domingo, 24 de novembro de 2013

O Evangelho de Judas: Factos e especulações


A recente publicação por parte de National Geographic de uma cópia do chamado Evangelho de Judas, presente num códice de papiro encontrado há quase três décadas no Egipto foi precedida de uma impressionante campanha publicitária que chegou às manchetes de todo o mundo.
Lamentavelmente, National Geographic decidiu apresentar um acontecimento científico notável com um deliberado tom sensacionalista, não isento de insinuações contra as igrejas cristãs, como é óbvio no título da apresentação televisiva: “O evangelho proibido de Judas”.
No decorrer do programa afirmou-se que o documento poderia “desbaratar” o dogma cristão, que o bispo Ireneu de Lyon escolheu no século II os quatro Evangelhos canónicos (Mateus, Marcos, Lucas e João) e descartou dezenas de outros evangelhos existentes. Também se disse que nos Evangelhos canónicos se evidencia um crescente antissemitismo, e vinculou-se este suposto antissemitismo com a perseguição dos judeus que atingiu o seu auge no século XX sob o regime nazi.
A leviandade irresponsável destas afirmações contrasta com a seriedade do trabalho de restauração, reconstrução, edição e tradução do texto por parte dos eruditos envolvidos. Por esta razão torna-se imprescindível distinguir o valor histórico do Evangelho de Judas do seu uso com fins ideológicos.
Alguns factos
O documento publicado forma parte de um códice (conjunto de folhas cosidas como um livro) de papiro de 62 ou 66 páginas, encontrado em 1978 próximo de Al Minyah, uma localidade na margem ocidental do Nilo. O sítio encontra-se ao norte de Nag Hammadi, onde em 1945 se encontraram vários documentos relacionados. Foi comprado por antiquários locais, ilegalmente retirado do Egipto e por fim adquirido pela antiquária de Zurique Frieda Nussberger-Tchacos em 2000. A proprietária chamou-o códice Tchacos em honra do seu pai. O códice tinha passado 16 anos num cofre em Nova York, onde, longe do clima quente e seco do Egipto, o seu estado se tinha deteriorado acentuadamente.
A Fundação Maecenas de Basileia (Suíça) adquiriu-o em 2001, mas como a lei suíça não permite a venda de um documento roubado do seu país de origem, a citada Fundação teve que procurar formas alternativas de obter proveitos. Por isso convocou a National Geographic para conservar, autenticar, editar e traduzir o documento, cujo destino final será o Museu Cóptico do Cairo.
O códice Tchacos consta de folhas de papiro escritas de ambos os lados. O Evangelho de Judas ocupa apenas uma parte da sua extensão. O resto contém outros documentos como o Primeiro Apocalipse de Tiago, a carta de Pedro a Filipe e um texto denominado provisoriamente o Livro de Alógenes. Está escrito em copta, o idioma popular dos egípcios entre os séculos III e X da nossa era, que incorporava muitas palavras gregas e se escrevia em caracteres similares aos do alfabeto grego. Especificamente, a escritura corresponde a um dialecto copta chamado sahídico.
A autenticidade do códice foi avaliada mediante uma série de técnicas que incluem a sua datação mediante carbono-14, análise da tinta usada, análise multiespectral, paleografia (análise da escrita antiga). Além disso, realizou-se uma análise do conteúdo e estilo. Os resultados indicam que se trata de um genuíno códice copta que data do século III ou IV da nossa era. Isto não significa de modo algum que seja um documento cristão, e muito menos de origem apostólica.
Resumo do conteúdo
O seguinte baseia-se na tradução publicada por National Geographic, que ao que parece não inclui senão parte do texto do códice original.
O chamado Evangelho de Judas tem um cabeçalho com a seguinte descrição: “O relato secreto da revelação que Jesus pronunciou em conversa com Judas Iscariotes durante uma semana, três dias antes de que celebrasse a Páscoa”. No final do manuscrito, como em outros similares, lê-se o título: O evangelho de Judas.
Menciona que Jesus fez “milagres e grandes maravilhas para a salvação da humanidade” e que chamou doze discípulos, aos quais por vezes lhes aparecia como uma criança.
Caracteristicamente, Jesus censura repetidamente os doze, e ri-se deles. O único que pode permanecer em pé diante dele é Judas, que o confessa como proveniente do “reino imortal de Barbelo”. Jesus lhe ordena que se separe dos outros discípulos para receber uma grande revelação.
Embora o texto seja fragmentário, já que faltam linhas aqui e ali, o que é apresentado é uma cosmogonia e uma escatologia típica do movimento gnóstico, na qual, por exemplo, Adão e Eva foram criados por espíritos inferiores ou diabólicos.
Jesus revela a Judas que este último deveria sofrer por causa da incompreensão dos outros, mas acrescenta: “Tu superá-los-ás a todos, pois sacrificarás o homem que me reveste”. O próprio Jesus encarrega Judas de o entregar. O documento termina dizendo que Judas respondeu às perguntas dos escribas, “recebeu dinheiro e o entregou a eles.”
Diferenças com os Evangelhos canónicos
Existem muitas diferenças notáveis entre o Evangelho de Judas e os quatro Evangelhos canónicos, sejam considerados individualmente ou em conjunto. O fundo doutrinal dos Evangelhos Canónicos são as Escrituras hebraicas, como o demonstram as centenas de citações e alusões ao Antigo Testamento que aparecem na boca de Jesus e dos seus discípulos. Nos Evangelhos canónicos, como no resto do Novo Testamento, a missão de Jesus como Messias de Israel é compreendida a partir de um Novo Pacto anunciado pelos antigos profetas de Israel (em particular Jeremias), e a morte de Jesus tem como propósito operar a expiação pelos pecados.
O Evangelho de Judas nada diz das Escrituras hebraicas (com excepção dos nomes de Adão, Eva e Sete) e nele a morte de Jesus carece de valor expiatório. Não possui intenção sacrificial, mas é simplesmente um instrumento para que o espírito de Cristo se desembarace do homem Jesus, para poder então ascender a âmbitos superiores de existência. Também não há indício da crença na ressurreição de Jesus Cristo, central para a fé cristã.
Assim, no Evangelho de Judas é reflectida a noção platónica do corpo como cárcere da alma, como um estorvo do qual há que desfazer-se para alcançar a salvação. O gnosticismo tipicamente considerava o universo material como intrinsecamente inferior e indigno de redenção. Por esta razão estimava o Deus criador do Antigo Testamento como uma divindade inferior e incapaz de salvar. A salvação provém através da aquisição de um conhecimento superior (gnose), reservado aos poucos que eram dignos dele, sobre a verdadeira natureza da alma humana e como pode ela transcender o universo material.
Tais ideias contrastam nitidamente com o ensino bíblico sobre o universo criado pelo único Deus e intrinsecamente bom. Embora corrompido por causa do pecado, o universo está destinado a ser resgatado e a tornar-se, no final dos tempos, um céu e uma terra novos nos quais habita a justiça. Esta crença é também coerente com a afirmação da ressurreição corporal, exemplificada pela ressurreição do próprio Cristo.
“Autêntico” não significa “cristão” nem “bíblico”
Nos encontramos, pois, perante um documento antigo, provavelmente genuíno, que data de cerca do ano 400 da nossa era. Supõe-se que este documento copta é uma tradução de um documento escrito em grego por volta da segunda metade do século II. Se isto for verdade, o Evangelho de Judas pode dizer-nos muito acerca do que acreditava quem o escreveu. Além de alusões a éones e divindades alheias à Bíblia, o seu autor parece ter conhecido superficialmente alguns ensinamentos e textos cristãos.
O seu conteúdo publicado permite inferir que provém de um grupo sincrético marginal, que amalgamou crenças pagãs e cristãs. Como resultado, o que ensina não é autêntico cristianismo tal como o conhecemos pelas Escrituras e pela história. O Metropolitano da Igreja Ortodoxa Copta resumiu isto ao declarar que “não são textos cristãos confiáveis nem exactos, já que são histórica e logicamente estranhos ao pensamento cristão principal e à filosofia dos cristãos primitivos e actuais”.
Deve notar-se ainda que, apesar do título, seria um grosseiro anacronismo atribuir a Iscariotes o “evangelho” que leva o seu nome. Simplesmente não pôde ter sido escrito por Judas mais de um século depois da sua morte! O costume de atribuir por escrito a autoria de obras deste tipo a algum personagem conhecido da era apostólica é muito comum na literatura apócrifa. Em contraste, grande parte do Novo Testamento canónico é anónimo em sentido estrito, pois os seus autores não se identificam no texto. Foi a tradição primitiva da Igreja, quando ainda viviam nela discípulos dos Apóstolos, que atribuiu a autoria que hoje aceitamos.
Mas além disso, o texto publicado sugere que o Evangelho de Judas não foi escrito por alguém que conhecesse a geografia palestina nem os costumes judaicos. Não é mencionado nenhum lugar, nenhum acontecimento concreto da vida de Jesus, e nem sequer o nome dos doze discípulos, com a única excepção de Judas. Os acontecimentos decorrem num limbo espácio-temporal. Completamente o contrário ocorre nos Evangelhos canónicos, cheios de alusões a costumes, lugares e personagens do tempo de Jesus.
Acusações infundadas
Os quatro Evangelhos canónicos foram escritos poucas décadas depois dos factos que narram, quando ainda viviam testemunhas presenciais. Foram cedo reconhecidos como dotados de autoridade pela maioria das Igrejas, e provavelmente circularam nelas como uma colecção já em princípios do século II.
Por esta razão Ireneu de Lyon pôde declarar algo mais tarde que só havia quatro Evangelhos autênticos: porque a esmagadora maioria dos cristãos admitia este facto. É insensato supor que Ireneu, ou qualquer outro bispo desse tempo, pudesse impor uma selecção arbitrária ao resto das Igrejas cristãs. O que Ireneu fez foi pôr por escrito o que já era geralmente aceite. Nenhum dos outros chamados evangelhos foi alguma vez levado a sério pela igreja cristã no seu conjunto.
O Evangelho de Judas, escrito muito depois dos factos por alguém obviamente alheio ao contexto espacial e temporal da Judeia do primeiro século, jamais poderia seriamente afectar a fé cristã histórica baseada nas Escrituras hebraicas e gregas.
Também não é correcto supor um crescente antissemitismo nos Evangelhos canónicos. Sem dúvida, os Evangelhos reflectem a polémica com os judeus que não aceitaram Jesus como Messias, polémica que se agudiza no livro dos Actos dos Apóstolos e nas cartas de Paulo. Mas é arbitrário e anacrónico acusar de antissemitismo os Apóstolos e demais seguidores do Messias judeu, muitos deles judeus eles próprios.
Conclusão
A apresentação de um documento antigo – não isento de valor histórico intrínseco mas totalmente irrelevante para o conhecimento da vida e ensinamentos de Jesus – como se fosse um desafio capaz de questionar radicalmente a doutrina cristã não é jornalismo responsável nem boa ciência. É possível que uma desmedida ambição de obter lucros a todo o custo se encontre na raiz deste infeliz empreendimento.
Fernando D. Saraví

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...