esta, contudo, não é a única visão que foi expressa de uma forma consistente ao longo da história da Igreja. Desde os primórdios da Igreja, os Padres geralmente expressavam a sua crença na presença real na eucaristia, na qual eles identificavam os elementos com o corpo e o sangue de Cristo, e também referiam-se à eucaristia como um sacrifício. Porém, havia uma considerável diferença de opinião entre os Padres sobre a precisa natureza destas coisas, refletida no fato de que a Igreja antiga não produziu nenhum dogma oficial sobre a Ceia do Senhor. A interpretação do significado da eucaristia nos escritos dos Padres da Igreja deve ser feita com muita cautela, pois é muito fácil tomar uma teologia preconcebida da eucaristia e lê-la nos seus [dos padres] comentários e ensinamentos.

O que eu acredito que uma análise objetiva revelará é que as visões dos Padres são bem consistentes com as diferentes visões representadas pela Igreja Católica Romana e aquelas dos Reformadores Protestantes. Alguns dos Padres ensinaram que os elementos são símbolos do corpo e do sangue de Cristo e que a sua presença é espiritual, enquanto outros sustentavam que os elementos eram transformados no corpo e no sangue de Cristo e que a sua presença é física [1]. Os seguintes exemplos dos escritos dos Padres da Igreja dos primeiros quatro séculos revelam esta diversidade de opinião.

A Didaquê ou Ensinamento dos Doze Apóstolos, como é chamada algumas vezes, está incluída na coleção de obras conhecida como os “Padres Apostólicos” e é um dos documentos mais antigos que possuímos da era pós-apostólica. Ela é um antigo manual de disciplina da Igreja datado entre o fim do século I e o ano 140 d.C., e ela simplesmente refere-se à Ceia do Senhor como comida e bebida espiritual. Não há indicação de que os elementos sejam transformados de alguma forma. Inácio de Antioquia (martirizado em cerca de 110 d.C.), por outro lado, fala da eucaristia como o corpo e o sangue de Cristo que comunicam vida eterna. Justino Mártir (100/110-165 d.C.) refere-se aos elementos eucarísticos como sendo mais do que pão e vinho comuns [2], os quais quando são consagrados tornam-se o corpo e sangue de Jesus; todavia em seu Diálogo com Trifão, ele escreveu que os elementos eram pão e vinho, os quais foram instituídos por Cristo como um memorial e uma recordação de seu corpo e sangue [3]. Portanto, enquanto ele fala de uma mudança nos elementos, parece que em sua concepção, os elementos ainda permanecem, em essência, pão e vinho. Assim como Justino, Ireneu de Lyon (140-202 d.C.) claramente cria que o pão e o vinho tornavam-se o corpo e sangue de Jesus na consagração [4], mas ele também afirmou que os elementos eram compostos de duas realidades – uma terrena e outra celestial, ou espiritual [5]. Ele deu a entender que na consagração, embora os elementos já não sejam mais pão e vinho comuns, eles não perdem a sua natureza de pão e vinho.

Tertuliano (155/160-240/250 d.C.) falou do pão e do vinho da eucaristia como símbolos ou figuras que representam o corpo e o sangue de Cristo. Ele especificamente declarou que esses elementos não eram o corpo e o sangue literais do Senhor. Quando Cristo disse: “Isto é o meu corpo”, Tertuliano sustentava que ele estava falando figurativamente e que consagrou o vinho “em memória de seu sangue” (Contra Marcião 3.19). Alguns teólogos têm alegado que o uso antigo das palavras “figura” e “representam” sugeriam que os símbolos de uma forma misteriosa tornavam-se o que simbolizavam. Mas Tertuliano usa a palavra “representam” diversas vezes em outros lugares onde ela possui um significado figurativo. Por exemplo, em Contra Marcião 4.40 ele diz: “Ele representa a condição de sangramento de sua carne sob a metáfora de vestes tingidas de vermelho”. Sua interpretação de João 6 similarmente indica que quando ele fala do pão e do vinho como figuras e símbolos do corpo e sangue de Cristo, é exatamente isso o que ele quer dizer [6]. Ele diz que Cristo falou em termos espirituais quando se referiu a “comer de sua carne” e “beber de seu sangue” e não quis que isso fosse entendido de forma literal. Ele sustentava que comer da carne de Cristo e beber de seu sangue significava apropriar-se dele pela fé: “Ele igualmente chamou sua carne pelo mesmo apelido; uma vez que, também, o Verbo se fez carne, devemos, portanto, desejá-Lo a fim de que possamos ter vida, e devorá-Lo com os ouvidos, e ruminar sobre Ele com o entendimento, e digeri-Lo pela fé” [7]. Claramente ele não ensinou o conceito de transubstanciação.

Clemente de Alexandria (150-211/216 d.C.) também chamou o pão e o vinho de símbolos do corpo e sangue de Cristo e ensinou que o comungante recebia não a vida física, mas a vida espiritual de Cristo [8]. Orígenes (185-253/254 d.C.), igualmente, fala em termos distintivamente alegóricos e espirituais quando se refere à eucaristia.

Eusébio de Cesareia (263-340 d.C.) identificou os elementos com o corpo e sangue de Cristo mas, à semelhança de Tertuliano, via os elementos como sendo simbólicos ou representativos de realidades espirituais [9]. Ele especificamente afirma que o pão e o vinho são símbolos do corpo e sangue do Senhor e que as palavras de Cristo em João 6 devem ser entendidas espiritualmente e figurativamente em oposição a um sentido físico e literal.

Com o passar do tempo, descrições mais claras da eucaristia como a transformação dos elementos no corpo e sangue literais de Cristo emergiram nos escritos de Padres como Cirilo de Jerusalém, Gregório de Nissa, Gregório Nazianzeno, Crisóstomo e Ambrósio. Gregório de Nissa, por exemplo, ensinou que a eucaristia era a perpetuação da encarnação e similarmente Cirilo de Jerusalém adotou uma abordagem altamente literal:

“Uma vez, então, que ele próprio declarou e disse do Pão: “Isto é o meu corpo”, quem ainda ousará duvidar? E uma vez que Ele afirmou e disse: “Isto é o meu sangue”, quem hesitará, dizendo, que isto não é o Seu sangue? Ele, certa vez, transformou água em vinho, em Caná da Galileia, por sua própria vontade, seria então inacreditável que transformasse vinho em sangue?... Então, tendo nos santificado por estes Hinos espirituais, clamamos a Deus misericordioso que envie o seu Santo Espírito sobre os dons dispostos diante d`Ele; que Ele possa tornar o pão o Corpo de Cristo, e o vinho o Sangue de Cristo; pois tudo o que o Espírito Santo toca, é santificado e transformado” [10]. 

Ao mesmo tempo, havia uma representação contínua por muitos Padres dos elementos eucarísticos como figuras ou símbolos do corpo e sangue do Senhor, embora também acreditassem que o Senhor estava espiritualmente presente no sacramento. O Papa Gelásio I (492-496 d. C.), por exemplo, acreditava que o pão e o vinho, em substância, durante a consagração, não cessava de ser pão e vinho [11], uma visão compartilhada por Eusébio, Teodoreto, Serapião, Jerônimo, Atanásio, Ambrosiastro, Macanus do Egito, e Eustácio de Antioquia [12].

Contudo, o grande teólogo que forneceu a mais exaustiva e influente defesa da interpretação simbólica da Ceia do Senhor foi Agostinho [13]. Ele deu instruções e princípios muito claros para determinar quando uma passagem da Escritura deve ser interpretada literalmente ou figurativamente. As passagens da Escritura devem sempre ser interpretadas à luz da inteira revelação da Escritura, concluiu ele, e usou João 6 como um exemplo específico de uma passagem que deveria ser interpretada figurativamente [14].

Agostinho argumentava que os sacramentos, incluindo a eucaristia, são sinais e figuras que representam ou simbolizam realidades espirituais. Ele fez uma distinção entre o corpo físico e histórico de Cristo e a presença sacramental, sustentando que o corpo físico de Cristo não pode literalmente estar presente no sacramento da Eucaristia porque ele está fisicamente à direita de Deus no céu, e lá estará até que venha novamente. Mas Cristo está espiritualmente com o seu povo [15]. Agostinho via a eucaristia em termos espirituais e interpretou o verdadeiro significado de comer e beber como sendo um ato de fé: “Acreditar nele é comer o pão vivo. Aquele que crê, come; ele está saciado invisivelmente, porque invisivelmente ele nasceu de novo” [16].

Estas ideias de Agostinho estão obviamente em oposição àquelas do concílio de Trento. De fato, ensinamentos tais como os dele sobre a eucaristia foram anatematizados por esse concílio. Isso realça mais uma vez a falta de consenso patrístico sobre o ensino desta importante doutrina da Igreja Católica Romana. A ideia da transformação dos elementos no corpo e sangue literais de Cristo por fim triunfou dentro da Igreja, mas não sem consistente oposição. Houve duas grandes controvérsias nos séculos IX e XI entre as visões literais e mais espiritualistas e mesmo no período Escolástico houve muitos teólogos proeminentes que rejeitavam a doutrina da transubstanciação [17].

Numa tentativa de dar a impressão de que houve um consenso unânime ao longo da história da Igreja para a interpretação Católica Romana da eucaristia, Karl Keating faz a seguinte declaração:

“Seja o que for que se diga, é certo que a igreja primitiva tomava João 6 e as palavras da última ceia literalmente. Não há nenhum registro nos primeiros séculos de qualquer cristão duvidando da interpretação católica. Não existe nenhum documento no qual a interpretação literal seja rejeitada e a metafórica aceite” [18].

À luz dos fatos apresentados acima, podemos ver que tal alegação é errônea. A verdade dos fatos é que os pontos de vista da Igreja antiga sobre o significado da eucaristia e a sua relação com a pessoa de Cristo são muito similares àqueles que encontramos hoje e nos dias da Reforma quando se compara os diferentes pontos de vista Protestantes e Católico Romano.

Há a visão literal da transubstanciação que poderia ser expressa por Crisóstomo; a visão Luterana da consubstanciação que poderia ser atribuída a Ireneu ou Justino Mártir; a visão espiritual de Calvino, que está estreitamente alinhada com Agostinho; e a visão estritamente simbólica de Zwinglio, que é similar à que foi expressa por Eusébio.

Uma similar falta de consenso existiu sobre outras características importantes da posição Católica Romana sobre a eucaristia – que este sacramento é em si mesmo um sacrifício propiciatório. De acordo com este ensino, na missa, Cristo está presente fisicamente através da consagração sacerdotal e ele torna-se então a vítima divina que é imolada sobre o altar. A palavra “imolar” especificamente significa “massacrar” ou “matar” e este sacrifício é eficaz como um pagamento pelo pecado para satisfazer a justiça de Deus.

Nos dias atuais, há alguns escritores católicos romanos que negam que a Igreja Católica Romana ensine que a missa é o re-sacrifício de Cristo, mas as palavras do Concílio de Trento são bem claras quanto ao seu significado:

“E como neste divino sacrifício, que se realiza na Missa, se encerra e é imolado incruentamente aquele mesmo Cristo que uma só vez cruentamente no altar da cruz se ofereceu a si mesmo... Pois uma e mesma é a vítima: e aquele que agora oferece pelo ministério dos sacerdotes é o mesmo que, outrora, se ofereceu na Cruz, divergindo, apenas, o modo de oferecer... Se alguém disser que o sacrifício da Missa é somente de louvor e ação de graças, ou mera comemoração do sacrifício consumado na cruz, mas que não é propiciatório... e que não se deve oferecer pelos vivos e defuntos, pelos pecados, penas, satisfações e outras necessidades — seja anátema” [19].

Trento ensina que assim como Cristo foi a vítima divina e foi oferecido e imolado sobre a cruz como um sacrifício propiciatório pelo pecado, assim também na missa, que é um sacrifício distinto por direito próprio, ele é referido como a vítima divina que é novamente oferecida e imolada como um sacrifício propiciatório, assim como ele foi imolado na cruz. A única diferença, de acordo com Trento, entre o sacrifício da missa e o sacrifício da cruz é que um é cruento e o outro incruento.

Há aqueles que se opõem à acusação de que o que Trento entende por imolação se refere a um assassinato renovado de Cristo. Historicamente, a palavra imolar foi usada pelos Padres e teólogos da Igreja para se referir à Eucaristia como uma comemoração do sacrifício de Cristo feito uma vez por todas. Agostinho usou a palavra neste sentido e a sua definição tornou-se normativa nos séculos seguintes [20]. Por exemplo, Pedro Lombardo, no século XII, em suas Sentenças expressou a visão agostiniana dessa forma:

Podemos brevemente replicar que o que é oferecido e consagrado pelo sacerdote é chamado de um sacrifício e uma imolação porque é um memorial e uma representação do verdadeiro sacrifício e santa imolação efetuada sobre o altar da cruz. Cristo morreu uma vez, sobre a cruz, e lá ele foi imolado em sua própria pessoa; e agora todos os dias ele é imolado sacramentalmente, porque no sacramento há uma evocação do que foi feito uma única vez [21].

O significado do termo como é expresso aqui é estritamente o de uma comemoração sacramental, não era literal. No entanto, o uso que Trento fez do termo acrescentou uma nova dimensão de significado à palavra que difere daquela de Agostinho, pois ele não via Cristo como estando fisicamente presente no sacramento, nem a eucaristia como um sacrifício propiciatório pelo pecado. Agostinho certamente não ensinou que o sacrifício da eucaristia era o mesmo que o sacrifício do Calvário.

Mas na teologia Romana a eucaristia não é meramente a comemoração de um sacrifício, mas é, em si mesma, um sacrifício igual ao do Calvário, e a imolação é literal. Na missa Cristo está literal e fisicamente presente no altar. Ele é tido como uma vítima e é literalmente oferecido e sacrificado da mesma maneira como foi oferecido e sacrificado na cruz como uma expiação e satisfação pelo pecado. Parece justo concluir que o Concílio de Trento utilizou immolare para referir-se à oferta de uma vítima em sacrifício a Deus, especificamente à morte, uma vez que essa é a forma como Cristo foi oferecido na cruz. O ensino de Trento sobre a natureza da missa é que ela é uma repetição do sacrifício de Cristo porque ele é oferecido novamente como uma propiciação pelo pecado.

Enquanto o significado exato do termo immolare como empregado por Trento pode ser disputado, não há ambiguidade sobre o fato de que o Concílio ensina que a missa é um sacrifício propiciatório pelo pecado. Foi neste ponto que os Reformadores universalmente desafiaram o ensino Romano. Eles argumentavam que se a missa era verdadeiramente um sacrifício propiciatório então Cristo deveria morrer, mas isso contradiz a clara afirmação da Escritura de que Cristo morreu de uma vez por todas e não pode morrer novamente. E, por outro lado, se Roma ensina que Cristo não morre, seu ensino de que a missa é propiciatória pelo pecado é falso, pois não é um verdadeiro sacrifício. O Vaticano II diz que a missa foi instituída com o propósito de perpetuar o sacrifício de Cristo através dos tempos. Mas se a sua morte foi de uma vez por todas não pode ser perpetuada através dos tempos. Cristo não pode morrer novamente. A propiciação foi consumada no Calvário.

A natureza propiciatória da eucaristia é o ensino oficial da Igreja Católica Romana e esta alega que a sua interpretação e prática é o cumprimento da profecia de Malaquias 1.11 que um sacrifício puro e incruento seria oferecido em todo o mundo, o qual seria agradável a Deus. Uma vez mais, contudo, encontramos esta interpretação disputada pela vasta maioria dos Padres na Igreja primitiva. A Igreja Católica Romana quer nos fazer crer que o seu ensino particular do sacrifício eucarístico foi a visão universal sustentada na Igreja desde os seus primórdios. Mas, tal como acontece com o ensino sobre a Presença Real, há uma situação historicamente paralela com o conceito da eucaristia como um sacrifício. Alguns dos Padres aproximam-se da interpretação Católica Romana, mas a maioria não. Seus escritos revelam que eles viam a Ceia do Senhor como um memorial de ação de graças e louvor em comemoração ou recordação do sacrifício expiatório de Cristo feito de uma vez por todas, e não como um sacrifício propiciatório pelo pecado. Eles se referiram à profecia de Malaquias e ensinaram que a eucaristia era na verdade um cumprimento parcial desta profecia, e até mesmo se referiram a ela como um sacrifício, mas eles não interpretaram isso da mesma forma que a Igreja de Roma fez. Tal como ao termo “tradição”, a Igreja Romana deu à palavra “sacrifício” um certo conteúdo e significado e o aplicou ao antigo uso da palavra pela Igreja primitiva. O fato de os Padres usarem o termo “sacrifício” para se referir à eucaristia não quer dizer que eles aceitassem o significado dado pela Igreja Romana a esta palavra, como uma breve pesquisa nos escritos dos padres revela.

A Didaquê parece referir-se à eucaristia como o sacrifício do crente, refletindo a ideia de auto-entrega ao Senhor através do oferecimento de louvores e ações de graças pela obra consumada de Jesus Cristo. Não há menção dela como sendo um sacrifício propiciatório. Apologistas romanos frequentemente apelam para Clemente de Roma como um apoio para a sua interpretação sacrificial da eucaristia, mas isso é feito como resultado de um erro de tradução. Keating, por exemplo, apresenta uma tradução de 1 Clemente 44, onde Clemente menciona aqueles “do episcopado que irrepreensível e santamente ofereceram os seus Sacrifícios” [22]. O problema com essa tradução é que Clemente não usa a palavra “sacrifícios” em sua carta original, mas antes a palavra “dons”. Assim, o apelo a Clemente de Roma é vazio.

Justino Mártir acreditava que a eucaristia era um sacrifício espiritual de louvor e ação de graças que comemorava a morte de Cristo por uma Igreja que agora contava Gentios entre os seus membros [23]. Ireneu também se refere à profecia de Malaquias e caracteriza a eucaristia como uma ação de graças oferecida a Deus. Ele sustentava que o sacrifício real pretendido dentro dela eram as orações de crentes verdadeiros, que vinham de corações puros totalmente rendidos a Deus e incontaminados pelo pecado [24]. Similarmente, Tertuliano argumentava que os verdadeiros sacrifícios oferecidos a Deus não eram de natureza carnal ou física, mas o sacrifício espiritual de um coração quebrantado e contrito diante de Deus [25]. Orígenes e Clemente de Alexandria sublinharam este mesmo tema: que o significado real do sacrifício eucarístico era um memorial ou comemoração do sacrifício de Cristo que exigiu a auto-entrega da alma a Deus. Era um sacrifício porque envolvia as orações e louvores do povo de Deus; a auto-entrega deles mesmos a Deus de corações contritos e quebrantados; e a doação de ofertas materiais aos pobres. Não há absolutamente nenhuma menção da eucaristia como o sacrifício literal e renovado de Cristo como uma oferta propiciatória pelo pecado.

Eusébio também afirma explicitamente que o cumprimento da profecia de Malaquias de um sacrifício puro e incruento se encontra nas orações e ações de graças dos verdadeiros cristãos de corações contritos em todo o mundo [26].

Mas o mais influente defensor deste ponto de vista foi, mais uma vez, Agostinho [27]. Ele foi inequívoco na sua crença de que a Ceia do Senhor era um sacrifício de louvor e ação de graças, uma comemoração da paixão de Cristo. A eucaristia é simplesmente uma forma sacramental de relembrar o sacrifício de Cristo feito de uma vez por todas. O sacramento é chamado um sacrifício apenas porque é identificado com o Calvário como um memorial ou comemoração desse sacrifício único [28]. Não era Cristo que era oferecido neste memorial mas a Igreja, que se oferecia a si mesma a Deus através de Cristo como um sacrifício vivo de um coração contrito e quebrantado. Ele também via isto como o cumprimento da profecia de Malaquias [29].

Embora a Igreja primitiva geralmente visse a eucaristia em termos espirituais, começou a emergir o conceito de um sacrifício literal na eucaristia. Quase todos os historiadores concordam que essa mudança começou a ocorrer no século III com Cipriano, bispo do Norte da África e mártir. A Igreja nesta época estava derivando da confiança na graça de Deus em Jesus Cristo para uma teologia que incluía o conceito de obras humanas para ganhar mérito diante de Deus e para expiar pecados através de penitências, ascetismo e boas obras. Assim, a eucaristia como um sacrifício começou também a ser vista, por alguns, como um meio de propiciar Deus pelos pecados cometidos depois do batismo. Homens começaram a ver o sacerdote e ministério cristão como sendo paralelo ao sacerdócio e ministério do Antigo Testamento. E embora essa analogia tenha sido estabelecida por Padres mais antigos, eles sempre enfatizaram que os sacrifícios carnais do Judaísmo haviam sido substituídos pelos sacrifícios espirituais da Igreja com base no sacrifício completo de Cristo. Não havia mais sacrifícios pelo pecado. Mas a analogia começou a perder seu caráter estritamente espiritual. Juntamente com uma visão materialista dos elementos na eucaristia começou a desenvolver-se através de Cipriano, com sua visão da natureza sacerdotal do clero, o conceito da eucaristia como um sacrifício literal. Ele estabeleceu o seguinte axioma:

Se Jesus Cristo, nosso Senhor e Deus, é o grande Sumo Sacerdote de Deus Pai, e primeiro se ofereceu a Si Mesmo em Sacrifício ao Pai, e ordenou que isto fosse feito em memória de Si mesmo, certamente o sacerdote age verdadeiramente em lugar de Cristo, e imita aquilo que Cristo fez; e ele então oferece um Sacrifício verdadeiro e completo na Igreja a Deus Pai, quando ele começa a oferecê-lo de acordo como ele vê o próprio Cristo oferecê-lo [30].

Desta forma Cipriano alargou a interpretação tradicional da eucaristia para incluir o conceito de uma reconstituição sacramental do sacrifício original de Cristo. Em seu entender, a eucaristia era um sacrifício no sentido de que ela apresenta-se como um memorial do sacrifício original. Mas dadas as influências materializadoras na Igreja, não demorou muito tempo para que a visão da eucaristia como uma reconstituição sacramental do sacrifício de Cristo, em comemoração dele, fosse alargada à ideia de que Cristo era verdadeira e literalmente imolado sobre o altar. Crisóstomo, por exemplo, ensina que Cristo sofre fisicamente no sacrifício eucarístico:

O pão que nós partimos não é a comunhão do Corpo de Cristo?... Mas por que acrescenta ele também “que nós partimos?” Pois embora na eucaristia possa ver-se isto feito, todavia na cruz não é assim, mas muito pelo contrário, pois, “nenhum de seus ossos”, disse alguém, “será partido”. Mas aquilo que Ele não sofreu na cruz, isso sofre na oblação por causa de ti, e se sujeita a ser partido, para que satisfaça todos os homens [31].

O drama de um sacrifício tão “real” fomentou “visões” cada vez mais bizarras por toda a Igreja, que por sua vez foram usadas como prova da verdade da doutrina. Um exemplo claro deste fenômeno foi a defesa da visão materialista da eucaristia por Radbertus, um teólogo do século IX, pelo recurso a uma sucessão de “estórias maravilhosas de aparições visíveis do corpo e do sangue de Cristo para a remoção de dúvidas ou satisfação de desejos piedosos dos santos”. O pão sobre o altar, relata ele, era muitas vezes visto em forma de um cordeiro ou de uma criancinha, e quando o sacerdote estendia a sua mão para partir o pão, um anjo descia do céu com uma faca, abatia o cordeiro ou a criança, e deixava que o seu sangue escorresse para dentro de um cálice” [32].

No entanto, mesmo que a Igreja se estivesse inclinando cada vez mais para o conceito do sacrifício literal de Cristo na eucaristia, a antiga visão do memorial do sacrifício de Cristo articulada por Agostinho e pelos primitivos Padres da Igreja era ainda largamente sustentada. Durante os primeiros 1200 anos de vida da Igreja não houve unanimidade sobre a natureza da eucaristia.

O ponto de partida de ambas as interpretações (material e espiritual) da eucaristia era a Escritura. Apenas com uma análise detalhada do que a Escritura tem a dizer a respeito da natureza do sacrifício de Cristo, e como os crentes devem comemorar este sacrifício, poderemos chegar a um entendimento definitivo.

Há uma palavra grega importante que é usada para descrever tanto a morte como o sacrifício de Cristo: ephapax, que significa “de uma vez por todas”. Em Romanos 6:9-10, Paulo claramente afirma que Cristo não pode morrer novamente porque a sua morte foi de uma vez por todas”. O autor de Hebreus insiste que Cristo não pode ser sacrificado diariamente, pois o seu corpo foi oferecido “de uma vez por todas”, e que devido a este sacrifício feito de uma vez por todas ter trazido perdão completo do pecado, já não há qualquer exigência de uma oferta ou sacrifício pelo pecado [33]. Todos aqueles sacrifícios de animais e o sacerdócio humano estipulados no Antigo Testamento, Cristo cumpriu. Consequentemente, Deus aboliu o sacerdócio e todos os sacrifícios.

Isto coloca a Igreja Católica Romana perante um dilema. A Escritura ensina que o corpo de Cristo e o seu sacrifício foi oferecido uma única vez. Roma ensina que o seu corpo e sacrifício é oferecido uma e outra vez na transubstanciação e repetição de cada missa. A Igreja tenta contornar este problema alegando que o sacrifício da missa não é um sacrifício diferente daquele do Calvário mas o mesmo sacrifício perpetuado através dos tempos. Porque Deus está além do tempo, o sacrifício da cruz está sempre presente com Ele e, portanto, o sacrifício da missa é o mesmo sacrifício que o do Calvário. Esta lógica é uma cortina de fumo semântica: o sacrifício da cruz foi um evento histórico, dado no tempo e espaço, que ocorreu uma única vez e não pode ser repetido. A aplicação do sacrifício do Senhor continua através dos tempos no sentido de que o Espírito Santo traz os homens a receber os benefícios de Sua obra consumada, e a comemoração de seu sacrifício continua através dos tempos, mas o sacrifício em si mesmo não pode ser perpetuado. Na verdade, o tema principal da carta aos Hebreus é que não há mais sacrifícios pelo pecado de qualquer tipo que seja.

A Escritura ensina que o Senhor Jesus Cristo não só fez uma expiação de uma vez por todas, como essa sua morte histórica na cruz é uma expiação completa. Ele satisfez completamente a justiça de Deus: a dívida devida ao pecado do homem foi totalmente paga e, portanto, todos aqueles que vêm a Deus através de Jesus Cristo estão completamente livres da condenação. Nenhuma outra expiação pelo pecado será necessária. A visão bíblica é que a purificação e o perdão do pecado são encontrados no sangue de Jesus Cristo somente, e nunca nas obras ou sofrimentos do homem, pois a lei exige a morte como castigo pelo pecado. A significância da referência ao sangue em relação à obra de Cristo é que ele significa a sua vida que foi entregue à morte em nosso lugar e como pagamento pelo nosso pecado. É porque uma expiação completa foi feita que um perdão completo pode ser oferecido:

... e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado (1 João 1:7).

... no qual [Jesus] temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça... (Efésios 1:7).

A Escritura em lugar algum ensina que os homens devem sofrer castigos temporais pelos seus próprios pecados para prestar satisfação a Deus, seja nesta vida ou na vindoura. Todo castigo pelo pecado foi suportado por Cristo. É por essa razão que a Palavra de Deus declara que “agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1). Deus certamente disciplina os crentes pelos seus pecados, mas isso não tem nada a ver com fazer propiciação ou expiação. Na disciplina de Seus filhos, a ação de Deus é curativa, não punitiva; flui de Seu amor, não de Sua ira (ver Hb 12:4-13).

A Escritura fala de um sacrifício eucarístico. A palavra “eucaristia” literalmente significa “ação de graças” e o Novo Testamento frequentemente insta os crentes a oferecer este tipo de sacrifício de louvor: “Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que dão graças ao seu nome” (Hb 13.15). Este é o verdadeiro sacrifício eucarístico. A Escritura também fala de outros sacrifícios que os crentes devem oferecer a Deus – os nossos bens para atender às necessidades dos outros, e nós mesmos em total entrega a Deus (Hb 13:16; Rm 12:1). Estes são os verdadeiros sacrifícios do Novo Testamento, mas eles nada têm a ver com a expiação do pecado.

Se, como vimos, não há mais sacrifício pelo pecado – qual é o significado da Ceia do Senhor? A Ceia foi estabelecida pelo Senhor Jesus como um memorial de ação de graças e louvor por seu sacrifício expiatório pelo qual os crentes estão em comunhão com Ele espiritualmente e também anunciam a sua morte até que Ele venha novamente. O pão e o vinho, como Agostinho assinala, foram dados como figuras ou símbolos visíveis do seu corpo e do seu sangue e, portanto, são expressões figurativas do seu auto-sacrifício. Eles são lembranças visíveis para o seu povo do que ele fez em seu favor. Quando o Senhor diz, “Isto é o meu corpo”, ele está falando figurativamente e não literalmente. De fato, em Mateus 26:29, Marcos 14:25 e Lucas 22:16,18, Cristo refere-se ao vinho após a consagração como o “fruto da vide”, indicando que ele ainda era vinho. Duas vezes em 1 Coríntios 11:23-27, Paulo se refere ao pão consagrado como “pão”.

Quando Jesus se refere a si mesmo como o pão da vida e diz que os homens devem comer a sua carne e beber o seu sangue, ele deixa claro que as suas palavras devem ser interpretadas espiritual e figurativamente: “A carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida (Jo 6:63). Este discurso não pode referir-se à Ceia do Senhor, pois Cristo ainda não havia instituído esta ordenança na época em que deu este ensinamento. Ele aqui não está falando da eucaristia, mas do seu sacrifício no Calvário. Todo o discurso de João 6 é uma apresentação de Jesus como o sacrifício expiatório pelo pecado do mundo na dádiva da sua carne e sangue, e como os homens devem apropriar-se dos benefícios desse sacrifício. São aqueles que crêem que experimentam os benefícios da sua obra, e assim quando ele compara a fé a comer a sua carne e beber o seu sangue, ele está explicando a natureza da fé salvífica como a apropriação da sua pessoa dentro do coração do crente. O Filho de Deus nos quer fazer compreender que a fé salvífica é muito mais do que um mero assentimento intelectual da verdade. Como João Calvino assinalou:

... que sejamos vivificados por sua verdadeira participação, a qual ele designou pelas palavras comer e beber, a fim de que ninguém pensasse que a vida que compreendemos por ele é compreendida por simples conhecimento. Pois como só o olhar não basta, e requer-se o pão como alimento para o corpo, assim também é necessário que a alma se torne verdadeiramente participe de Cristo, para que, pela virtude dele, seja conservada para a vida eterna... Deste mesmo modo o Senhor, ao chamar-se pão da vida (Jo 6.51), não somente quis ensinar que nossa salvação consiste na fé em sua morte e ressurreição, mas também que, por sua verdadeira comunicação, dá-se que sua vida seja transferida para nós e se torne nossa, assim como o pão, quando é tomado como alimento, dá vigor ao corpo [34].

Cristo muitas vezes usava uma linguagem muito vivida para imprimir verdades espirituais nas mentes dos homens. Ao falar com Nicodemus, disse-lhe que ele deveria “nascer de novo”. Ele se refere a si mesmo como uma “videira” e aos crentes como “ramos”. Estas referências obviamente não são para ser tomadas num sentido literal. Novamente, em Mateus 5:29-30 Jesus diz:

Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no inferno. E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não vá todo o teu corpo para o inferno.

Cristo está obviamente usando uma linguagem realística cruamente para transmitir uma importante verdade espiritual: a necessidade de um arrependimento radical do pecado. Ele fala em termos físicos mas não pretende que tomemos as suas palavras num sentido literal ou físico. Precisamente o mesmo é verdade com o seu ensinamento em João 6 e as suas palavras na instituição da Ceia do Senhor. Interpretar todas estas palavras nessas passagens literalmente seria adotar uma interpretação que diretamente contradiz o ensino da Escritura.

O próprio Jesus nos ensina que a Igreja deve observar a Ceia “em memória de mim”. A palavra “memória” é a palavra grega que literalmente significa um memorial. A Ceia não é um altar de sacrifício, mas uma mesa de memorial, um lugar de comunhão espiritual com o Salvador pelo seu Espírito. Ensinar que Cristo instituiu um meio pelo qual o seu sacrifício pode ser perpetuado através dos tempos é contradizer o ensino básico da Escritura.

Isso torna-se ainda mais claro a partir da identificação da Ceia do Senhor com o memorial da Páscoa do Antigo Testamento. A Ceia do Senhor foi primeiramente celebrada na época da Páscoa judaica e Jesus especificamente a identifica como um equivalente quando diz: “Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa, antes do meu sofrimento” (Lucas 22:15). O que exatamente era a Páscoa? A Páscoa era uma festa anual estabelecida por Deus na qual os judeus deviam lembrar a noite em que o Anjo da Morte “passou além” daquelas famílias que tinham aplicado o sangue do cordeiro sobre os umbrais de suas portas (Êxodo 12:1-13). E este dia será um memorial para vós, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo (Êxodo 12:14). Isto era um “memorial” para um ato específico de Deus em resgatar o seu povo do cativeiro e da morte. O “memorial” servia para trazer à memória um evento importante. Ele não repetia o evento, mas o mantinha vivo na memória através de uma representação física.

Assim como Deus instituiu um memorial de recordação de redenção no Antigo Testamento, ele fez o mesmo no Novo Testamento. 1 Coríntios 5:7 afirma, “Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado”. A sua morte é um fato consumado. Agora, somos chamados não para um sacrifício, mas para uma festa: “Por isso, celebremos a festa... com os asmos da sinceridade e da verdade” (1 Cor. 5:8). Quando Cristo afirma que o pão deve ser comido e o vinho bebido em memória dele, ele está usando a mesma linguagem que a do memorial do Antigo Testamento em referência à Páscoa. A Ceia do Senhor não é um sacrifício, é a comemoração de um sacrifício.

O ensino Católico Romano da eucaristia contradiz a Escritura e não pode ser validado pelo consenso unânime dos Padres. Ensinar os homens a confiar na eucaristia como um evento sacrificial é minar o evangelho de Jesus Cristo. É negar a suficiência do seu sacrifício feito de uma vez por todas na cruz do Calvário. Sugerir de alguma maneira que os homens devem confiar em outra coisa que não Cristo e a sua cruz como meios de Deus para lidar com o pecado é conduzir os homens a uma falsa confiança e a um falso evangelho.

Extraído do capítulo 8 do livro The Church of Rome at the Bar of History (A Igreja de Roma na Barra da História) de William Webster, pp. 117-32

Tradução: Fabiano Raposo


NOTAS 

[1] Para comentários dos Padres sobre a Eucaristia e a Presença Real, ver o Apêndice 8

[2] “Nós chamamos este alimento de Eucaristia... Não como pão comum ou como bebida comum participamos deles, mas assim como, por meio da palavra de Deus, nosso Salvador Jesus Cristo encarnou e tomou sobre Si mesmo carne e sangue para nossa salvação, assim nos foi ensinado que, o alimento que se tornou a Eucaristia pela oração da Sua palavra, e o qual nutre a nossa carne e sangue pela assimilação, é a carne e sangue desse Jesus que foi feito carne”. Thomas B. Falls, The Fathers of the ChurchSaint Justin Martyr, First Apology 65-66 (Washington D.C.: Catholic University, 1948), pp. 105-06. 

[3] É bem evidente que esta profecia também alude ao pão que nosso Cristo nos deu para oferecer em memória do Corpo que Ele assumiu por amor daqueles que crêem nele, pelos quais ele também sofreu, e também ao cálice que ele nos ensinou a oferecer na eucaristia, em comemoração do Seu sangue (Ibid., Dialogue with Trypho 70, p. 262).

[4] Alexander Roberts and W. H. Rambaut, trans., The Writings of Irenaeus, Against Heresies, 5.2.2 (Edinburgh: T. & T. Clark, 1874), p. 59

[5] Ibid., Against Heresies 4.18.4-5, pp. 434-35

[6] Alexander Roberts and James Donaldson, The Ante-Nicene Fathers, vol. III, Latin Christianity: Its Founder, Tertullian, On the Resurrection of the Flesh, chap. 37 (Grand Rapids: Eerdmans, 1951), p. 572

[7] Ibid., Tertullian, On the Resurrection of the Flesh, chap. 37, p. 572.

[8] Alexander Roberts and James Donaldson, The Ante-Nicene Fathers, vol. II, Clement of Alexandria, The Instructor, Book I, chap. VI (Grand Rapids: Eerdmans, 1951), pp. 215-22.

[9] Eusebius of Caesarea, On the Theology of the Church, III.11, 12. Extraído de Darwell Stone, A History of the Doctrine of the Holy Eucharist, vol. I (New York: Longmans, Green, 1909), pp. 85-89.

[10] A Library of the Fathers of the Holy Catholic Church, The Catechetical Lectures of Cyril of Jerusalem, XXII.1-2, XXIII.7 (Oxford: Parker, 1842), pp. 270, 275.

[11] Pope Gelasius I, On the Two Natures in Christ. Extraído de Darwell Stone, A History of the Doctrine of the Holy Eucharist, vol. I (London: Longmans, Green, 1909), p. 102.

[12] J.N.D. Kelly, Early Christian Doctrines (San Francisco: Harper & Row, 1978), pp. 440-41, 445-46.

[13] Para comentários de Agostinho sobre a natureza da Eucaristia e a Presença Real, v. Apêndice 8.

[14] “Se a frase... parece ordenar um crime ou vício... é figurativa. ‘Se não comerdes a carne do Filho do homem’, diz Cristo, ‘e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós’. Isso parece ordenar um crime ou um vício; é portanto uma figura, ordenando que devemos participar nos sofrimentos de nosso Senhor, e que devemos conservar uma memória doce e proveitosa do fato de que Sua carne foi ferida e crucificada por nós”. Philip Schaff, Nicene and Post-Nicene Fathers, vol. II, St. Augustin: The City of God and On Christian Doctrine, On Christian Doctrine 3.16.2 (Grand Rapids: Eerdmans, 1956), p. 563.

[15] “Em relação à presença da Majestade nós temos a Cristo sempre; em relação à presença da carne, foi dito com razão aos discípulos “mas vós não me tereis sempre”. Pois a igreja teve-O em relação à presença da carne, por uns poucos dias; agora o contemplamos pela fé, não com os olhos”. A Library of the Fathers of the Holy Catholic Church, Homilies on the Gospel According to St. John by S. Augustine, Homily 92.1, p. 873; Homily 50.13 (Oxford: Parker, 1849), pp. 677-78.

[16] Philip Schaff, Nicene and Post-Nicene Fathers, vol. VII, St Augustin, Homilies on the Gospel of John, Tractate XXVI.I (Grand Rapids: Eerdmans, 1956), p. 168.

[17] Por exemplo: teólogos tais como Duns Scotus, Biel, Occam e Wessel. V. Seeberg, vol.2, p. 203ss, para detalhes.

[18] Karl Keating, Catholicism and Fundamentalism (San Francisco: Ignatius, 1988), p. 238.

[19] Philip Schaff, The Creeds of Christendom, vol. II, The Canons and Decrees of the Council of Trent (New York: Harper, 1877), pp. 179, 184-85.

[20] Philip Schaff, Nicene and Post-Nicene Fathers, vol. I, The Confessions and Letters of St Augustin, Letter 98.9, Ad Boniface (Grand Rapids: Eerdmans, 1956), p. 410.

[21] Sentences, book IV, dist. 12, cap. 5. Extraído de Francis Clark, Eucharistic Sacrifice and the Reformation (Oxford: Basil Blackwell, 1967), p. 407.

[22] Karl Keating, Catholicism and Fundamentalism (San Francisco: Ignatius, 1988), p. 255.

[23] “Deus, portanto, anunciou antecipadamente que todos os sacrifícios oferecidos em Seu nome, os quais Jesus Cristo ordenou que fossem oferecidos, isto é, a Eucaristia do Pão e do Cálice, que é oferecida por nós, Cristãos, em toda a parte do mundo, são agradáveis a Ele... Agora, eu também admito que orações e ações de graças, oferecidas por pessoas dignas, são os únicos sacrifícios perfeitos e aceitáveis a Deus”. Thomas Falls, Saint Justin Martyr Dialogue with Trypho 117, (Washington D.C.: Catholic University, 1948), p. 328.

[24] Alexander Roberts e W.H. Rambaut, The Writings of Irenaeus, Against Heresies IV.17.5-6,18.1-4 (Edinburgh: T. & T. Clark, 1874), pp.430-35.

[25] Alexander Roberts e James Donaldson, The Ante-Nicene Fathers, vol. III, Latin Christianity: Its Founder, Tertullian, An Answer to the Jews, ch. 5 (Grand Rapids: Eerdmans, 1951), pp. 156-57.

[26] Eusebius, Dem. Evang. I.x.28-38. Extraído de Darwell Stone, A History of the Doctrine of the Holy Eucharist, vol. I (New York: Longmans, Green, 1909), pp. 110-11.

[27] Para uma documentação detalhada dos ensinos dos Padres e de Agostinho sobre a natureza do sacrifício eucarístico, ver o Apêndice 9.

[28] “Enquanto consideramos que já não é um dever oferecer sacrifícios, reconhecemos sacrifícios como parte dos mistérios da Revelação, pela qual as coisas profetizadas foram preanunciadas. Pois eles foram nossos exemplos, e de muitas e várias formas apontavam para o único sacrifício que agora comemoramos. Agora que este sacrifício foi revelado e foi oferecido no tempo devido, sacrificar não é mais obrigatório como um ato de culto, ao mesmo tempo que mantém a sua autoridade simbólica... Antes da vinda de Cristo, a carne e o sangue deste sacrifício estavam prefigurados nos animais imolados; na paixão de Cristo os tipos foram cumpridos pelo sacrifício verdadeiro; após a ascensão de Cristo, este sacrifício é comemorado no sacramento”. Philip Schaff, Nicene and Post-Nicene Fathers, Vol. IV, St. Augustin: The Writings Against the Manicheans and Against Donatists, Reply to Faustus the Manichean 6.5, 20.21 (New York: Longmans, Green, 1909), pp. 169, 262.

[29] “Pois, como temos muitos membros em um só corpo, e todos os membros não têm o mesmo ofício, assim nós, sendo muitos, somos um só corpo em Cristo. Este é o sacrifício dos cristãos: que sendo muitos, somos um só corpo em Cristo. E este é também o sacrifício que a Igreja celebra continuamente no sacramento do altar, conhecido dos fiéis, no qual ela ensina que ela mesma é oferecida na oferta que faz a Deus... Pois nós mesmos, que somos a Sua própria cidade, somos o Seu mais nobre e digno sacrifício, e é este mistério que celebramos em nossos sacrifícios, os quais são bem conhecidos dos fiéis... Pois, através dos profetas, os oráculos de Deus declararam que os sacrifícios que os judeus ofereciam como uma sombra daquele que deveria haver cessariam, e que as nações, desde o nascer até o pôr-do-sol, ofereceriam um só sacrifício”. Philip Schaff, Nicene and Post-Nicene Fathers, Vol. II, p. 230-231. St. Ausgustin: The City of God and On The Christian Doctrine, The City of God Book 10, ch. 6; Book 19, ch. 23 (Grand Rapids: Eerdmans, 1956), pp. 184, 418.

[30] A Library of the Fathers of the Holy Catholic Church, Epistle 63.11 (Oxford: Parker, 1844), p. 192.

[31] Philip Schaff, Nicene and Post-Nicene Fathers, vol. XII, Saint Chrysostom, Homilies on the Epistles of Paul to the Corinthians, Homily 24.4-5 (Grand Rapids: Eerdmans, 1956), pp. 139-40.

[32] Philip Schaff, History of the Christian Church, vol. 4 (Grand Rapids: Eerdmans, 1910), p. 548.

[33] Ver Hebreus 7:27; 10:10-14, 10:18

[34] The Library of Christian Classics, John McNeill, ed., vol. XXI, Calvin: Institutes of the Christian Religion, vol. II, Book IV, ch. 17 (Philadelphia: Westminster, 1960), p. 1365.

10 comentários:

  1. Muito bom ver que voltou a publicar. Este artigo do William Webster é ótimo. Estou traduzindo outro artigo dele sobre confissão e penitencia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Bruno, tudo bem? Quando traduzir, envie-o pra mim. Eu possuo o livro "The Church of Rome at the Bar of History" impresso e, aos poucos, estou traduzindo todo o conteúdo dele. Seria ótimo ter uma ajuda neste trabalho.

      Meu e-mail é: fabiano.rdantas@gmail.com

      Eliminar
  2. Muito feliz com a volta do blog. Obrigada por voltar vamos a luta👍

    ResponderEliminar
  3. Contando com a honestidade intelectiva do dono deste blog gostaria que este analisasse as frases do apóstolo Paulo respondendo a uma pergunta em que emito uma conclusiva com toda humildade , mostrando-me se estou errado na conclusiva e o porquê : "Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei a vós, que o Senhor Jesus, na noite em que foi entregue, tomou o pão, e dando graças, o partiu, e disse: recebei e comei; isto é o meu corpo, que será entregue por vós; fazei isto em memória de mim.

    Igualmente depois de ter ceado, (tomou) o cálice, dizendo: este cálice, é o novo testamento no meu sangue, fazei isto em memória de mim todas as vezes que o beberdes. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciareis a morte do Senhor, até que ele venha.

    Portanto todo aquele que comer este pão ou beber este vinho indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor.

    Examine-se, pois, a si mesmo o homem, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque aquele que o come e bebe indignamente, come e bebe para si a condenação, não distinguindo o corpo do Senhor."

    Como alguém poderia ser réu do CORPO e do SANGUE, se a missa católica fosse simplesmente celebração da memória? Como poderia comer e beber a própria condenação quem, vendo PÃO e VINHO, e comendo PÃO e VINHO, não distinguisse o CORPO DO SENHOR? Como poderia alguém distinguir o CORPO do PÃO, se vê apenas PÃO? como se pode anunciar a morte de alguém com pão e vinho, numa ceia comemorativa ?

    Só faz sentido anunciar a morte num ritual solene e grave, não alegre e festivo, e tendo, ao invés de pão, o CORPO - que foi entregue - e no lugar de vinho, o SANGUE - que foi derramado. Não há escapatória, para ser réu do corpo é preciso que haja o corpo, que o corpo esteja realmente presente, e não apenas em símbolo. Concluo que sem corpo, somente com pão, não pode haver culpa. Por que então São Paulo fala de ser réu do corpo e sague de Nosso Senhor não distinguindo de pão e vinho , se só temos de fato pão e vinho ?

    ResponderEliminar
  4. "Como alguém poderia ser réu do CORPO e do SANGUE, se a missa católica fosse simplesmente celebração da memória? Como poderia comer e beber a própria condenação quem, vendo PÃO e VINHO, e comendo PÃO e VINHO, não distinguisse o CORPO DO SENHOR? Como poderia alguém distinguir o CORPO do PÃO, se vê apenas PÃO? como se pode anunciar a morte de alguém com pão e vinho, numa ceia comemorativa ?"

    EM CAIXA ALTA

    NÃO É SIMPLES? PORQUE OS ELEMENTOS UMA VEZ CONSAGRADOS, DEUS DERRAMOU SUA GRAÇA SOBRE ELES, E EMBORA NÃO ABANDONEM SUA NATUREZA QUÍMICA E ORGÂNICA, JÁ NÃO SÃO MAIS PÃO E VINHO ORDINÁRIOS, MAS REPRESENTAÇÃO DO CORPO E DO SANGUE DE CRISTO, O SENHOR.

    ResponderEliminar
  5. Basicamente, toda a argumentação do Gustavo resume-se numa falácia lógica denominada «Non sequitur». Nenhuma das consequências enumeradas pelo apóstolo Paulo por participar indignamente da Ceia do Senhor implica a transubstanciação dos elementos.

    Além de que é uma prática de eisegese - não passaria pela cabeça de ninguém, lendo apenas este texto, que os elementos consagrados são literalmente o corpo e sangue de Cristo. O que se tenta fazer é inserir ou insinuar no texto um preconceito exterior ao mesmo.

    Se alguém participa da Ceia do Senhor sem respeitar os símbolos do corpo e sangue de Cristo, como se estivesse a fazer uma refeição comum, é suficiente para sofrer o castigo de Deus.

    A advertência do apóstolo Paulo é mais compreensível quando se tem em mente que os cristãos primitivos celebravam a Ceia do Senhor no decurso de refeições comunitárias chamadas ágape, e muitos quando chegavam à celebração da Santa Ceia já tinham comido e bebido demais.

    De resto, o próprio Paulo distingue «ontologicamente» os elementos que se comem, do corpo e sangue de Cristo, quando os chama pão e vinho e diz que são a comunhão com o corpo e sangue de Cristo.

    "Portanto todo aquele que comer este pão ou beber este vinho indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor.

    Examine-se, pois, a si mesmo o homem, e assim coma deste PÃO e beba deste CÁLICE. Porque aquele que o come e bebe indignamente, come e bebe para si a condenação, não distinguindo o corpo do Senhor."

    "Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo?" (I Coríntios 10:16)

    ResponderEliminar
  6. Na verdade, este texto refuta o sacrifício contínuo, que a Igreja Romana ensina.

    Jesus, na cruz, foi imolado para os indgnos, na ceia, ela não é para os indgnos e sim para os dignos.

    No mais, entendo que o não destinguir os elementos, como, corpo e sangue de Cristo, tem a ver com o que eles representam, e isso não implica literalidade. O comungante está na verdade comendo pão e bebendo vinho, com um significado espirirual importantíssimo, eles representam o corpo e o sangue de Cristo, ao destinguir isso, vem a reverência, o temor, etc.Portanto, serão réus, aqueles que não dicerne o seu significado.

    ResponderEliminar
  7. "como se pode anunciar a morte de alguém com pão e vinho, numa ceia comemorativa ?" (Gustavo).


    R= Quando se entende o motivo da morte.

    A ceia já demonstrou a morte, o motivo da morte e por fim, a ressurreição.

    É paradixual, mas é uma morte comemorativa, não para os inimigos, e sim, para os amigos, pois ela é a causa de libertação.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...