domingo, 1 de novembro de 2009

A irrepetibilidade do sacrifício de Cristo, seja de forma cruenta ou incruenta


Doutrina da Igreja de Roma

Concílio de Trento

Sessão XXII de 17 de Setembro de 1562

"E porque neste divino sacrifício, que na Missa se realiza, se contém e incruentamente se imola aquele mesmo Cristo que uma só vez se ofereceu Ele mesmo cruentamente no altar da cruz [Heb. 9,27]; ensina o santo Concílio que este sacrifício é verdadeiramente propiciatório [Can. 3] ... (Denzinger 940).

Cânon 3. Se alguém disser que no sacrifício da Missa não se oferece a Deus um verdadeiro e próprio sacrifício, ou que o oferecê-lo não é outra coisa que dar-se-nos a comer Cristo, seja anátema."

Em outras palavras, ainda que se reconheça a natureza única e irrepetível do sacrifício de Jesus Cristo na cruz, ao mesmo tempo se afirma que em cada missa que se celebra, o sacerdote imola a Deus, ainda que de forma incruenta, o próprio Senhor.

Doutrina bíblica

Hebreus 7: 15-16, 21-28

"Isto é ainda mais evidente se outro sacerdote se levanta à semelhança de Melquisedeque, que não foi constituído conforme ao mandamento da lei acerca da linhagem carnal, mas segundo o poder de uma vida indestrutível.

...
Os outros foram feitos sacerdotes sem juramento, enquanto este o foi pelo juramento daquele que lhe disse: Jurou o Senhor, e não se arrependerá: "Tu és sacerdote para sempre." De igual maneira, Jesus foi feito fiador de um pacto superior. Na verdade, muitos foram feitos sacerdotes, porque devido à morte não podiam permanecer. Mas este, porque permanece para sempre, tem um sacerdócio perpétuo. Por isso também pode salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, visto que vive para sempre para interceder por eles."

O sacerdócio de Jesus Cristo é superior em todos os sentidos ao de Arão porque:

1. Não está ligado à linhagem.

2. Foi estabelecido com juramento.

3. Foi estabelecido com um pacto superior.

4. É perpétuo e inclui uma intercessão permanente.

5. É suficiente para a salvação de todos os que nele confiam.

"Porque nos convinha tal sumo sacerdote: santo, inocente, puro, separado dos pecadores e exaltado acima dos céus. Ele não tem cada dia a necessidade, como os outros sumos sacerdotes, de oferecer sacrifícios, primeiro por seus próprios pecados e depois pelos do povo; porque isto o fez uma vez para sempre, oferecendo-se a si mesmo. A lei constitui como sumos sacerdotes homens débeis; mas a palavra do juramento, posterior à lei, constituiu o Filho, feito perfeito para sempre."

O sacerdócio de Jesus Cristo é superior em todos os sentidos ao de Arão também porque:

1. O Sacerdote é perfeito em todo sentido.

2. Não necessita oferecer sacrifício pelo seu próprio pecado.

3. Não necessita repetir o único sacrifício que realizou uma vez para sempre.

Hebreus 8:6

"Mas agora Jesus alcançou um ministério sacerdotal tanto mais excelente porquanto ele é mediador de um pacto superior, que foi estabelecido sobre promessas superiores."

O sacerdócio de Jesus Cristo é superior em todos os sentidos ao de Arão, além disso, porque:

1. O seu ministério sacerdotal é excelente.

2. Ele é o mediador de um melhor Pacto.

3. Este Pacto inclui promessas superiores.

Hebreus 9: 8-14

"Com isto o Espírito Santo dava a entender que ainda não havia sido mostrado o caminho para o lugar santíssimo, enquanto estivesse em pé a primeira parte do tabernáculo. Isto é uma figura para o tempo presente, segundo a qual se ofereciam dons e sacrifícios que não podiam fazer perfeito, quanto à consciência, o que prestava culto. Estes são ordenanças da carne, que consistem somente em comidas e bebidas e diversas lavagens, impostas até ao tempo da renovação." Mas estando já presente Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por meio do maior e mais perfeito tabernáculo não feito por mãos, isto é, não desta criação, entrou uma vez para sempre no lugar santíssimo, obtendo assim eterna redenção, já não mediante sangue de bodes e novilhos, mas mediante o seu próprio sangue. Porque se o sangue de bodes e de touros, e a cinza da vitela aspergida sobre os impuros, santificam para a purificação do corpo, quanto mais o sangue de Cristo, que mediante o Espírito eterno se ofereceu a si mesmo sem mancha a Deus, limpará as nossas consciências das obras mortas para servir ao Deus vivo!

O sacerdócio de Jesus Cristo é superior em todos os sentidos ao de Arão porque:

1. Porque não consiste em "ordenanças da carne", ritos repetitivos que apenas prefiguravam a realidade presente.

2. Porque o tabernáculo era somente uma imitação transitória do santuário perfeito e celestial no qual entrou Jesus Cristo.

3. Porque o Senhor somente necessitou entrar uma vez no tabernáculo celestial.

4. Porque o fez uma vez por meio do seu próprio sangue.

5. Porque este único e irrepetível sacrifício bastou para a eterna redenção.

Hebreus 9: 23-28

"Era, pois, necessário purificar as figuras das coisas celestiais com estes ritos; mas as próprias coisas celestiais, com sacrifícios melhores do que estes. Porque Cristo não entrou num lugar santíssimo feito por mãos, figura do verdadeiro, mas no próprio céu, para apresentar-se agora diante de Deus a nosso favor. E não entrou para se oferecer muitas vezes a si mesmo, como entra cada ano o sumo sacerdote no lugar santíssimo com sangue alheio. De outra maneira, lhe haveria sido necessário padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora, ele se apresentou uma vez para sempre na consumação dos séculos, para tirar o pecado mediante o sacrifício de si mesmo. Então, tal como está estabelecido que os homens morram uma só vez, e depois o juízo, assim também Cristo foi oferecido uma só vez para tirar os pecados de muitos. A segunda vez, já sem relação com o pecado, aparecerá para salvação aos que o esperam."

O sacerdócio de Jesus Cristo é superior em todos os sentidos ao de Arão:

1. Porque as coisas celestiais requeriam uma purificação perfeita e definitiva.

2. Porque por sua própria natureza tal sacrifício podia e devia oferecer-se somente uma vez, "na consumação dos séculos".

3. Porque tem eficácia perpétua e universal para tirar o pecado.

Hebreus 10: 8-14

"Tendo dito acima: Sacrifícios, ofertas e holocaustos pelo pecado não quiseste nem te agradaram (coisas que se oferecem segundo a lei), depois disse: Eis-me aqui para fazer a tua vontade! Ele tira o primeiro para estabelecer o segundo. É nessa vontade que somos santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo feita uma vez para sempre. Todo sacerdote se apresenta, dia após dia, para servir no culto e oferecer muitas vezes os mesmos sacrifícios que nunca podem tirar os pecados. Mas este, havendo oferecido um só sacrifício pelos pecados, sentou-se para sempre à direita de Deus, esperando daí por diante até que os seus inimigos sejam postos por escabelo de seus pés. Porque com uma só oferta aperfeiçoou para sempre os santificados."

O sacerdócio de Jesus Cristo é superior em todos os sentidos ao de Arão:

1. Porque o seu sacrifício incluiu perfeita obediência.

2. Porque trouxe consigo a abolição do sistema antigo e imperfeito.

3. Porque não foi necessário apresentar mais do que um único sacrifício.

4. Porque esta única oferta perfeita basta para a expiação de todos os pecados.

Nas passagens citadas se afirma não menos de seis vezes que o sacrifício de Cristo foi feito uma só vez e que a sua eficácia é perpétua, "para salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus", "para oferecer sacrifício... pelos pecados deles", para ser mediador de "um pacto superior", para obter "eterna redenção", para "limpar as nossas consciências", para "tirar os pecados", para que sejamos santificados e para que sejamos aperfeiçoados.

A ideia de que seja necessário, ou sequer possível, repetir este sacrifício, seja de maneira cruenta ou incruenta, é completamente alheia ao texto e contexto da Escritura.

Fernando D. Saraví

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...